Conecte-se conosco

Cotidiano

Governo federal assina contratos com Pfizer e Janssen para vacinas

Publicado

em

CNN teve acesso aos documentos que preveem entrega de 138 milhões de doses a partir do segundo trimestre; custos chegam a US$ 1,38 bilhão

Murillo Ferrari, da CNN

O governo brasileiro concluiu na quinta-feira (18) a assinatura dos contratos com a farmacêutica norte-americana Pfizer e com a belga Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson, para a compra de 138 milhões de doses de vacinas contra o novo coronavírus.

O contrato com a Pfizer prevê a entrega de 13,51 milhões de doses do imunizante no 2â trimestre de 2021 e de mais 86,48 milhões de doses no 3º trimestre, totalizando 100 milhões de doses de vacinas.

Já o acordo com a Janssen prevê a entrega de 38 milhões de doses do imunizante de dose única no último trimestre de 2021 ao custo de US$ 10 (R$ 5,46) por dose. Os dados constam nos documentos assinados com as empresas e aos quais o âncora da CNN Kenzô Machida teve acesso.

Ao todo, as vacinas da Pfizer custarão pouco mais de US$ 1 bilhão (cerca de R$ 5,46 bilhões, em conversão direta) ao governo brasileiro, com um custo de US$ 10 por dose (R$ 5,46). Já os imunizantes da Janssen terão custo total de US$ 380 milhões (cerca de R$ 2,07 bilhões), também a US$ 10 por dose.

O acordo com a Pfizer

“Dentro do período de 5 (cinco) dias da assinatura do Contrato, o Comprador submeterá à Pfizer Pedido de Compra legalmente vinculante e irrevogável para 100.001.070 (cem milhões, uma mil e setenta) doses (“Doses Contratadas”) do Produto (o “Pedido de Compra Inicial”)”, diz trecho do contrato assinado com a Pfizer.

“Em consideração parcial pelas Doses Contratadas, o Comprador efetuará um pagamento antecipado de US$ 200.002.140,00 (calculado a US$ 2,00/dose multiplicado pelas Doses Contratadas) no prazo de 10 (dez) dias a contar do recebimento de uma fatura da Pfizer”, continua o documento.

O acordo prevê também em uma de suas cláusulas que “em circunstância alguma” a empresa estará sujeita a ou será responsável por qualquer penalidade por atraso na entrega das doses da vacina.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou em 23 de fevereiro a autorização de registro da vacina da Pfizer/Biontech contra Covid-19 – o primeiro para uso amplo nas Américas.

O acordo, sem detalhamento de doses e valores, foi confirmado também pela empresa norte-americana, em nota divulgada nesta sexta-feira (19).

“Estamos muito honrados em trabalhar com o governo brasileiro e em colocar nossos recursos científicos e produtivos a favor de nosso objetivo comum de vacinar a população brasileira contra a COVID-19 o mais rapidamente possível,” disse Marta Díez, presidente da Pfizer Brasil.

“Diante desta crise global de saúde, o propósito da Pfizer – grandes avanços que mudam as vidas dos pacientes, se tornou ainda mais urgente. Nossa esperança é que nossa vacina ajude a fazer isso acontecer.”

Frasco com vacina contra Covid-19 da Pfizer/BioNTech; Brasil assinou contrato para receber 100 milhões de doses
Foto: Liam McBurney/Pool via Reuters (8.dez.2020)

Cláusulas de rescisão

O contrato entre o governo brasileiro e a Pfizer prevê, ainda, três situações em que o acordo pode ser rescindido: por justa causa, por rescisão mútua ou em caso de insolvência.

A primeira determina que qualquer uma das partes poderá encerrar o contrato após notificação da outra no caso de “violação relevante pela outra parte de qualquer disposição (…) se tal violação não for sanada no prazo de 30 dias a contar da data de notificação”.

“Caso este Contrato seja rescindido pela Pfizer de acordo com esta Cláusula 6.2, o Comprador pagará, no prazo de 30 (trinta) dias a contar da data de notificação da rescisão deste Contrato, o Preço total de todas as Doses Contratadas menos valores já pagos à Pfizer em tal data”, diz o termo.

Já a possibilidade de rescisão mútua prevê três condições: o produto não obter autorização até 30 de setembro de 2021 – o que não deve ser mais possível já que o produto recebeu aval da Anvisa; a Pfizer não fornecer nenhuma dose do produto até 30 de abril de 2022, sujeito às prorrogações previstas no acordo; ou se a empresa não fornecer todas as doses contratadas até 31 de dezembro de 2022.

“Caso este Contrato seja rescindido nos termos desta Cláusula 6.3, o Comprador poderá faturar a Pfizer por um reembolso de 100% (cem por cento) do Pagamento Adiantado pelas Doses Contratadas não entregues”, determina o acordo.

Por fim, a rescisão caso de insolvência pode ser utilizada caso a Pfizer tenha contra si um pedido de falência ou tenha sua falência declara; celebre uma escritura de venda; seja dissolvida ou transfira uma parcela substancial de seus ativos a um terceiro ou tenha um administrador nomeado em benefício de seus credores.

Essa cláusula não prevê a possibilidade de ressarcimento de valores para nenhuma das parte

Comentários

Cotidiano

Conmebol vai analisar imagem de torcedores do Corinthians rasgando dinheiro na Bombonera

Publicado

em

Por

Unidade Disciplinar da Conmebol pode punir o Timão caso defina como necessário

A Conmebol, por meio de sua Unidade Disciplinar que julga casos passíveis de punições, vai analisar uma imagem em que torcedores do Corinthians rasgam notas de pesos argentinos na arquibancada da Bombonera, em Buenos Aires, na última terça-feira, em jogo da Libertadores.

Antes da partida que definiu a classificação do Timão às quartas da Libertadores, dois corintianos foram fotografados rasgando notas da moeda argentina.

A imagem foi repercutida pela imprensa local e, nesta quarta-feira, ficou decidido que ela será analisada pela entidade. A informação foi publicada por Marcel Rizzo, colunista do UOL, e confirmada pelo ge. Ainda não foi aberto um Expediente Disciplinar contra o Corinthians.

Torcedores do Corinthians rasgam cédula em jogo contra o Boca — Foto: Marcelo Endelli/Getty Images

Torcedores do Corinthians rasgam cédula em jogo contra o Boca — Foto: Marcelo Endelli/Getty Images

O que pode acontecer com o Corinthians? O Código Disciplinar da Conmebol aponta, no Artigo 7, as possíveis punições que um clube pode receber, que vão de multa até portões fechados. Já no Artigo 10.2 é onde aparece o caso em que o clube pode ser punido.

“2. As sanções disciplinares previstas no Artigo 7 deste Regulamento podem ser impostas às Associações Membro e aos Clubes em casos de comportamento incorreto

d) O uso de gestos, palavras, objetos ou outros meios para transmitir qualquer mensagem inadequada em um evento esportivo, principalmente se for de natureza política, ofensiva ou provocativa.”

No dia 24 de junho, a Conmebol multou o Corinthians em 30 mil dólares exatamente por uma “infração ao artigo 10.2 literal d”. Na ocasião, no jogo válido pela fase de grupos, na Bombonera, a punição se deu pelo mesmo motivo que o clube pode ser julgado agora.

“1º. IMPOR ao SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA uma multa de USD 30.000 (TRINTA MIL DÓLARES AMERICANOS) pela infração ao artigo 10.2 literal d) do Código Disciplinar da CONMEBOL. O valor desta multa será debitado automaticamente da quantia que o SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA receberá da CONMEBOL por direitos Televisivos ou de Patrocínio.”

Sede da Conmebol — Foto: Divulgação

Sede da Conmebol — Foto: Divulgação

Vale lembrar que a Conmebol já está no processo de julgamento dos casos de racismo que aconteceram em Corinthians x Boca na Neo Química Arena, no jogo de ida das oitavas de final. Um Expediente Disciplinar contra o time argentino já foi aberto por esse terceiro caso.

No primeiro, registrado na arena do Timão, no dia 26 de abril, ainda na primeira fase da competição, a punição ao Boca demorou quase um mês para acontecer. A pena foi de US$ 30 mil (cerca de R$ 143 mil na cotação atual).

Já no dia 17 de maio, o Corinthians visitou o Boca Juniors na Argentina e, novamente, foram gravados casos de racismo nas arquibancadas. A punição aconteceu no dia 25 de junho e foi de 100 mil dólares (cerca de R$ 524 mil na cotação atual) – o clube pode recorrer até este sábado.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Sipam prevê quarta-feira (6) com céu nublado e possibilidade de chuva a qualquer hora do dia no Acre

Publicado

em

Por

Já na capital e demais regiões do Acre o dia será de céu claro a parcialmente nublado, com possibilidade de chuva rápida e isolada à tarde.

Sipam prevê quarta-feira (6) com céu nublado e possibilidade de chuva a qualquer hora do dia no Acre — Foto: Maurício Henrique/Rede Amazônica Acre

 

O Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) prevê um dia de sol e calor em todo o Acre nesta quarta-feira (6). A previsão para este dia é de céu parcialmente nublado a nublado com pancadas isoladas de chuva e trovoadas à tarde nas cidades do oeste acreano.

Já na capital e demais regiões do Acre o dia será de céu claro a parcialmente nublado, com possibilidade de chuva rápida e isolada à tarde.

Confira as temperaturas em todas as regiões:

 

Alto Acre

 

Em Assis Brasil, Brasileia, Epitaciolândia e Xapuri, as temperaturas oscilam entre a mínima de 20°C e a máxima de 33ºC.

Baixo Acre

 

Mínima de 21°C e máxima de 32ºC são as temperaturas registradas em Acrelândia, Bujari, Capixaba, Plácido de Castro, Porto Acre, Senador Guiomard e Rio Branco.

Vale do Juruá

 

Já em Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima, Marechal Thaumaturgo, Porto Walter e Rodrigues Alves os termômetros ficam entre 22ºC e 33°C.

Vale do Purus

 

Em Manoel Urbano, Santa Rosa do Purus e Sena Madureira faz entre 21º C e 31°C.

Vale do Tarauacá/Envira

 

Por fim, em Feijó, Jordão e Tarauacá a variação de temperatura fica entre a mínima de 23°C e a máxima de 33°C.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Flamengo recebe Tolima em busca de vaga para quartas da Libertadores

Publicado

em

O Flamengo recebe o Tolima (Colômbia), a partir das 21h30 (horário de Brasília) desta quarta-feira (6) no estádio do Maracanã, para buscar a classificação para as quartas de final da Copa Libertadores. A Rádio Nacional transmite a partida ao vivo.

A equipe da Gávea chega com vantagem ao confronto, após vencer os colombianos na última semana por 1 a 0, gol do volante Andreas Pereira, que deixou o Rubro-Negro e está perto de ser anunciado pelo Fulham (Inglaterra). Quem avançar nesta eliminatória terá pela frente o Corinthians, que eliminou o Boca Juniors (Argentina) na última terça.

Na verdade a vitória da última quarta (29) faz parte de uma sequência de três triunfos (junto com o 3 a 0 sobre o América-MG e o 2 a 1 sobre o Santos, ambos pelo Brasileiro) que dá confiança ao técnico Dorival Júnior para buscar um futuro melhor.

“Sei que ainda estamos longe do que queremos, plasticamente ainda estamos um pouco distantes do que desejamos para a equipe. Porém, vocês podem ter certeza de que esses jogadores estão se entregando demais para conquistar cada ponto. Essa valorização tem de partir de dentro. Em termos efetivos, era o que precisávamos para um respiro dentro do campeonato e para buscar regularidade”, declarou o treinador após a vitória sobre o Peixe no último sábado (2).

Para o jogo desta quarta no Maracanã, Dorival contará com retornos importantes. O primeiro é do volante João Gomes, que cumpriu suspensão por acúmulos de cartões amarelos. Outra novidade no meio-campo pode ser Willian Arão, que se recuperou de infecção pelo novo coronavírus (covid-19).

Já na defesa o zagueiro Rodrigo Caio deve retornar após tratar uma tendinite no joelho esquerdo.

Considerando estes retornos, uma possível escalação do Flamengo para o confronto com o Tolima é: Santos; Rodinei (Matheuzinho), Rodrigo Caio, David Luiz (Pablo) e Ayrton Lucas (Filipe Luís); Thiago Maia, Willian Arão e João Gomes; Everton Ribeiro, De Arrascaeta e Gabriel Barbosa.

Comentários

Continue lendo

Em alta