Foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, 4, portaria que reconhece a situação de emergência em nove cidades do Acre (Acrelândia, Assis Brasil, Brasileia, Bujari, Epitaciolândia, Plácido de Castro, Porto Acre, Rio Branco e Xapuri). Com o decreto, o Acre passa a receber apoio direto de órgãos federais. O governador Sebastião Viana havia decretado situação de emergência em toda Bacia do Rio Acre no dia 7 de julho.

O abastecimento de água em Rio Branco é um dos pontos principais do decreto. O processo de vazão do Rio Acre permanece acelerado. Na manhã desta quinta, 4, o manancial registrou a marca de 1,41 metro, em Rio Branco, segundo medição realizada pela Defesa Civil. Este é o menor nível já registrado desde a série histórica de 1970.

O decreto autoriza a ter um reconhecimento da Defesa Civil e permite uma parceria e divisão de responsabilidades, inclusive logísticas.

Segundo as avaliações do Instituto de Mudanças Climáticas (IMC), não há previsão de grandes volumes de chuvas pelos próximos 45 dias no Acre. Até agora, o déficit de chuvas no último trimestre é de 400 milímetros no Acre. Com isso, todo o estado está com alta criticidade de incêndios e apenas os municípios de Cruzeiro do Sul, Jordão, Porto Walter e Xapuri não estão com seus rios em níveis críticos.

O plano de ação de emergência foi traçado pela Defesa Civil Estadual e Municipal e demais órgãos ambientais das esferas federal, municipal e estadual.


Com informações do ac24horas.com

Comentários