A tentativa do governo do Estado em aprovar um Projeto de Emenda Constitucional (PEC), que dispõe sobre a reforma da previdência, que vem gerando um rombo mensal de R$ 50 milhões nas contas públicas não teve o êxito esperado. O anúncio da PEC foi feito na sessão de ontem, na tribuna, pelo líder do governo, deputado Gerlen Diniz (Progressista). A reação da oposição foi imediata. Os deputados Jenilson Leite (PSB), Edvaldo Magalhães (PCdoB), Daniel Zen (PT) e o independente Roberto Duarte (MDB), pediram imediatamente uma audiência pública para discutir a PEC com sindicalistas do serviço público. A ideia era mobilizar todo categoria (como foi feito) para a abortar a votação em plenário ontem e hoje. Os parlamentares do governo pisaram na casca de banana. Começava um dia de cão.

Logo pela manhã dezenas de sindicalistas e servidores públicos foram protestar na frente da Assembleia. Instigados pelos deputados de oposição não aceitaram a audiência pública no auditório e exigiram no plenário, local das votações. A Mesa Diretora resistiu, mas não foi o suficiente. Sindicalistas avançaram para invadir o salão nobre e o plenário, mas foram contidos a força e gás de pimenta jogado sabe-se lá por quem. Foi uma gritaria geral. Para evitar mais violência o presidente da Aleac Nicolau Júnior autorizou a entrada em plenário. A confusão continuou. Os sindicalistas não queriam mais “audiência pública” e sim “reunião pública”. Mais uma hora de discussão e gritaria para decidir. Ao final prevaleceu “reunião pública”.

Entre gritos, vaias, xingamentos e impropérios nas galerias ocupadas por servidores a “reunião pública” começou. Nicou Júnior abriu o encontro da discórdia passando a palavra para o líder Gerlen Diniz que anunciou a explanação da PEC pelo presidente do Acreprevidência, Francisco Assis. Mais uma hora de briga até que o presidente do instituto pode falar comprovando com slides a necessidade da aprovação da PEC da reforma frente ao rombo de R$ 50 milhões. Segundo ele explicou, o governo trabalha a proposta em três eixos: Direito adquirido (não se mexe), regras de transição (para os atuais servidores) e novas regras (futuro servidores). Todos os sindicalistas discursaram, criticaram o governo e apelaram para que direitos conquistados não sejam retirados.

Depois dos discursos dos sindicalistas o presidente Nicolau Júnior suspendeu a sessão. Começava a guerra de nervos entre as categorias, deputados de oposição e do governo para impedir a votação da PEC. Para abortar a sessão, os mais de 70 integrantes do movimento resolveram acampar no plenário da Casa do Povo. Luzes apagadas, ar condicionado desligado, banheiro feminino fechado não foi o suficiente para que ninguém arredasse o pé. A direção da Aleac negou a retaliação. Os manifestantes só saíram no início da noite, quando o líder do governo garantiu que a PEC não seria apreciada. Na ocasião, Diniz revelou que algumas categorias passaram a tarde negociando com o governo enquanto o plenário era ocupado pelos mais radicais. Alguns sindicalistas se sentiram traídos e protestaram “a falta de solidariedade dos companheiros”.

Presidente do PT é hostilizado

O presidente da Executiva Estadual do PT, Cesário Braga, também integrava o movimento que ocupou a Assembleia Legislativa. Seguranças tentaram impedir sua entrada em plenário, por não ser sindicalista, mas o presidente da Assembleia, Nicolau Júnior e o líder do governo, Gerlen Diniz, democraticamente resolveram o impasse libera do o acesso do petista juramentado. Cesário disse ao ac24horas que a tentativa de o colocar como líder do movimento era para deslegitimar a luta dos companheiros sindicalistas, mas que estava tudo bem.

FOTO: SÉRGIO VALE

Sindicalista voltam a Aleac amanhã

A presidente da CUT e do Sinteac, Rosana Nascimento, pediu a desocupação do plenário sob a garantia de Gerlen Diniz de que nada seria votado durante a madrugada. “O PT fazia isso, o governo Gladson Cameli não tem essa prática”, rebateu o líder ironizando. Rosana convocou a todos para que amanhã, 7, às 8 horas, estejam em seus postos para tentar impedir novamente a votação da PEC da reforma da previdência. Poderá ser mais um dia de cão.

FOTO: SÉRGIO VALE

Comentários