A grande desigualdade salarial entre homens e mulheres persiste no mercado de trabalho do país, embora tenha se estreitado ao longo de 2018, mostram dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta sexta-feira, Dia Internacional da Mulher.

Conforme o estudo do IBGE, as mulheres receberam salário médio de R$ 2.050 por mês no ano passado, o correspondente a 79,5% do rendimento do trabalho dos homens (R$ 2.579). Essa distância era mais desfavorável no ano anterior, quando estava em 78,3%. Em 2016, a proporção estava em 80,8%.

O rendimento mensal das mulheres era menor porque elas recebiam menos por hora trabalhada e também porque trabalhavam menos horas por semana — neste caso, refletindo a dupla jornada feminina, ou seja, do fato delas trabalharem e também terem, muitas vezes, que dedicar-se ao cuidado de filhos e da casa.

Conforme o levantamento, as mulheres recebiam R$ 13 por hora trabalhada em 2018, o correspondente a 91,5% do recebido por homens (R$ 14,20). Essa diferença era ainda maior em 2017, quando elas recebiam o correspondente a 88,7% do salário masculino por hora.

Além de um salário-hora menor, as mulheres trabalhavam, em média, 4,8 horas a menos do que os homens durante o período de uma semana. O homem trabalhava 42,7 horas semanais, enquanto a mulher, 37,8 horas por semanas. Essa diferença chegou a ser de 6 horas em 2012 e vem se estreitando.

A disparidade existe apesar de as mulheres terem maior nível de instrução. Em 2018, 22,8% das mulheres que trabalhavam tinham ensino superior, ante 18,4% dos homens. Mulheres sem instrução e fundamental incompleto tinham a menor renda média da pesquisa, identificada em R$ 880.

Segundo a pesquisadora Adriana Beringuy, do IBGE, a redução da desigualdade salarial entre homens e mulheres passa por políticas públicas como aumento da oferta de creches e escolas em tempo integral, de forma a dar apoio às mulheres não se afastarem do mercado de trabalho.

“Existem coisas fora do mercado de trabalho que afetam o desempenho profissional da mulher, como afazeres doméstico e cuidado de pessoas. A mulher entra e sai mais do mercado do que os homens, seja por conta de afastamento por gravidez ou porque precisam cuidar de idosos”, exemplifica ela.

Durante a campanha eleitoral de 2018, o então candidato Jair Bolsonaro (PSL) foi acusado de defender que mulheres ganhem menos do que homens porque engravidam e têm direito à licença-maternidade. A afirmação foi feita numa entrevista à apresentadora Luciana Gimenez, na RedeTV!, em 2016. “Eu não empregaria com o mesmo salário. Mas tem muita mulher que é competente… Que é muito mais competente do que homem e que ganha mais do que homem também”, disse Bolsonaro durante o programa.

Militar

O salário médio das mulheres supera a dos homens no ambiente militar, mas está 20% abaixo da renda dos homens dentro das universidades, mostra um levantamento inédito do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgado nesta sexta-feira em que se comemora Dia Internacional da Mulher.

Dos dez grupamentos ocupacionais acompanhados pelo IBGE, as mulheres têm rendimento médio maior do que os homens somente no chamado “membros das Forças Armadas, policiais e bombeiros militares”. Elas recebiam R$ 5.338 mensais em 2018, acima dos R$ 5.301 mensais dos homens naquele ano.

Segundo a pesquisadora Adriana Beringuy, do IBGE, isso é explicado pelo fato de as mulheres geralmente ingressarem no setor militar como oficiais. “As mulheres entram já com nível superior. Você vê poucas como cabo, soldado. Elas estão mais presentes como oficiais, principalmente médicas”, disse.

Se a renda média delas é maior, o salário é para poucas. As mulheres representam apenas 13,2% do total de pessoas ocupadas nas forças armadas, polícias militares e bombeiros, segundo o levantamento do IBGE.

O resultado foi uma exceção dentro da pesquisa do instituto. As mulheres em cargos de diretoria e gerência, por exemplo, tinham rendimento médio de R$ 4.435, 71,3% do recebido pelos homens (R$ 6.216). No grupamento de profissionais das ciências e intelectuais, essa razão baixava para 64,8%.

Entre os professores de universidades e do ensino superior, o rendimento das mulheres equivalia a 82,6% do recebido pelos homens. Essa diferença era curiosamente menor entre professores do ensino fundamental — as mulheres recebiam 90,5% do rendimento dos homens.

“No ensino fundamental, existe o piso do salário, o que aproxima a remuneração de homens e mulheres. Além disso, existem mais mulheres inseridas no ensino fundamental como diretoras, inspetoras”, disse Beringuy.

Por Bruno Villas Bôas - Valor online

Comentários