Município de 10 mil habitantes não tem nenhum automóvel registrado.
Dificuldade de acesso e ruas sem asfalto estão entre as causas.

G1/Ac

Porto Walter não tem nenhum automóvel registrado; carro de boi é um dos meios de transporte usado pelos moradores (Foto: Genival Moura/G1)
Porto Walter não tem nenhum automóvel registrado; carro de boi é um dos meios de transporte usado pelos moradores (Foto: Genival Moura/G1)

Sem acesso por terra e com a maioria das ruas sem asfalto, a pequena cidade de Porto Walter, no interior do Acre, é a única do país que não tem nenhum automóvel registrado. No município de pouco mais de 10 mil habitantes, o que se vê são motos, bicicletas, carros de boi e caminhonetes. Mas avistar um carro é quase impossível.

O G1 viajou quatro horas de lancha voadeira de Cruzeiro do Sul até a cidade e durante um dia inteiro só cruzou com três automóveis – todos com placas de municípios vizinhos, apenas de “passagem” pelo local.

O isolamento geográfico e a falta de ruas pavimentadas estão entre as explicações dadas pelos moradores para a ausência de automóveis. Segundo o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), o município conta com 113 veículos ao todo – sendo 87 motos.

Porto Walter (Foto: Arte/G1)

Para chegar à cidade, é preciso cruzar o Rio Juruá – em uma viagem que dura de três a cinco choras. Em caso de barcos e balsas transportando mercadorias, o percurso pode levar até dois dias, dependendo do nível d’água.

A logística complicada e a falta de infraestrutura urbana fazem os moradores desistirem da ideia de adquirir um automóvel. O aposentado Deusdite Barauna Bezerra, de 73 anos, diz que possuía dois carros quando morava em Cruzeiro do Sul, mas decidiu vendê-los ao retornar para Porto Walter, sua cidade natal.

“Não compensa. Há poucas ruas (asfaltadas) e as estradas de terra são perigosas. A gente leva os filhos para a escola a pé e quando precisa transportar alguma coisa mais pesada freta um carro de boi. Vale mais a pena investir na compra de um barco, porque assim a gente pode seguir pelo rio até Cruzeiro do Sul”, diz.

O carro de boi, comum nas ruas do município, é o meio de transporte do autônomo Francisco Jurandir Pinheiro, de 53 anos. “Eu faço as minhas compras e transporto tudo o que preciso na carroça. Nessa época há muitas estradas com atoleiros, aonde os carros não chegam. Aí eu aproveito para fazer frete e ganhar um dinheirinho com o boi”, afirma.

O aposentado Deusdite Barauna Bezerra, que vendeu os dois carros em Cruzeiro do Sul, antes de voltar a morar em Porto Walter (Foto: Genival Moura/G1)
O aposentado Deusdite Barauna Bezerra, que
vendeu os dois carros em Cruzeiro do Sul, antes
de voltar a morar em Porto Walter (Foto:
Genival Moura/G1)

Além das motocicletas, os poucos veículos que circulam no município são utilitários e caminhonetes e caminhões que pertencem a órgãos públicos e construtoras.

Para o servidor público Emerson Rodrigues Semeão de Souza, de 26 anos, um outro fator que inviabiliza a compra de um carro é a falta de oficina mecânica e mão de obra especializada na cidade. “Quando um carro apresenta um problema aqui, é preciso pagar R$ 1,2 mil de frete para levar para Cruzeiro do Sul ou trazer um mecânico de lá. Aí fica inviável.”

Ivo Dias de Oliveira, de 43 anos, que também é servidor público, acredita que já existe uma cultura de se andar a pé, inclusive pelo tamanho da cidade. “Nós temos aqui no máximo três quilômetros de ruas pavimentadas. Os estudantes e as pessoas andam tudo a pé, com exceção daqueles que têm motos. Eu acredito que alguns até têm vontade de comprar um carro, mas, no geral, a renda de todo mundo é baixa e isso não é possível”, afirma. O preço do litro da gasolina na cidade também é quase um impeditivo: R$ 4,25.

O comerciante José Tomé, de 68 anos, um dos mais tradicionais do município, diz que tem condições de adquirir um carro de passeio, mas também acha que não vale a pena o investimento. “Um carro aqui se estraga muito rápido, as ruas não prestam. A gente já é acostumado. Eu vejo por aí as pessoas colocando toda a família no carro para ir passear, ir para um sítio. Aqui a gente já se acostumou. Não sente falta disso.”

A secretária municipal de Administração, Suiane Sarah, diz que a prefeitura planeja gastar R$ 600 mil na pavimentação de ruas em 2014, dinheiro que será destinado pelo governo federal por meio de emenda parlamentar.

Dificuldade de acesso e ruas sem pavimento desestimulam compra de carros em Porto Walter (Foto: Genival Moura/G1)
Dificuldade de acesso e ruas sem pavimento desestimulam compra de carros em Porto Walter (Foto: Genival Moura/G1)

 

Comentários