Conecte-se conosco

Acre

Jovem de 20 anos perde a vida após chocar moto contra taxi e garupa fica ferida na BR 317

Publicado

em

Veículos ficaram no local até a chegada da equipe da PRF – Foto: Alexandre Lima

Uma vítima identificada como Jercilei da Silva Santiago, de 20 anos e natural de Xapuri, perdeu a vida na madrugada desta segunda-feira, dia 29, após chocar a moto modelo Honda, placa MZV 8266 que trafegava pela BR 317, sentido Xapuri/Epitaciolândia, por volta das 5h30 da madrugada com uma mulher na garupa.

A moto teria se chocado contra um veículo taxi lotação, modelo Chevrolet placas QLX 8B15, conduzido por Enilson Lopes Gama (42) que ia sentido contrário no km 19, próximo a ponte que passa sobre o Igarapé Barra.

PRF isolou o local até a chegada do IML e guincho para retirada dos veículos – Foto: Alexandre Lima

A mulher que estava na garupa, foi identificada como; Lianes Martins das neves, de 30 anos, que teria ficado ferida no local ainda consciente, até a chegada de uma equipe do SAMU. Esta foi socorrida e levada para o hospital Raimundo Chaar em Brasiléia, onde recebeu os primeiros socorros e ficou em observação pela equipe médica. Não foi informado o real estado de saúde e se deveria ser transferida para a capital nas próximas horas.

O jovem Enilson teve morte no local e seu corpo seria resgatado após a chegada de uma equipe do IML. Uma guarnição da PRF se deslocou até o local do acidente para coletar mais informações.

Acidente aconteceu na madrugada. Buracos na BR podem ter sido a causa.

Uma das hipóteses do acidente, seria a tentativa de desviar de buracos no trecho, considerado um dos piores entes de chegar em Epitaciolândia. Foi informado que o motorista teria se evadido do local por medo de familiares, para se apresentar às autoridades na cidade.

 

Comentários

Acre

Redução das queimadas até 7 de agosto é de 53% no Acre, segundo dados do Inpe

Publicado

em

Por Raimari Cardoso

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) divulgou, na semana passada, nota comemorando a queda nos focos de queimadas no Brasil no primeiro semestre do ano.

Segundo o MMA, somados, “os biomas apresentaram queda de, aproximadamente, 3,5% em relação ao mesmo período de 2021”.

A queda, de acordo com a pasta ambiental, deveu-se aos esforços do Governo Federal no combate aos incêndios e no aumento do efetivo de brigadistas.

No Acre, a redução, de acordo com os dados do programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), é de 53%. São 491 focos detectados neste ano, até 7 de agosto, contra 1.061 do ano passado.

No entanto, o período mais seco do ano para a maioria dos biomas brasileiros, como Amazônia, Pantanal, Mata Atlântica e Caatinga, quando há maior número de queimadas, é compreendido entre agosto e novembro.

No Acre, em 2021, os meses de agosto, setembro e outubro somaram, respectivamente, 3.185, 3.982 e 1.118 focos de queimadas.

Até o momento, os municípios acreanos com os maiores registros de queimadas são: Feijó (107 – 28% do total); Tarauacá (54 -11% do total); Rio Branco (37 – 7,5% do total); Xapuri (37 – 7,5% do total); e Manoel Urbano (34 – 6,9% do total).

A Reserva Extrativista Chico Mendes é a Unidade de Conservação Federal com o maior índice – são 43 focos, o que corresponde a 64,2% do total. Em seguida estão as Reservas do Alto Juruá, com 11 focos de queimadas e do Cazumbá Iracema, com 8 focos.

Comentários

Continue lendo

Acre

MPAC acompanha instalação de Casa de Acolhida para migrantes em Brasileia e Epitaciolândia

Publicado

em

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por meio da Promotoria de Justiça Cível de Brasileia, participou nesta quinta-feira, 4, de agenda com o Ministério Público Federal (MPF), a Defensoria Pública do Estado do Acre (DPE/AC), Secretaria de Estado de Assistência Social, Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres (SeasDHM) e os Municípios de Brasileia e Epitaciolândia, na qual foram pactuadas as responsabilidades para dar início ao funcionamento de uma Casa de Acolhida para migrantes, refugiados e apátridas.

Na reunião, o MPAC foi representado pelo promotor de Justiça Juleandro Martins de Oliveira, que também é membro do Grupo de Atuação Especial em Contextos Migratórios (Gaemig) do MPAC.

“A municipalização do acolhimento institucional de migrantes, refugiados e apátridas na região Alto Acre é um dos objetivos do Projeto Cidadania sem Fronteira, que objetiva fortalecer a rede de proteção social dessa parcela da população em situação de vulnerabilidade”, explicou o promotor Juleandro Martins de Oliveira.

A iniciativa vem ao encontro dos objetivos pactuados em um Termo de Acordo Extrajudicial (TAE), firmado entre o MPAC e as instituições supramencionadas, visando a municipalização do acolhimento institucional de migrantes, refugiados e apátridas.

Na ocasião, foram definidas as responsabilidades quanto a manutenção da Casa de Acolhida por parte das prefeituras responsáveis, bem como a definição das equipes técnicas que irão atuar em seu funcionamento. Foi pactuado, ainda, que a Casa de Acolhida inicie suas atividades na próxima semana.

Ana Paula Pojo – Agência de Notícias do MPAC

Comentários

Continue lendo

Acre

MPAC e instituições avançam na elaboração de fluxo de atendimento a migrantes em Brasileia e Epitaciolândia

Publicado

em

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por meio da Promotoria de Justiça Cível de Brasileia, realizou nos dias 4 e 5 de agosto, uma oficina técnica para avançar na elaboração de um fluxo de atendimento para migrantes, refugiados e apátridas, nos municípios de Epitaciolândia e Brasileia.

A oficina foi coordenada pelo promotor de Justiça Juleandro Martins de Oliveira, que também é membro do Grupo de Atuação Especial em Contextos Migratórios (Gaemig) do MPAC. O evento teve o apoio do Centro de Apoio de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania (Caop DDHC) e foi realizado no auditório da Promotoria de Justiça de Brasileia.

“Foi mais um avanço para a política migratória no Alto Acre, pois cada instituição envolvida pôde dar sua contribuição para a elaboração do fluxo, que está sendo construído considerando as peculiaridades da região”, disse o promotor de Justiça.

O MPAC trabalha para fortalecer o diálogo interinstitucional e definir estratégias de atuação integrada que permitam avançar na implementação de uma política de proteção social aos migrantes, refugiados e apátridas na região do Alto Acre.

Comentários

Continue lendo

Em alta