TSE1-625x382Após ameaças de corte no orçamento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para estas eleições, o órgão conseguiu adequar as contas e não vai atingir os tribunais regionais, segundo decisão que saiu no início desta semana. No Acre, por exemplo, o orçamento da Justiça Eleitoral para este pleito é de R$ 4,2 milhões, número pouco maior que o estipulado nas eleições municipais de 2012, que foi de R$ 3,8 milhões.

O esperado era que cortes fossem anunciados nesta semana, pois, no último dia 19, o presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, informou que se reuniu por duas vezes com o então ministro do Planejamento, Romero Jucá (PMDB-RR), em busca de uma solução para o corte orçamentário de verbas que atingiu a Justiça Eleitoral. O ministro informou ainda que a Justiça Eleitoral necessitava de pelo menos R$ 250 milhões em recursos para realizar as eleições municipais, que ocorrerão em 2 de outubro deste ano. Esse valor se refere a uma reposição, uma vez que parte do valor liberado foi destinado ao Fundo Partidário.

“As eleições custam em torno de R$ 750 milhões. E o que houve é que, nesse aperto geral, manteve-se o número pedido pelo TSE em princípio, mas como o Fundo Partidário também sofreu um aumento significativo, foram destacados valores desses recursos para o Fundo Partidário e faltou para o TSE. Então, dá-se a impressão que o pedido do TSE foi atendido, mas esqueceu-se que houve essa elevação do Fundo Partidário, que saltou de pouco mais de R$ 200 milhões para mais de R$ 800 milhões”, explicou o presidente.

Comentários