“Foi descaso dessa administração que fez com que o Acre chegasse nesta situação”, analisou

REDAÇÃO CONTILNET

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, está no Acre onde, por dois dias, cumpre agendas em Rio Branco, Cruzeiro do Sul e Xapuri. Sua primeira visita foi no Parque da Maternidade, onde corre um canal a céu aberto que desagua no Rio Acre.

Ele também visitou o leito do rio, onde os esgotos caem in natura, despejando dejetos sem nenhum tratamento. O ministro veio ao Acre à convite do senador Márcio Bittar.

Ministro visitou a margem do Rio Acre/Foto: ContilNet

Ele prometeu investimentos para que o Acre possa desenvolver-se na área do meio ambiente e aproveitou para alfinetar a ex-ministra do Meio Ambiente do governo Lula, a acreana Marina Silva, que segundo ele se intitula como grande ícone da defesa do meio ambiente, mas deixou o estado em uma situação vergonhosa.

Ele culpou ainda a administração petista que ficou no comando do Acre pro 20 anos. “Foi descaso dessa administração que fez com que o Acre chegasse nesta situação”, referindo-se à falta de saneamento, má gestão de lixo e problemas de contaminação do solo.

“É com este apoio que pretendemos dar ao governo do Acre através da bancada de senadores e deputados, nós vamos mostrar que é com foco nas cidades que nós melhoraremos a qualidade de vida das pessoas e também a melhoria do meio ambiente. Nós temos um recurso que é um início para a melhoria do saneamento para fazer projetos e estudos. O montante pode chegar a 20 milhões de dólares e é um grande começo”.

Governador Gladson Cameli/Foto: ascom

O governador Gladson Cameli disse que a prioridade na gestão ambiental do estado é evitar que dejetos sejam despejados no Rio Acre e revitalizar o rio com uma nova orla.

A agenda do ministro continua ainda nesta quinta no Vale do Juruá onde ele visita a um trecho da BR-364 que deverá ligar os municípios de Cruzeiro do Sul e Mâncio Lima à cidade peruana de Pucallpa. Por ali deverá passar o trajeto final da BR-364 ligando o Brasil, através do Acre, na região do Juruá, ao vizinho país do Peru, uma proposta defendida no Senado da República pelo senador Márcio Bittar (MDB-AC), um dos articuladores da agenda do ministro no Estado.

Comentários