Conecte-se conosco

Cotidiano

‘Meu filho não era criminoso’, diz mãe de jovem esquartejado e colocado em sacos plásticos

Polícia Civil trabalha com hipótese de latrocínio. Mãe conta que tem dormido com ajuda de remédios e não entende a crueldade que fizeram com o jovem.

Publicado

em

Thiago da Silva Farias, de 21 anos, foi morto e esquartejado no interior do Acre – Foto: Arquivo pessoal

Por Tácita Muniz

Há cinco dias, a autônoma Elizangela Farias tem procurado respostas para o crime brutal contra o filho, Thiago da Silva Farias, de 21 anos, que foi achado morto e esquartejado dentro de sacos plásticos na zona rural do município do Bujari, no interior do Acre, no último dia 13.

Mãe de três filhos, ela conta que Thiago era o seu mais velho, um parceiro, já que foi criado apenas por ela. Ele estava na colônia de um tio, cuidando do local. Segundo Elizangela, ele tinha ido para lá no dia 1º de maio. Ela acredita que ele tenha sido morto entre o dia 7 e 8 de maio, mas a família só encontrou o corpo no dia 13.

A Polícia Civil informou no dia 15, que trabalhava com a hipótese de latrocínio, já que as armas do avô da vítima foram levadas. As armas, segundo a família, eram registradas para uso em zona rural. A Reportagem tentou atualizar o caso nesta terça, foi informado que uma prisão foi feita, mas mais detalhes devem ser passados posteriormente.

Ainda muito abalada, a mãe do jovem conta que tem dormido com ajuda de medicamentos e revela que Thiago chegou a dizer que não queria ir para o local, mas se sentia na obrigação de ajudar o tio.

“Meu filho tinha viajado para Curitiba e quis voltar porque lá não estava fácil de emprego, então meu irmão disse que mandaria a passagem dele e ajudaria ele aqui a trabalhar. Então, ele foi porque se sentia em dívida com o tio, mas disse pra namorada dele e pra mim que ia, mas não ia em paz, porque o que queria mesmo achar um emprego aqui na cidade”, conta a mãe.

Elizangela conta que sabia que o local era perigoso e pediu para que o filho não fosse. Disse ainda que a mãe dela, avó da vítima, chegou a pedir para que ele ficasse também.

“Um dia antes dele ir para lá, veio na minha casa lanchar comigo e eu perguntei se ele ia mesmo para essa colônia. Ele ficou respondendo que não queria, mas tinha que ir, ele não estava à vontade. A namorada dele disse que iria com ele, mas ele disse que não ficaria lá e ia voltar”, conta.

Elizangela conta que tem dormido com ajuda de medicamentos desde que o filho foi morto – Foto: Arquivo pessoal

‘Não consigo mais fazer nada’

Trabalhador, estudioso e esforçado. A mãe conta que Thiago fazia um curso, trabalhava como jovem aprendiz em uma loja de eletrodoméstico e a ajudava à noite em uma hamburgueria da família. Recentemente, ele tinha ganhado uma bolsa para cursar pedagogia em uma faculdade particular, mas a mãe diz que ele sonhava mesmo em ser veterinário.

“Ele era apaixonado por bicho. Gostava muito mesmo, então o sonho nem era pedagogia, mas veterinária para poder cuidar dos animais”, revela.

Elizangela vai às lágrimas ao lembrar a forma como seu filho foi morto. Segundo ela, o tio da vítima chegou no local, procurou pelo jovem e ouviu indícios de um homicídio.

O corpo da vítima foi esquartejado e colocado em sacos plásticos que estavam perto de um igarapé. Para a mãe, que garante que o filho não tinha envolvimento com grupos criminosos, além da dor, ficam as dúvidas.

“Por que fizeram isso com ele? Se queriam roubar, por que não levaram as coisas e deixaram ele lá amarrado, amordaçado. Mas, não fizesse uma atrocidade dessa, porque ele não merecia. Não sei o motivo de tanta crueldade com meu filho. Ver acontecer isso com um ser humano lindo, cheio de luz, cheio de sonhos. Estou orando a Deus que me console, meu filho não era criminoso”, se emociona.

Desde o crime, a autônoma tem se apoiado aos familiares e amigos. Tirar forças até pra cobrar uma resposta rápida da Justiça, mas ela diz que perdeu o ânimo para a rotina, que tenta se reerguer.

“Estou dormindo só com remédios, comendo pouco, eu não estou trabalhando, vivo do meu trabalho, sustento minha casa com meu trabalho, mas não tô conseguindo. Não consigo mais fazer nada, é só da cama para o fundo de uma rede. Não tenho ânimo pra nada, não sei como vão ser minhas contas, como vão ser minhas coisas”, finaliza aos prantos.

Família pede respostas para crime brutal contra jovem de 21 anos — Foto: Arquivo pessoal

Comentários

Cotidiano

Com vaga na 2ª fase, Rio Branco-AC ganha R$ 150 mil da CBF; Humaitá também é contemplado

Publicado

em

Por

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) se reuniu com os dirigentes dos clubes que disputam o

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) se reuniu com os dirigentes dos clubes que disputam o Campeonato Brasileiro da Série D, nessa terça-feira (5), no Rio de Janeiro (RJ). O presidente da entidade, Ednaldo Rodrigues, anunciou que R$ 9,4 milhões serão distribuídos entre os 64 clubes participantes.

Presidente Igor Cotta (E) e o vice-presidente Max Araújo (D), ao lado do presidente da CBF e da FFAC — Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Presidente Igor Cotta (E) e o vice-presidente Max Araújo (D), ao lado do presidente da CBF e da FFAC — Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Rio Branco-AC e Humaitá, representantes acreanos nesta temporada, foram contemplados. Com classificação garantida para segunda fase da Série D, o Estrelão embolsará R$ 150 mil. Já o Tourão de Porto Acre, que caiu na primeira fase, terá direito a R$ 120 mil.

No encontro, ficou acertado que o campeão da Série D receberá R$ 500 mil e o vice R$ 300 mil. Ou seja, o clube que assegurar o título da quarta divisão embolsará R$ 650 mil. Outra novidade anunciada foi a implantação do árbitro assistente de vídeo (VAR), que será usado a partir das quartas de final.

O Rio Branco-AC é vice-líder do grupo 1 com 24 pontos e o Humaitá ocupa a sétima e penúltima posição com seis pontos. Os dois times voltam a campo no próximo domingo (10).

O Estrelão pega o São Raimundo-AM no estádio da Colina (AM), às 16h, e o Tourão de Porto Acre recebe o Porto Velho-RO no estádio Florestão, na capital acreana, a partir das 18h. Jogos no horário de Brasília.

 nessa terça-feira (5), no Rio de Janeiro (RJ). O presidente da entidade, Ednaldo Rodrigues, anunciou que R$ 9,4 milhões serão distribuídos entre os 64 clubes participantes.

Presidente Igor Cotta (E) e o vice-presidente Max Araújo (D), ao lado do presidente da CBF e da FFAC — Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Presidente Igor Cotta (E) e o vice-presidente Max Araújo (D), ao lado do presidente da CBF e da FFAC — Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Rio Branco-AC e Humaitá, representantes acreanos nesta temporada, foram contemplados. Com classificação garantida para segunda fase da Série D, o Estrelão embolsará R$ 150 mil. Já o Tourão de Porto Acre, que caiu na primeira fase, terá direito a R$ 120 mil.

No encontro, ficou acertado que o campeão da Série D receberá R$ 500 mil e o vice R$ 300 mil. Ou seja, o clube que assegurar o título da quarta divisão embolsará R$ 650 mil. Outra novidade anunciada foi a implantação do árbitro assistente de vídeo (VAR), que será usado a partir das quartas de final.

O Rio Branco-AC é vice-líder do grupo 1 com 24 pontos e o Humaitá ocupa a sétima e penúltima posição com seis pontos. Os dois times voltam a campo no próximo domingo (10).

O Estrelão pega o São Raimundo-AM no estádio da Colina (AM), às 16h, e o Tourão de Porto Acre recebe o Porto Velho-RO no estádio Florestão, na capital acreana, a partir das 18h. Jogos no horário de Brasília.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Casagrande deixa a Globo em comum acordo

Publicado

em

Por

Comentarista encerra passagem pela emissora depois de 24 anos

Depois de 24 anos, Walter Casagrande Júnior não faz mais parte da equipe de comentaristas da Globo. Em comum acordo, o ex-jogador e a empresa encerraram o vínculo nesta quarta-feira.

Casagrande cobriu seis Copas do Mundo pela Globo, além de centenas de jogos de competições nacionais e internacionais. Casão teve participações marcantes em programas da Globo e do sportv e mantinha um blog no ge.globo.

— Vim aqui para comunicar que depois de 25 anos de TV Globo, seis Copas do Mundo, cinco finais, incluindo a de 2022 com dois gols do Ronaldo, três Olimpíadas e diversas finais de campeonatos por aí, meu ciclo acabou. Estou saindo da TV Globo hoje. Não faço mais parte do grupo de esportes da TV e vou seguir minha estrada. Na realidade, acho que foi um alívio para os dois lados. Um beijo a todos — disse Casão em suas redes sociais.

A Globo divulgou nota sobre a saída de Casagrande:

“Como jogador, Walter Casagrande Júnior escreveu uma história importante dentro de campo: ídolo do Corinthians, onde foi protagonista da Democracia Corintiana, teve passagem pelo futebol europeu e também defendeu a seleção brasileira na Copa do Mundo de 1986. Fora dos gramados, a trajetória foi também de sucesso. Há 25 anos ele exerce a função de comentarista, 24 deles na Globo. Um período marcado por grandes momentos, conquistas, emoções, superação e pela autenticidade, uma de suas marcas registradas. Em comum acordo, a parceria entre Globo e Casagrande chega ao fim, mas suas análises estarão para sempre marcadas no almanaque das transmissões de futebol da televisão brasileira”.

Blog do Casagrande — Foto: Globo/Fábio Rocha

Blog do Casagrande — Foto: Globo/Fábio Rocha

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Conmebol vai analisar imagem de torcedores do Corinthians rasgando dinheiro na Bombonera

Publicado

em

Por

Unidade Disciplinar da Conmebol pode punir o Timão caso defina como necessário

A Conmebol, por meio de sua Unidade Disciplinar que julga casos passíveis de punições, vai analisar uma imagem em que torcedores do Corinthians rasgam notas de pesos argentinos na arquibancada da Bombonera, em Buenos Aires, na última terça-feira, em jogo da Libertadores.

Antes da partida que definiu a classificação do Timão às quartas da Libertadores, dois corintianos foram fotografados rasgando notas da moeda argentina.

A imagem foi repercutida pela imprensa local e, nesta quarta-feira, ficou decidido que ela será analisada pela entidade. A informação foi publicada por Marcel Rizzo, colunista do UOL, e confirmada pelo ge. Ainda não foi aberto um Expediente Disciplinar contra o Corinthians.

Torcedores do Corinthians rasgam cédula em jogo contra o Boca — Foto: Marcelo Endelli/Getty Images

Torcedores do Corinthians rasgam cédula em jogo contra o Boca — Foto: Marcelo Endelli/Getty Images

O que pode acontecer com o Corinthians? O Código Disciplinar da Conmebol aponta, no Artigo 7, as possíveis punições que um clube pode receber, que vão de multa até portões fechados. Já no Artigo 10.2 é onde aparece o caso em que o clube pode ser punido.

“2. As sanções disciplinares previstas no Artigo 7 deste Regulamento podem ser impostas às Associações Membro e aos Clubes em casos de comportamento incorreto

d) O uso de gestos, palavras, objetos ou outros meios para transmitir qualquer mensagem inadequada em um evento esportivo, principalmente se for de natureza política, ofensiva ou provocativa.”

No dia 24 de junho, a Conmebol multou o Corinthians em 30 mil dólares exatamente por uma “infração ao artigo 10.2 literal d”. Na ocasião, no jogo válido pela fase de grupos, na Bombonera, a punição se deu pelo mesmo motivo que o clube pode ser julgado agora.

“1º. IMPOR ao SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA uma multa de USD 30.000 (TRINTA MIL DÓLARES AMERICANOS) pela infração ao artigo 10.2 literal d) do Código Disciplinar da CONMEBOL. O valor desta multa será debitado automaticamente da quantia que o SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA receberá da CONMEBOL por direitos Televisivos ou de Patrocínio.”

Sede da Conmebol — Foto: Divulgação

Sede da Conmebol — Foto: Divulgação

Vale lembrar que a Conmebol já está no processo de julgamento dos casos de racismo que aconteceram em Corinthians x Boca na Neo Química Arena, no jogo de ida das oitavas de final. Um Expediente Disciplinar contra o time argentino já foi aberto por esse terceiro caso.

No primeiro, registrado na arena do Timão, no dia 26 de abril, ainda na primeira fase da competição, a punição ao Boca demorou quase um mês para acontecer. A pena foi de US$ 30 mil (cerca de R$ 143 mil na cotação atual).

Já no dia 17 de maio, o Corinthians visitou o Boca Juniors na Argentina e, novamente, foram gravados casos de racismo nas arquibancadas. A punição aconteceu no dia 25 de junho e foi de 100 mil dólares (cerca de R$ 524 mil na cotação atual) – o clube pode recorrer até este sábado.

Comentários

Continue lendo

Em alta