Mulheres que estavam no momento do assassinato de professor na Bolívia são presas

Gilsilene (e) estava na companhia de Maria (d). As duas eram consideradas foragidas da Justiça acreana e havia mandados de prisão em aberto.

Horas após o assassinato do professor de Epitaciolândia, Miquer Magalhães, funcionário público da educação, quando estava na casa de uma mulher no Bairro Paraíso na cidade boliviana de Cobija na noite desta quarta-feira, dia 30, quando foi atacado por um homem também de nacionalidade brasileira.

A mulher foi identificada como Gilsilene Maria, que estava na companhia de Maria Sebastiana. As duas eram consideradas foragidas da Justiça acreana e havia mandados de prisão em aberto. Após o episódio que terminou na morte do professor, ambas foram detidas pela polícia boliviana.

Gilsilene negou envolvimento com a vítima que estava em sua casa.

Já na tarde desta quinta-feira, dia 31, as mulheres foram deportadas, entregues às autoridades de Epitaciolândia e conduzidas para a delegacia. O mandado de prisão, seria por envolvimento com tráfico de drogas.

Gilsilene negou que havia envolvimento com o professor, mas confirmou que ele esteva em sua casa, quando o suspeito invadiu e atacou a vítima e ainda teria tentado contra a sua vida. Seu filho também foi ferido no ombro e numa das mãos quando tentou tirar a faca do agressor.

As mulheres serão transferidas para o presídio FOC na Capital nas próximas horas, onde ficarão à disposição da justiça.

Comentários