Perpétua Almeida discute situação dos estudantes brasileiros nas universidades bolivianas
Perpétua Almeida discute situação dos estudantes brasileiros nas universidades bolivianas
Da Assessoria
A comitiva de parlamentares e representantes do Mercosul, chefiada pela deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB), se reuniu nesta semana na cidade de La Paz, na Bolívia, com integrantes dos ministérios da Saúde, da Educação e do Congresso boliviano e também em Santa Cruz de La Sierra com estudantes brasileiros e reitores das principais universidades do país andino. A exemplo do encontro em 2013, a deputada Perpétua fez a ponte entre os estudantes brasileiros e autoridades bolivianas para esclarecer vários pontos divergentes e buscar soluções para os principais problemas enfrentados pelos alunos.
Na conversa com os ministérios da Saúde e da Educação e parlamentares bolivianos, a comitiva discutiu soluções para fortalecer a integração entre os dois países, incluindo o debate sobre a inclusão da Bolívia como membro do Mercosul. Os deputados pediram para as autoridades que se avaliasse a possibilidade do internato fosse feito no Brasil, com o reconhecimento das instituições da Bolívia.
Na cidade de Santa Cruz de La Sierra, maior polo econômico do país e centro educacional com mais de 150 mil estudantes universitários, a comitiva se reuniu com alunos e com reitores das principais universidades. Atualmente, 26 mil brasileiros estão na Bolívia. Num cálculo rápido, hoje entram quase 300 milhões de dólares por ano só com a ida de estudantes brasileiros para a Bolívia. Sendo que, quase seis mil são acreanos, alunos que vêm encontrando dificuldades para realização de estágios e do exame de grado e sofrendo com a burocracia para conseguir visto permanente no país andino.
Neste sentido, a. Perpétua Almeida alerta que a orientação da Embaixada brasileira é para que o cidadão que pretende estudar na Bolívia tire o visto ainda no Brasil, para evitar aborrecimentos. “Por desconhecimento, muitos brasileiros saem do país com o visto de turista e só depois já Bolívia pedem a troca para o documento estudantil, o que torna a mudança complicada e burocrática. Um acordo bilateral entre os dois países ajuda na liberação do visto de estudante com agilidade quando solicitado aqui no Brasil”, destacou.
Nos diálogos com os reitores, os deputados solicitaram que as universidades sejam mais rígidas na inscrição dos alunos na tentativa de impedir o ingresso sem documentação exigida, o que posteriormente gera mais dificuldades na emissão do diploma de grado. Recentemente, uma operação foi deflagrada nos dois países contra um esquema de uso de diplomas e documentos falsos de Medicina emitidos na Bolívia. “A Polícia Federal ainda está investigando e não puniu ninguém aqui no Brasil. Precisamos avançar nas investigações”, ressaltou a deputada.
Por solicitação da deputada Perpétua, um grupo de trabalho será criado onde terão participação os ministérios da Saúde e da Educação, a Associação das Universidades Privadas, o Conselho das Universidades Públicas e representante dos alunos brasileiros. Essa comissão deverá ser capitaneado pelo Congresso Nacional da Bolívia por meio da Comissão de Educação e que irá reunir-se periodicamente para tratar assuntos como os discutidos durante o encontro com a comitiva brasileira.
Além disso, nesta sexta-feira, em Rio Branco, Perpétua Almeida participou de encontro organizado pela Central Única dos Trabalhadores com estudantes que fazem Medicina na Bolívia para informar dos avanços conquistados na missão oficial no país andino.
Mais médicos
Hoje, os estudantes formados na Bolívia não podem inscrever-se no Programa Mais Médicos do governo federal porque não atinge a marca de 2,8 médicos para cada mil habitantes. E esse entrave se justifica, em parte, porque os formandos no país recebem o diploma, mas não o registro profissional, por não terem visto de trabalho permanente na Bolívia. Neste sentido, a comitiva de parlamentares apresentou sugestão as instituições do país para emitirem, a exemplo do Brasil, o registro como clínico geral, depois o estudante busca a especialidade médica. Na avaliação da deputada Perpétua, essa medida poderá aumentar os índices de médicos por habitante e facilitar o ingresso no programa. “Estamos trabalhando para que os estudantes tenham registro profissional e possam trabalhar em outros países da América Latina ou participar do programa Mais Médicos. O Brasil precisa de médicos e temos muitos profissionais formados no exterior que precisam ser valorizados”.
Comitiva de parlamentares brasileiros fez a ponte entre os estudantes brasileiros e autoridades bolivianas
Comitiva de parlamentares brasileiros fez a ponte entre os estudantes brasileiros e autoridades bolivianas

Comentários