Deputados Edvaldo Souza (à esquerda) e Jamyl Asfury
Deputados Edvaldo Souza (à esquerda) e Jamyl Asfury

O deputado afirmou ainda que pretende manter a dignidade e defender os mais humildes.

Da redação, com Agências

O requerimento do deputado Edvaldo Souza (PSDC), que quer abrir a caixa preta do Detran/Acre sobre as multas aplicadas pelos radares instalados em Rio Branco causou desconforto e bate boca na base de sustentação do governador Sebastião Viana (PT).

Assumindo o papel de líder do governo, Jamyl Asfury (PEN) contestou com veemência o colega governista. Para Asfury, o requerimento estaria colocando em dúvida o trabalho da diretora do Detran, Sawana Carvalho, que não teria nenhum tipo de esclarecimento a prestar.

Jamyl Asfury teceu elogios a diretora do Detran/Acre e as iniciativas do Governo do Acre durante 17 minutos na tribuna da Casa. O parlamentar defendeu ainda a manutenção dos radares que de acordo com ele não promovem a indústria de multas na capital.

Edvaldo Souza voltou no grande expediente disposto a demonstrar seu descontentamento com a postura do colega. Ele se dirigiu a Asfury e praticamente o classificou como lambe botas, puxa-saco, além de afirmar que não dependeria do governo e viveria sem ser deputado.

“Sem nenhum tipo de agressão a vossa excelência, mas mentiroso eu não sou. Meu mandato foi dado pelos mais humildes. Meus votos não vieram do governo, meus votos não vieram de bacanas. Eu não tenho o dom de lambe botas, de puxa-saco, eu vivo perfeitamente sem ser deputado, não preciso baixar minha titela a quem quer que seja”, dispara Edvaldo.

O deputado afirmou que pensava que seu requerimento não iria gerar tanta celeuma e constrangimento. Para Souza, é prerrogativa dos deputados pedir informações sobre os órgãos públicos e se ele deixasse de fazer estaria descumprindo o papel de agente fiscalizador.

“O que estarei fazendo aqui? Batendo palmas e vendo o povo se lascando ai fora? Aprendi com meu pai, a manter minha dignidade. O povo quando fala mal das casas legisladoras fala com toda razão. Eu não falei em nenhum momento da falta de competência da diretora Sawana, mas ela é um agente públicos que precisa prestar esclarecimentos”, diz Souza

O apresentador /deputado se dirigiu novamente a Asfury e pediu que o parlamentar ecológico “não diga que eu me equivoco ao apresentar um requerimento pedindo informações de um órgão público. Eu espero a aprovação do meu requerimento pelos meus colegas. Estou pedindo esclarecimento chancelado pela reivindicação do povo”, finaliza.

Comentários