Fator predominante que influencia nestes casos são os motociclistas que representam 43% da frota do estado e são os mais vulneráveis, o Detran-AC.

Motociclistas são os mais vulneráveis — Foto: Débora Ribeiro/Rede Amazônica Acre
Por Quésia Melo

Nos primeiros quatro meses do ano de 2019, 13 pessoas morreram vítimas de acidentes de trânsito no Acre. Destas, 11 eram motociclistas, segundo dados do Departamento Estadual de e Trânsito do Acre (Detran-AC).

As mortes aconteceram tanto em rodovias estaduais como dentro da cidade, informou o diretor de Operações do Detran, Izaias Brito.

“No ano de 2019 já foram computadas, infelizmente, 13 mortes no trânsito. Isso de janeiro a abril, porque o mês de maio ainda não fechou”, disse o diretor.

De acordo com Brito, o fator predominante que influencia nestes casos são os motociclistas que representam 43% da frota do estado e são os mais vulneráveis.

“Junta um pouco da vulnerabilidade do meio de transporte com a imprudência do condutor e acaba virando uma mistura mortal”, explica.

Maio Amarelo

Criada com o objetivo de chamar as pessoas à reflexão sobre o comportamento no trânsito, a Campanha Maio Amarelo acontece em todo país durante o mês, como uma ferramenta para tentar reduzir estes números.

“O maio amarelo é dedicado a ações de educação no trânsito, uma campanha nacional do Denatran e são desenvolvidas ações de educação em órgãos públicos, escolas, nas ruas, bares e empresas que chamam as pessoas para refletirem sobre a responsabilidade de cada um no trânsito”, explicou Brito.

Além disso, o diretor ressalta que, às vezes, é melhor perder um pouco mais de tempo no trânsito do que perder a vida.

“É importante lembrar que vale mais perder cinco minutos no trânsito do que perder a vida. Mais vale chegar atrasado do que não chegar. Lembre que sempre tem alguém em casa esperando por você. Então, dirija com cuidado, principalmente você motociclista”, concluiu.

Acidentes

O jovem Felipe Lima Saraiva, de 23 anos, morreu no dia 27 de abril, após ficar em coma no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb). Ele sofreu um acidente de trânsito no dia 26, no cruzamento da Rua José de Melo com a Avenida Nações Unidas, em Rio Branco, ao lado do Pronto-Socorro, não resistiu e foi a óbito.

O motociclista Magnum Bezerra da Silva morreu após colidir contra um carro, no dia 28 de abril, na Rua WF do bairro Tucumã, em Rio Branco. De acordo com informações do Batalhão de Policiamento de Trânsito (BPTrans), a motorista do carro chegou a fazer teste de bafômetro, mas deu negativo para o uso de bebida alcoólica.

Elisangêla da Silva Matias, de 42 anos, morreu durante um acidente de trânsito entre uma motocicleta e um carro no mês de janeiro. O Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) informou que o acidente ocorreu no cruzamento das ruas Rio de Janeiro e São Paulo, no bairro Dom Giocondo, em Rio Branco.

A vítima fatal estava na garupa da moto e faleceu antes de receber atendimento médico. Segundo a polícia, o marido dela conduzia a moto e ficou ferido. Ele foi levado para o Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb).

Comentários