Iapen diz que medida é para garantir ressocialização de reeducandos e também redução de gastos com esse tipo de serviço

Presos do Acre estão trabalhando na limpeza e manutenção de parques, praças e área externa de presídios — Foto: Divulgação/Iapen-AC
Por Iryá Rodrigues

Uma parceria entre o Instituto de Administração Penitenciária (Iapen), as prefeituras e Secretaria Estadual de Infraestrutura está tirando presos das unidades penitenciária do estado por uma parte do dia.

Ao todo, 500 reeducandos estão trabalham na limpeza de ruas, calçadas e praças dos municípios acreanos.

O diretor do Iapen, Lucas Gomes, informou que a medida é para garantir a ressocialização dos presos e também para reduzir os gastos com esse tipo de serviço, que costuma ser terceirizado.

“A gente tem uma necessidade de socializar esses presos e uma das vias que a gente usa para isso é justamente o trabalho. Primeiro para ajudar nos custos do apenado dentro do presídio, também para diminuir os custos com infraestrutura do estado e também para oferecer perspectivas para esses presos que não seja o crime. Então, é um trabalho de ressocialização, uma oportunidade a esses apenados”, afirmou Gomes.

Ao todo o estado tem dez unidades penitenciárias, que, junto com o sistema de monitoramento, atende cerca de 7,5 mil presos. De acordo com o Iapen, mais da metade dos presos tem entre 18 e 25 anos, são reincidentes e com ensino fundamental incompleto.

Ao todo, 500 detentos estão trabalhando em áreas públicas das cidades acreanas — Foto: Divulgação/Iapen-AC

O Iapen informou ainda que cada detento custa cerca de R$ 2,7 mil aos cofres públicos e a cada dez presos, sete acabam retornando para o sistema prisional.

“A gente precisa superar esses 70% de reincidência no sistema penitenciário acreano. Eles vão trabalhar tanto na área do presídio, como em parques públicos, praças, na manutenção e revitalização de espaços públicos. Os serviços são os mais diversos, como também marcenaria, horticultura e costura”, informou o diretor.

Os presos que vão trabalhar são os do regime fechado. De acordo com o Iapen, eles são selecionados conforme o cumprimento de alguns requisitos e ainda os que tiverem passado por cursos profissionalizantes também garantidos através de parcerias.

“Está sendo oferecido também a remição de pena, a cada três dias trabalhados, esses presos têm um dia de remição. Tudo acompanhado pela Vara de Execuções Penais e parcerias feitas com prefeitura e estado”, concluiu Gomes.

Comentários