Conecte-se conosco

Cotidiano

No Acre, líder comunitária vira ‘prefeita informal’

Publicado

em

Ela ainda era uma menina quando aprendeu que política é, sim, coisa de mulher e que não é preciso ter um cargo público para participar de decisões de governo. Tinha 12 anos e foi levada pelos pais à sua primeira manifestação de rua. Desde então, sabe que tem voz e trabalha para que ela seja ouvida.

Aos 41, Joana Rodrigues Bandeira dos Anjos é atualmente presidente ou vice-presidente de sete conselhos municipais, além de duas associações da sociedade civil. A líder comunitária de Brasileia, no interior do Acre, leva a sério o exercício da cidadania e atua quase como uma “prefeita informal”.

Joana nasceu em Cobija, na Bolívia, mas a fronteira, no sul do Acre, é só uma marcação geográfica. Filha de mãe brasileira e pai boliviano, ela sempre se dividiu entre os dois lados e, em 1990, passou de vez para a margem de cá. Hoje, dá conta de quase tudo o que interessa à população do município de 26 mil habitantes.

Em 20 anos de atuação pública, já ajudou a aprovar o plano municipal de saneamento básico, a instalar energia elétrica e asfalto nos bairros mais afastados, a criar a primeira biblioteca da cidade e, recentemente, dedicou-se ao desenvolvimento do primeiro centro municipal de atendimento a crianças com autismo.

“Muita gente ainda não entendeu, mas os conselhos são os locais onde nossa voz pode ser ouvida. E o lugar da mulher é onde ela quiser. Na política, por exemplo. E, olha, quando tem mulher envolvida, as coisas se resolvem. A gente arregaça as mãos e vai atrás mesmo”, afirmou Joana.

Casada há 19 anos e mãe de dois filhos, Joana reconheceu que a família reclama de tanto ativismo político. “O marido tem ciúmes, diz que nessas coisas da política só tem homem. Mas eu explico para ele e para todo mundo que é assim que eu sou. Eu luto para que todo mundo entenda a força dos conselhos e sua função.”.

MOBILIZAÇÃO

A veia política de Joana foi despertada com a ajuda da comunidade. “Eu morava em Epitaciolândia, que era uma vila de Brasileia que tentava se emancipar, virar uma cidade. Lembro-me de ir a um ato nas ruas pedindo por isso aos 12 anos. Foi quando percebi a força de um pleito público. Foi um momento de luta, de libertação. O governador sobrevoou o protesto até, dando ênfase ao movimento, que acabou vitorioso.”.

E foi logo depois disso – e de Epitaciolândia se tornar mesmo um município – que a vida de Joana mudou completamente. Adotada por uma família de militares, a boliviana foi viver em Brasília, onde passou a ter contato direto com a política nacional. “Tive um professor de geografia que nos levava para acompanhar as sessões do Congresso quando a matéria era geopolítica. Comecei a me interessar cada vez mais, e esse professor até me mudou de lugar na sala. Dizia que não era para eu ficar no fundo, mas na frente, para que pudesse ser vista”, contou.

Com o fim do ensino médio e a chegada da maioridade, Joana voltou no início dos anos 2000 ao Acre, onde fez sua vida e seguiu sua luta comunitária. A primeira ação nesse sentido ocorreu na Secretaria da Assistência Social. Depois, já mais conhecida, foi convidada a compor o Conselho da Criança e do Adolescente e a disputar uma vaga no Conselho Tutelar. “Essa foi a única eleição que disputei e a única vez em que fui remunerada.”.

RECONHECIMENTO

A atuação firme e resiliente de Joana acabou ganhando fama em outras cidades e a fez ser convidada para participar da rede Urban95. A iniciativa internacional visa a incluir a perspectiva de bebês, crianças pequenas e seus cuidadores no planejamento urbano, nas estratégias de mobilidade e nos programas e serviços destinados a esses grupos.

“É fundamental termos conhecimento para ajudar a coletividade. Moramos numa área de fronteira, o índice de prostituição infantil é enorme. Fora os casos de tráfico de crianças”, disse Joana. De acordo com ela, o Conselho Tutelar, por exemplo, evita que as questões da infância “acabem na polícia”. “Nós orientamos os pais, ajudamos a proteger os direitos das crianças. Hoje eu passo para a minha irmã, para a minha família e para a comunidade os conhecimentos que não tive como mãe.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários

Cotidiano

Invicto, Acre conquista título da 1ª etapa do Circuito Amazônia de Vôlei de Praia Feminino

Publicado

em

Por

Ynara Fernandes e Quemile Souza superam dupla amazonense por 2 sets a 0 nesse domingo, na Ufac, em Rio Branco, e garantam 1º lugar no pódio na abertura da competição regional

O Acre assegurou o topo do pódio na abertura do Circuito Amazônia de Vôlei de Praia Feminino. A dupla acreana formada por Ynara Fernandes e Quemile Souzavenceram a competição de forma invicta na manhã deste domingo (3), na quadra de areia da Universidade Federal do Acre (Ufac), em Rio Branco (AC).

Ynara Fernandes (D) e Quemile Souza (E) são campeãs da 1ª etapa do Circuito Amazônica de Vôlei de Praia Feminino — Foto: Arquivo pessoal/Ramon Aquim

Ynara Fernandes (D) e Quemile Souza (E) são campeãs da 1ª etapa do Circuito Amazônica de Vôlei de Praia Feminino — Foto: Arquivo pessoal/Ramon Aquim

Ynara Fernandes e Quemile Souza superaram a dupla amazonense Aline e Karine por 2 sets a 0 com parciais 21 a 18 e 21 a 19. Antes, as acreanas despacharam a dupla mato-grossense Dani e Kimberly também por 2 sets a 0.

As acreanas foram as primeiras colocadas na primeira fase com quatro vitórias por 2 sets a 0 sobre as representantes do Amazonas, Roraima, Rondônia, e 2 sets a 1 contra o Mato Grosso.

Ynara Fernandes e Quemile Souza vencem dupla do Amazonas em decisão do Circuito Amazônia de Vôlei de Praia Feminino — Foto: Arquivo pessoal/Ramon Aquim

Ynara Fernandes e Quemile Souza vencem dupla do Amazonas em decisão do Circuito Amazônia de Vôlei de Praia Feminino — Foto: Arquivo pessoal/Ramon Aquim

Conforme o cronograma, a segunda etapa do naipe feminino será disputada em Boa Vista (RR), no dia 30 de julho.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

De olho em classificação na Série D, zagueiro do Rio Branco-AC prevê jogo difícil e pede concentração

Publicado

em

Por

Santos destaca foco do time em conseguir somar três pontos diante do Humaitá, neste domingo, para garantir vaga na 2ª fase da competição. Estrelão é vice-líder do grupo 1 com 21 pontos

De olho em classificação na Série D, zagueiro do Rio Branco-AC prevê jogo difícil e pede concentração

O Rio Branco-AC enfrenta o Humaitá neste domingo (3), pela 12ª rodada do grupo 1 do Campeonato Brasileiro da Série D e pode confirmar classificação antecipada à segunda fase em caso de vitória.

O zagueiro Santos destaca que o Estrelão está focado em conseguir assegurar os três pontos no confronto, mas projeta um jogo difícil, apensar do Tourão de Porto Acre não ter mais chances de avançar na Série D.

— A gente entrou essa semana com essa ênfase de conquistar os três pontos e encaminhar nossa classificação (…) A gente tá com a cabeça tranquila, estamos fazendo nossa parte, sabemos que vai ser um jogo difícil porque mesmo eles estando eliminados da competição, sempre é um jogo difícil.

Santos, zagueiro do Rio Branco-AC — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

Santos, zagueiro do Rio Branco-AC — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

É um clássico regional, então sempre temos que entrar firmes e fortes pra poder conquistar os três pontos.

— Santos, zagueiro do Rio Branco-AC

Mesmo que confirme a classificação, o Rio Branco-AC terá mais dois jogos para completar a primeira fase, sendo um deles fora de casa. Sem calendário nacional garantido na próxima temporada após campanha aquém do Campeonato Acreano, o zagueiro Santos diz que uma possível vaga antecipada vai proporcionar certo alívio para o elenco.

— A gente conseguindo nossa classificação no fim de semana, temos dois jogos até pra gente descansar alguns jogadores, dar ênfase em algum partes que a gente precisa melhor, tirarmos esse peso que foi até do primeiro semestre que não conseguimos ser campeões, então pra gente vai ser de grande valia se classificar — disse.

Rio Branco-AC é vice-líder do grupo 1 com 21 pontos. O confronto contra o Humaitá começa a partir das 19h (de Brasília), no estádio Florestão, na capital acreana.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Brasil vai enfrentar o Japão nas quartas de final da Liga das Nações

Publicado

em

Após início arrasador, japonesas caíram do topo do tabela para o quinto lugar na classificação

O Brasil conheceu na tarde deste domingo o seu primeiro rival na fase final da Liga das Nações, que será disputada a partir do dia 13 de julho, na Turquia. A renovada seleção do técnico José Roberto Guimarães vai enfrentar o Japão nas quartas de final. Após um início arrasador no torneio, as japonesas engataram uma série de quatro derrotas seguidas e caíram do primeiro para o quinto lugar na tabela de classificação.

Brasil fez uma ótima campanha na fase regular da Liga das Nações — Foto: Divulgação/FIVB

Brasil fez uma ótima campanha na fase regular da Liga das Nações — Foto: Divulgação/FIVB

O time brasileiro garantiu a segunda posição após os 12 jogos da fase regular, com 10 vitórias e duas derrotas. No entanto, devido ao novo sistema de disputa da Liga das Nações, a seleção de Zé Roberto avançou para às finais com a terceira colocação. A Turquia tinha classificação assegurada por ser sede da última fase e virou cabeça de chave por ter ficado entre as 8 melhores equipes da etapa regular. Caso ficasse fora do recorte, entraria com a 8ª vaga.

A ida da Turquia ao topo da tabela empurrou as demais seleções para novas posições. Dessa forma, os EUA, que estavam na liderança, avançaram à fase final em segundo, o Brasil passou em terceiro, a Itália em quarto, a China em quinto, o Japão em sexto e Sérvia em sétimo e a Tailândia, que apresentou um jogo consistente desde a etapa inicial e conquistou o cenário do vôlei, entrou em oitavo.

Quartas de final da Liga das Nações

Turquia (1º) x Tailândia (8º)
Estados Unidos (2º) x Sérvia (7º)
Brasil (3º) x Japão (6º)
Itália (4º) x China (5º)

Brasil e Japão na temporada

O Brasil e Japão se enfrentaram duas vezes em 2022, antes da estreia das Liga das Nações. Em jogos amistosos, nos Estados Unidos, o time asiático levou a melhor em quadra. Vale ressaltar, porém, que peças importantes como a ponteira Gabi, por exemplo, ainda não tinham se apresentado ao elenco. A seleção fez uma ótima campanha na fase regular da Liga, vencendo rivais importantes como Turquia e Sérvia. As duas derrotas foram para os Estados Unidos e Itália.

O Japão, por sua vez, surpreendeu ao superar por 3 sets a 0 o time americano e engatar uma sequência de 8 vitórias. Passou as duas primeiras etapas da competição na liderança, de forma absoluta. Mas perdeu os últimos quatro jogos e despencou na tabela.

Comentários

Continue lendo

Em alta