Conecte-se conosco

Geral

No Dia das Mães, conheça quatro mulheres e suas incríveis histórias de vida

Publicado

em

Junho de 2020. A enfermeira Monna Maia Dimas varou a noite cuidando de pacientes intubados, ao som dos bipes intermitentes dos ventiladores mecânicos nas cabeceiras das camas de UTI do Hospital de Campanha do Instituto de Traumatologia e Ortopedia (Into), de Rio Branco. Exausta, mas atenta ao que se passava na ala, naquela madrugada ela seria testemunha do apelo dramático de uma médica pela vida de sua paciente grávida, cujo estado de saúde havia entrado em colapso total.

Monna Maia Dimas trabalha no Pronto-Socorro de Rio Branco, onde coordena o setor de Atendimento Especializado em Feridas; ela é enfermeira há oito anos. Foto: Neto Lucena/Secom

Num ato de desespero para alguns, mas um gesto de amor para muitos, a profissional se ajoelha diante da maca, levanta as mãos para o alto e clama a Deus, sem cessar, pela vida da jovem de 17 anos e seu bebê, cuja falência acabara de começar, sem qualquer esperança de retorno pela medicina dos homens.

Equipamento médico-hospitalar usado para monitorar paciente na cabeceira de leitos covid-19 do Into. Foto: Odair Leal/Secom

“Me lembro da médica ajoelhada na frente do ventilador, orando a Deus para não deixar ela morrer. A gente já tinha feito tudo que humanamente era possível fazer. E a paciente não respondia. Infelizmente, veio a óbito”, recorda-se.

Monna, de 30 anos, natural de Cruzeiro do Sul, passou os últimos oito anos de sua vida cuidando de pessoas, desde que colou grau no curso de Enfermagem da Universidade Federal do Acre, em Rio Branco. Hoje é chefe do Atendimento Especializado em Feridas do Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco.

Paciente em estado grave de covid-19 é transferido do Pronto-Socorro para as enfermarias do Into, em mobilização no auge da pandemia, em 2020. Foto: Odair Leal/Secom

Mãe de Urik, de 3 anos, Monna sofreu a angústia de toda mãe chamada para trabalhar no front da pandemia de covid-19, a partir de março de 2020: o medo de não retornar para seus filhos, ou então de contaminá-los com a doença.

“A gente teve muitos óbitos de grávidas. É uma decisão muito difícil porque, a partir do momento em que a gente intuba uma pessoa, e uma grávida especificamente, a nossa prioridade é a mãe”, explica.

Monna Dimas faz a assepsia em paciente com ferida aberta na perna; a profissional, que já trabalhou no front da covid-19, hoje é grata pela vida do filho Urik. Foto: Neto Lucena/Secom

Ser mãe era um dos maiores anseios da enfermeira, que narra: “O Urik nasceu em 28 de outubro de 2018. Em 2019, fez um ano. Eu ainda estava me acostumando com o fato de ser mãe, que requer muita responsabilidade, quando em dezembro começamos a ouvir sobre a pandemia, que ainda estava num lugar muito distante, né? Em janeiro, eu comecei a ficar mais preocupada ao ver o avanço surreal, a velocidade e a proporção que a covid-19 estava tomando.

Há quase uma década ela é enfermeira assistencial e havia sido escalada no início da pandemia para as atividades do Hospital de Campanha do Into: “Tudo isso alterou totalmente a minha rotina familiar. Era uma situação muito complexa, porque meu filho tinha apenas um ano e era muito apegado à gente.  Chegar em casa era um momento muito triste, porque ele queria correr e me abraçar. E na maioria das vezes eu tinha que ficar atrás das grades. Eu sabia que vinha contaminada. Então, criamos um fluxo totalmente diferente de entrada em casa”.

A rotina da profissional tornou-se física e emocionalmente extenuante. “Durante exatamente um ano, eu ia dormir às 2 horas da manhã e acordava às 4h30, uma rotina muito pesada. Já passei a ficar três dias sem o Urik me ver, porque eu chegava em casa e ele estava dormindo. Saía e ele continuava a dormir. Mas nesse meio tempo, tive uma rede de apoio muito boa. O pai dele, Renardy Saraiva, 34 anos, é uma pessoa maravilhosa. Me apoiou bastante e, assim como a minha sogra, se preocupou muito com a minha saúde e com a do nosso menino”, relembra.

A salvação de Martinha

Mas a crise não trouxe apenas momentos ruins. E Monna carrega igualmente memórias gratificantes do período: “Se tivemos perdas de grávidas, me lembro também da primeira vez que a gente salvou uma. Vou chamá-la de Martinha, por não saber se ela gostaria de ser citada na reportagem com seu nome real. A Martinha era maravilhosa. Passou 70 dias intubada. Não respondia a nada. Muito, mas muito grave aqui no Pronto-Socorro. Então a gente chamou o médico obstetra pra dar uma olhadinha nela, e ele indicou retirar o bebê”.

Profissional do Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco programa maca usada para pacientes em ala covid-19. Foto: Odair Leal/Secom

A situação atípica chamou a atenção de Monna. “Eu cheguei nesse dia de manhã e a equipe comentou: ‘Hoje, a gente vai conhecer a filha da Martinha’. Aí, meu coração disparou: ‘A gente vai ter um parto durante a covid. Alguém avisou o pai? Não. Ninguém avisou’. Eu chamei o psicólogo e disse: vamos chamar o pai, né? A gente nunca dá notícia por telefone”, informa.

Monna Dimas faz a assepsia em paciente com ferida aberta em uma das pernas; profissional que já trabalhou no front da covid-19 hoje é grata pela vida do filho Urik. Foto: Neto Lucena/Secom

“Solicitei que viesse até a unidade e ele chegou lá na UTI, muito nervoso. Dei bom dia e ele não conseguiu sentar. Olhou para mim e me pediu: ‘Só fala que a minha mulher está viva. Só fala que a minha mulher está bem, por favor’. E eu falei: ‘Cara, senta que eu tenho uma notícia muito boa para te dar’. E ele sentou. Eu falei; ‘Hoje tu vais conhecer a tua filha’. Ele começou a chorar e eu acabei chorando também, porque a gente se envolve muito”, recorda.

E enfim nasceu o bebê. “A coisa mais linda do mundo. Alguns dias depois, a mãe saiu. Foi extubada, começou a andar, a fazer fisioterapia e foi para casa. Só conheceu a filha dela quando teve alta hospitalar. Que coisa mais gostosa. Deus, foi bom demais com a Martinha!”, exulta Monna.

Leito covid-19 no Into; no auge da pandemia, em 2020, enfermarias como essa de UTI ficaram lotadas. Foto: Odair Leal/Secom

Uma vida simples, porém, cheia de responsabilidade

“Nossa, que legal! Você vai contar a minha história? Então vamos lá. Só esperando a moça chegar aqui pra ficar com a turma enquanto eu vou falar com você lá fora. Depois de tantos dias longe das salas de aulas, hoje estamos aplicando a avaliação diagnóstica aos alunos. Meu nome é Fabíola de Oliveira Melo, tenho 28 anos, sou professora do ensino fundamental das séries iniciais e há quatro tenho um contrato provisório no Estado e um efetivo na prefeitura [de Rio Branco]”, conta a educadora.

Fabíola Melo é professora na Escola Madre Hildebranda da Pra e diz que por toda a vida viveu em ambiente educacional ao lado da mãe Foto: Mardilson Gomes/Secom

E continua: “Meus filhos são o Edson Rafael, de 2 anos e 8 meses, e o Edson Ramon, de 9 anos. Meu esposo é o Renato Alves, agricultor. Ele passa todos os dias de semana na colônia, na Transacreana. O nome Edson é do meu avô e de meu pai, porque o primeiro foi em vida um homem virtuoso. Meu pai, Francisco Edson de Quadros, ainda vive. É casado com minha mãe e também é virtuoso”.

Fabíola é espontânea e, bem assim, de cara, foi compartilhando um pouco de sua vida simples, porém cheia de significado, como professora na Escola Estadual de Ensino Fundamental Maria Hildebranda da Pra, no bairro Cidade Nova.

Professora Fabíola Melo em sala de aula; amor à profissão e aos filhos a faz muito feliz, segundo ela Foto: Mardilson Gomes/Secom

“Desde a infância, eu tive esse sonho de ser professora. Então ser educadora não foi falta de opção, foi uma escolha, porque ainda criança eu já vivia a rotina de um professor. Minha mãe, Ednilza Oliveira, é professora aposentada do estado. Por 30 anos, ela trabalhou na Escola de Ensino Fundamental Floresta, no Projeto Moreno Maia. E a minha infância foi toda dentro de uma escola e nas formações aqui em Rio Branco, porque minha mãe se deslocava da zona rural para participar delas e eu a acompanhava. Ela não tinha com quem deixar os filhos”, lembra.

Como quase todos os educadores, Fabíola Melo passou por dias difíceis, lecionando remotamente de casa: “Foi um desafio imenso. Não só pela falta do contato físico com o ambiente escolar, mas porque as pessoas esquecem que professora é também mãe e dona de casa. Havia dias que o mais [filho] novo chorava por trás das gravações das aulas e eu tinha que ampará-lo”.

Fabíola e o filho, Edson Ramon, posam para a foto; ela é mãe e educadora ao mesmo tempo. Foto: Mardilson Gomes/Secom

A educadora afirma que acorda todos os dias às 4 horas. Faz o café da manhã, toma banho, produz o planejamento das aulas, acorda os meninos e os três caminham para as escolas: a Willy Viana, do mais novo, também na Cidade Nova, e depois para a Maria Hildebranda da Pra, onde o mais velho, Edson Ramon, estuda. Fabíola é também sua professora.

“Ele estuda comigo. Eu fiz essa escolha porque o acompanhei durante a pandemia, nas aulas remotas, e pelo fato de eu já estar lecionando na etapa em que ele está. Foi uma solicitação minha para a escola, de ele continuar na minha turma, pois fiquei até preocupada com o desempenho dele num primeiro momento, já que não sabia como ele poderia reagir. Eu estudei com a minha mãe e a gente tem aquele sentimento de ver o professor como um docente, mas nunca como mãe ou pai”, conta Fabíola.

Fabíola Melo se sente feliz por trabalhar em sala de aula, apesar da correria diária de cuidar de seus filhos praticamente sozinha. Foto: Mardilson Gomes/Secom

“Eu fui mãe bem jovem, com 18 anos, mas, quando terminei o ensino médio, o meu sonho já era fazer a faculdade de Pedagogia, de ser professora. No momento em que se tem filho pequeno, talvez muitas mães imaginem que é hora de parar, que não dá mais certo. Mas temos que fazer dos nossos filhos a nossa motivação. Eles não são empecilhos, são a motivação”, diz ela, que conseguiu ser aprovada no curso de Pedagogia da Ufac, mas optou por uma faculdade a distância somente para poder ficar mais perto das crianças.

Uma mãe à prova de – quase – tudo

Hêgina Barros, 38 anos, servidora da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão do Acre, acredita que ser mãe é um dom e o filho, um presente. Mãe de Flávia, de 11 anos, e de Helena, 8, ela diz que viveu duas maternidades muito diferentes uma da outra. “Mas não me sinto nem mais nem menos especial do que qualquer outra mãe”, afirma.

Hêgina Barros e Helena: amor e carinho entre as duas superam todas as adversidades da vida. Foto: Álbum pessoal

“Eu apenas luto para que os direitos das minhas filhas sejam preservados e cumpro meu papel da melhor maneira que posso”, relata. Helena nasceu com a síndrome de Miller-Dieker, uma desordem genética rara que tem como características anomalias craniofaciais congênitas, malformações cardíacas, retardo do crescimento e deficiência intelectual. Essa condição, no entanto, não desestimulou a família a desfrutar uma vida de muitas realizações.

Pelo contrário, como Hêgina ressalta: “Não escolhemos como os nossos filhos irão nascer e não escolhemos a maternidade atípica. Mas a gente pode decidir o que fará para ter uma vida plena e feliz. Não me restam quaisquer dúvidas que sempre farei o que for melhor”.

As irmãs Helena (D) e Flávia (E): a felicidade une as duas em torno de pais igualmente amorosos e presentes em suas vidas. Foto: álbum pessoal

Com boa dose de lucidez e amor no coração, ela dispara: “Toda mãe deve amar seu filho incondicionalmente. Apesar de carregarmos grandes responsabilidades e tamanha quantidade de tarefas e papéis que precisamos desempenhar, nossos filhos devem ser a nossa prioridade. É esse amor que nos deixa mais perto de Deus! Ser mãe é o maior privilégio que tenho nessa vida”.

O carinho e o amor das pessoas por Helena, e não menos por Flávia, é tão grande que, antes da pandemia de covid-19, Helena foi chamada a fazer parte de um projeto chamado Porta em Porta – criado por uma mãe que também tem filho com deficiência, cujo cerne é encorajar essas crianças a se tornarem modelos fotográficos para campanhas publicitárias de lojas.

Mamãe Hêgina, Helena e Flávia: carinho e atenção são iguais para as duas. Foto: Álbum pessoal

“Com a chegada da pandemia, resolvemos preservá-la mais, por ter imunidade baixa e o risco de contaminação poder levar para uma situação mais grave”, diz a mãe, que em março de 2017 conseguiu na justiça que o Estado fornecesse equipamentos e insumos para terapia necessários ao tratamento da criança.

Para Hêgina Barros, é preciso dar o carinho que os filhos necessitam: “Todos precisam de atenção. A Helena precisa um pouco mais de cuidado por conta da deficiência, mas a Flávia também. E eu não me vejo diferente, eu me vejo com a mesma garra que toda mãe tem por um filho, porque a gente não quer ver nenhum deles nem gripado, imagina deficiente”.

Comentários

Geral

Acre: Educação abre credenciamento para transporte escolar rural

Publicado

em

Foi publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) desta quinta-feira, dia 19, o aviso de credenciamento por meio da Chamada Pública nº 001/2022 para a realização de transporte escolar rural terrestre nos municípios acreanos.

Podem participar do processo de credenciamento o Micro-Empreendedor Individual (MEI), o Micro-Empreendedor (ME), empresas de Pequeno Porte (EPP) e LTDA, além de cooperativas. O objeto do credenciamento é a locação de caminhonetes adaptadas e caminhões adaptados.

Crendenciamento é para atender transporte escolar da zona rural dos municípios. Foto: Odair Leal/Secom

Os veículos devem ser traçados, ter motor a diesel, com condutor e monitor, para suprir as demandas do transporte de alunos matriculados na rede pública de ensino nos mais diversos municípios acreanos. Os recursos para o credenciamento virão da fonte 100 (recursos próprios).

O edital para a realização do credenciamento estará disponível a partir desta sexta-feira, dia 20, e poderá ser feito por meio do site www.see.acre.gov.br. Também pode ser feito presencialmente, em horário comercial (de 7h30 às 12h e de 14h às 17h30) também na própria SEE ou nos núcleos de representação no interior.

Comentários

Continue lendo

Geral

Júri do caso Jonhliane está suspenso; resultado em instante

Publicado

em

Por

Júri do caso Jonhliane entra no terceiro dia de debates em Rio Branco — Foto: Iryá Rodrigues/g1

Júri do caso Jonhliane entra no terceiro dia de debates em Rio Branco — Foto: Iryá Rodrigues/g1

No terceiro dia de julgamento do caso Jonhliane, a banca de advogados de defesa dos acusados Ícaro José da Silva Pinto e Alan Araujo de Lima continua os debates na 2ª Vara do Tribunal do Júri e Auditoria Militar, em Rio Branco. No segundo dia de julgamento, na quarta-feira (18), o juiz Alesson Braz suspendeu a sessão após ouvir os acusados, os advogados de defesa e o Ministério Público.

Neste terceiro e último dia de julgamentos, o Ministério Público teve mais duas horas para sustentar acusação de homicídio simples, com dolo eventual, e a defesa dos dois acusados também reforçaram a tese aos jurados. Tanto a defesa de Alan, como a de Ícaro, sustentam que não houve racha no dia do acidente e tentam a absolvição do Alan.

Ao todo, sete pessoas compõe o júri, que vai decidir sobre os dois acusados. Jonhliane Paiva Sousa tinha 30 anos e morreu no dia 6 d agosto após Ícaro dirigir em alta velocidade e atingir a moto que ela pilotava.

Câmeras de segurança mostram o carro do acusado passando na Avenida da Rocha Viana em alta velocidade. Já Alan, que dirigia um fusca e aparece também nas imagens, é acusado pelo MP-AC de estar fazendo racha com Alan.

O Ministério Público denunciou os dois, inicialmente por homicídio qualificado, porém, um habeas corpus derrubou a qualificadora e os dois agora respondem por homicídio simples. Além disso, Ícaro responde ainda por omissão de socorro e embriaguez ao volante.

Acusação

Nesta quinta, o promotor Efrain Enrique Filho começou fazendo questionamentos do que foi apresentado pelas defesas do Alan e Ícaro no segundo dia de julgamento.

“Maior desconhecimento dos autos é da dra. Helane. Ela não conhece os autos como acha que conhece. Mesma coisa a defesa do Ícaro. De maneira nenhuma vou dizer que estão falseando, prefiro dizer que estão equivocados. Estão falando com um homem que conhece os autos”, disse.

O promotor levou vídeos que a defesa de Alan disse que não foram juntados aos autos. Ele afirmou que as imagens estão sim no processo e reforçou que a defesa de Alan não conhece os autos. O vídeo é que mostra Alan voltando para o local do acidente. “Foi lançado aqui que o delegado estava em conluio com o perito. Não sei da onde tiraram essa informação”, disse.

Gicielle Rodrigues, assistente de acusação, advogada da família da Jonhliane, completou a fala do promotor. Ela questionou o fato de o Alan ter chegado a informar que não estava na festa.

“Na delegacia, foi dito inicialmente que o Alan não estava na festa. Porque disse isso? Depois, foi dito que ele foi mal instruído pelo advogado. E aí, qual a versão real do Alan? Como vou dar credibilidade pra uma pessoa que fala uma coisa e depois fala outra?”

Promotor Efrain Enrique Filho disse que defesa dos acusados desconhecem o processo — Foto: Iryá Rodrigues/g1

Promotor Efrain Enrique Filho disse que defesa dos acusados desconhecem o processo — Foto: Iryá Rodrigues/g1

Defesa do Alan

Um dos advogados de Alan, Carlos Venicius começou a defender a tese de que o acusado segue sendo injustiçado. Ele também pediu desculpas à imprensa pelas alegações dos advogados de defesa de Ícaro no segundo dia de julgamento, que teceram duras críticas à cobertura jornalística do caso.

Ele também criticou a tentativa da acusação de trazer a classe social dos acusados para o julgamento e rebateu a informação do promotor de que a defesa não tem conhecimento dos autos.

Helane Christina, advogada de Alan começa a falar sobre as imagens e questiona se as câmeras foram periciadas — Foto: Aline Nascimento/g1

Helane Christina, advogada de Alan começa a falar sobre as imagens e questiona se as câmeras foram periciadas — Foto: Aline Nascimento/g1

“Não se está aqui julgando classe social, as condições financeiras dos acusados. Afinal, que culpa teria alguém de nascer no ventre de outro? Não é este chamado de vossas excelências, pelo contrário, é o de analisar os fatos, como estão fazendo. Começo dizendo que se a defesa de Alan não tinha conhecimento dos autos talvez, o MP também não. Foi afirmado aqui que a Hatsue inventou uma briga para defender o Ícaro, mas a testemunha Andressa fala claramente que viu uma briga entre eles. A importância disso é de contrapor aquilo que se quer passar aos senhores”, rebateu.

Relembrou que Alan foi convidado para a festa para ser motorista da rodada, já que não bebia. “Nos autos existia, não existe mais, um vídeo com uma voz comovente dizendo que eram dois bêbados irresponsáveis que tinham matado Jonhliane. Se a versão do Alan de que não bebia, de que era o motorista da rodada, não é a verdade, não é o que diz nos autos.”

O advogado Carlos Venicius criticou a assistência de acusação, que segundo ele, usou de sensacionalismo para comover jurados e sociedade. “Fazendo de um inocente culpado, quer sangue nas mãos.”

 Carlos Venicius começou a defesa de Alan no terceiro dia de julgamento do caso — Foto: Iryá Rodrigues/g1

Carlos Venicius começou a defesa de Alan no terceiro dia de julgamento do caso — Foto: Iryá Rodrigues/g1

Defesa do Ícaro

 

O advogado do Ícaro, Luiz Carlos da Silva Neto voltou a fazer duras críticas à mídia, assim como à assistência de acusação e relembrou que, após recurso feito contra a denúncia, foi retirada qualificadora do crime de homicídio.

Jurados pediram para rever alguns vídeos que foram usados durante o júri — Foto: Aline Nascimento/g1

Jurados pediram para rever alguns vídeos que foram usados durante o júri — Foto: Aline Nascimento/g1

“O Ícaro pode ter todo defeito do mundo e a imprensa trabalhou nisso, mas foi honesto quando confessou que tomou o copo de whisky, veio e falou a verdade. Quando ele freia, está com consciência”, disse.

O advogado lembrou ainda que o promotor trouxe a distância que o Ícaro estava quando iniciou a frenagem do carro ao avisar Jonhliane.

“Quando ele tenta frear, aí tira a questão do dolo eventual. O dolo direto, matar alguém, exige-se que a pessoa pegue a arma pra matar alguém, a vontade dela inicial era matar. O dolo eventual é quando assume o risco. No entanto, provou-se aqui no processo que ele freia 11 metros antes, ao ver a vítima.”

Promotor Efrain tenta convencer os jurados de que Ícaro e Alan faziam racha — Foto: Aline Nascimento/g1

Promotor Efrain tenta convencer os jurados de que Ícaro e Alan faziam racha — Foto: Aline Nascimento/g1

Vídeos

Depois da defesa de Ícaro, o juiz Alesson Braz suspendeu a sessão para almoço por 30 minutos e na volta exibiu alguns vídeos a pedido dos jurados. Foram cinco vídeos exibidos mostrando imagens dos carros de Alan e de Ìcaro no dia do acidente. São imagens captadas de diversos ângulos.

Logo em seguida, o Ministério Público do Acre, tanto as defesas de Alan como de Ícaro puderam falar sobre as imagens.

Luiz Carlos da Silva Neto voltou a criticar a imprensa — Foto: Iryá Rodrigues/g1

Luiz Carlos da Silva Neto voltou a criticar a imprensa — Foto: Iryá Rodrigues/g1

Luiz Carlos da Silva Neto voltou a criticar a imprensa — Foto: Iryá Rodrigues/g1

Relembre os dias anteriores

  • Primeiro dia

 

No primeiro dia, os jurados puderem ouvir as testemunhas do caso.Foram nove pessoas ouvidas, entre testemunhas de acusação e defesa. Segundo a direção da Vara, mais de 450 pessoas se credenciaram para acompanhar o julgamento que já vai para o seu terceiro dia. Essas pessoas puderam acompanhar o júri de forma presencial e também por transmissão on-line. No primeiro dia, foram mais de 10 horas de sessão.(Veja aqui o resumo completo no primeiro dia).

  • Segundo dia

Já o segundo dia de julgamento começou com os acusados sendo ouvidos. O primeiro a falar foi Ícaro, motorista da BMW que atingiu a vítima e que, segundo o laudo da perícia, dirigia a mais de 155 km/h na via onde a velocidade máxima é 40 km/h. No seu depoimento ele assumiu a culpa pelo acidente, disse que não fazia racha com Alan e aproveitou o espaço para pedir desculpas à família da vítima.

Logo em seguida, Alan também defendeu a tese de que não fazia racha. Segundo laudo e depoimento da perícia, ele estava a mais de 80 km/h na via. Ele alega que dirigia acima do permitido porque era cedo e não tinha trânsito e que, inclusive, seguia a velocidade de outros carros que podem ser vistos nas imagens. Ele alegou que não bebia no dia e que não bebe e também aproveitou para falar sobre ameaças e extorsões que sofreu enquanto passou 40 dias no Complexo Prisional Rio Branco, antes de ser transferido para o Batalhão Ambiental, onde hoje está preso. Ele perdeu 20 quilos desde que tudo aconteceu.

Iniciando os debates, o Ministério Público começou pontuando as acusações da denúncia e defendendo a tese que os dois faziam racha no momento do acidente. A segunda banca a falar foi a do Alan, que reforçou que mantê-lo preso ou condená-lo seria uma injustiça. Tese que foi reforçada pelos advogados de Ícaro, que voltaram a tecer duras críticas às investigações da Polícia Civil e acusaram a mídia de ter “comprado” a versão de um possível racha.

Ao todo, o segundo dia também ultrapassou as 10 horas de sessão. Sendo assim, mais de 20 horas de júri em dois dias. (Veja o resumo do seguno dia completo aqui)

Conheça composição das bancas

Acusação

  • Promotor Efrain Mendoza Filho, acompanhado da assessora Hiam Antoine Feghali

Advogados assistentes de acusação:

  • Gicielle Rodrigues de Souza;
  • Débora da Silva Pessoa;
  • Raimundo Laureano Júnior;
  • Viviane Nascimento

 

Os advogados de defesa do réu Ícaro José da Silva Pinto:

  • Luiz Carlos da Silva Neto;
  • Jorgenei Ribeiro;
  • Ricardo Buzelin;
  • Antonio da Silva;

Os advogados de defesa do réu Alan Araujo de Lima

  • Helane Christina da Rocha Silva
  • Janaína Marszalek
  • Carlos Venicius Júnior
  • Edilene Ad-Víncula
  • Kátia Siqueira Sales

 

Comentários

Continue lendo

Geral

Senadora Mailza confirma pagamento de emenda de R$ 1,1 milhão para o Bujari

Publicado

em

O recurso pago será usado para compra de um trator, um caminhão compactador de lixo, uma caminhonete e uma pá carregadeira

Bujari foi contemplada com a liberação de uma emenda de R$ 1,1 (um milhão e cem mil reais) da senadora Mailza (Progressistas-AC). Atendendo um pedido do prefeito Padeiro, o recurso pago nesta semana, será usado para compra de um trator, um caminhão compactador de lixo, uma caminhonete e uma pá carregadeira.

“Estou aqui para atender essas demandas e fazer chegar à população os investimentos que levarão benfeitorias ao povo bujariense”, enfatizou Mailza.

O prefeito Padeiro agradeceu. “Solicitei a destinação dos recursos e com muita satisfação, a senadora Mailza foi sensível ao nosso pleito, como tem sido frequente da parte dela. Hoje vemos os resultados dessa nossa parceria chegando para beneficiar as pessoas”, destacou.

O recurso já está depositado na conta da Prefeitura Municipal via Ministério da Defesa através do programa Calha Norte e será investido para melhorias na infraestrutura, agricultura e desenvolvimento do município.

Além desse recurso pago, Mailza destinou ainda R$ 1 milhão para compra de um veículo de carga com implementos agrícolas e um caminhão prancha, além de R$ 300 mil para custeio na saúde. São mais de R$ 2,3 milhões em investimentos do mandato no Bujari.

Comentários

Continue lendo

Em alta