A Sesacre ficará obrigada a enviar cópias dos contratos com as empresas para que o MP faça a fiscalização mais rígida para encontrar eventuais falhas ou desvios

Fábio Pontes, da ContilNet Notícias

O Ministério Público Estadual (MPE) está de olho nos contratos da Secretaria de Saúde do Acre para a realização de exames de diagnósticos de imagem e radiologia por meio de empresas privadas. A medida é uma tentativa de evitar a repetição de fraudes detectadas pela Polícia Federal durante as investigações da operação G7 nestes mesmos tipos de contratos, no início de 2013.

Conforme a denúncia feita pelo Ministério Público Federal, e aceita pela Justiça, uma empresa de fachada, a Centtro Medicina Diagnostica Ltda, foi aberta para abocanhar as licitações do Sistema Único de Saúde (SUS) para a contratação de empresas para a realização de exames.

Leia também:

Réus se contradizem em audiência na Justiça Federal sobre fraudes em licitações do SUS

A empresa era composta por empresários do Acre e médicos de Brasília. De acordo com a denúncia, Tiago Viana, ex-diretor de Análises Clínicas da Sesacre, atuaria para facilitar o acesso da Centtro aos processos de licitação do Estado; todos os réus negam as acusações.

Para evitar novos problemas, a promotoria de Saúde vai acompanhar de perto a execução destes contratos entre governo e empresas.

A Sesacre ficará obrigada a enviar cópias dos contratos com as empresas para que o MP faça a fiscalização mais rígida para encontrar eventuais falhas ou desvios. Duas servidoras foram destacadas para cuidar especificamente deste trabalho.

Comentários