Patriota diz que não permitirá ‘meia solução’ a asilo de senador boliviano

Foto: La Razón Digital O chanceler brasileiro, Antonio Patriota, adotou tom positivo ao falar sobre o asilo do senador de oposição boliviano Roger Pinto, na embaixada do Brasil em La Paz. O opositor ao governo de Evo Morales está no posto há pouco mais de...

0
Foto: La Razón Digital
Foto: La Razón Digital

O chanceler brasileiro, Antonio Patriota, adotou tom positivo ao falar sobre o asilo do senador de oposição boliviano Roger Pinto, na embaixada do Brasil em La Paz. O opositor ao governo de Evo Morales está no posto há pouco mais de um ano.

“Eu queria revelar que a inclinação [para um resultado] é positiva. Não será admitida qualquer meia solução que represente uma saída do senador, mas que ponha em risco a sua integridade como pessoa”, afirmou o ministro nesta quinta-feira (20) em audiência pública no Senado Federal.

Em junho do ano passado o Brasil concedeu asilo político a Pinto, 53, que recorreu à embaixada alegando sofrer perseguição e ameaças de morte no país. O governo Morales se nega, desde então, a conceder o salvo-conduto ao senador, que permitiria ao político sair da embaixada em segurança até embarcar para o Brasil.

Patriota afirmou que a presidente Dilma Rousseff já tratou do tema com autoridades do país vizinho, reforçando a necessidade de garantir a integridade física do político numa eventual saída.

O ministro, no entanto, preferiu não dar mais detalhes sobre o estágio das conversas com o governo boliviano. “Acho que não seria produtivo manter uma conversa neste estágio dos acontecimentos que revelasse em toda a sua plenitude o que está ocorrendo”, desconversou.

Presente na audiência, o advogado do senador boliviano no Brasil, Fernando Tibúrcio, demonstrou descrença na atuação de autoridades brasileiras. Ele afirma que não houve nenhuma gestão “efetiva” por parte do Brasil para solucionar o impasse.

TROCA DE EMBAIXADOR

No mês passado, Tibúrcio protocolou um habeas corpus extraterritorial no STF (Supremo Tribunal Federal), pedindo que a Corte obrigue o Itamaraty a resolver a situação.

“Pela falta de ação do Itamaraty só vejo duas saídas: ou o habeas corpus ser provido ou recorrer à providência divina”, ironizou o advogado. Ele critica ainda a remoção do atual embaixador em La Paz, Marcel Biato, para a embaixada brasileira na Suécia. “Não justifica o embaixador que tem o histórico da situação ser transferido”, argumentou.

Durante a audiência, o ministro afirmou que a transferência foi “estritamente decidida no contexto das práticas habituais do Itamaraty”. “Não há qualquer anormalidade ou qualquer procedimento que devesse causar surpresa ou espécie de qualquer forma”, completou.

Comentários

Assuntos desta notícia