blog_do_nelson_liano_ac24horas

Nelson Liano Jr

Pode parecer contraditório. Todas as pesquisas divulgadas no Acre até agora colocam Tião Viana (PT) na frente. Mas quem pensa, sobretudo, que os números divulgados pelo Ibope na sexta, 17, abalaram os oposicionistas se enganou. Na realidade os apoiadores da campanha de Márcio Bittar (PSDB) viram uma tendência de vitória no próximo dia 26. O mais entusiasmado é o deputado federal reeleito Flaviano Melo (PMDB). “Se esse instituto que sempre erra colocou o Bittar tão próximo do Viana é porque na realidade estamos empatados,” disse ele. Flaviano declarou ainda que nunca sentiu um clima tão favorável à oposição desde que ele mesmo venceu a eleição para a prefeitura de Rio Branco no ano 2000. O senador eleito Gladson Cameli (PP) também está eufórico com o resultado do Ibope. “O instituto não vai querer errar de novo no Acre e jogar a sua credibilidade fora. Se considerarmos os números gerais de votos e, não só dos válidos, existe um empate técnico. Na minha opinião a eleição está indefinida,” garantiu.

O fator Gladson
Quem esperava o senador eleito Gladson Cameli (PP) distante da campanha no segundo turno se enganou.  Mesmo depois da sua vitória Gladson entrou de cabeça na campanha de Bittar e do presidenciável Aécio Neves (PSDB), no Acre.

Pé no chão
Em Feijó, o senador eleito fez um teste de popularidade. Foi para um bairro do município aleatoriamente, pegou um microfone e começou a pedir voto. Uma verdadeira multidão se juntou rapidamente para ouvi-lo.

Em plena campanha
Flaviano Melo está empolgado. Tem feito campanha diária para o seu candidato. Num mesmo dia esteve no Terminal Urbano de Rio Branco, na Esquina do Pecado e depois promoveu reunião com produtores rurais no Bujari.

Aeroporto aberto mais uma vez
O candidato Márcio Bittar foi para Cruzeiro do Sul num voo fretado que saiu do aeroporto de Rio Branco em torno das 11hs da manhã, do sábado, dia 18. A alegação da assessoria é que o aeroporto só fica fechado entre 8hs e 18hs nos dias úteis.

Encontro marcado
Bittar foi para o Juruá se encontrar com o senador Aloysio Nunes (PSDB), vice de Aécio. O senador tucano permaneceu por mais de quatro horas em Cruzeiro do Sul participando de carreatas e comícios.

Binho vai pedir votos para Tião
Os programas eleitorais da FPA do começo da última semana de campanha terão um surpresa. O ex-governador Binho Marques (PT) irá aparecer pedindo votos para Tião Viana e Dilma Rousseff (PT). Ao lado do senador Jorge Viana (PT) irá tentar convencer os eleitores da importância da continuidade do “projeto” da FPA.

Notícia inesperada
Binho é atualmente secretário executivo do Ministério da Educação, em Brasília. É público e notório que o ex-governador acreano tem muito mais ligações políticas com Jorge Viana do que com Tião. Mas como é tradição na FPA, na hora do sufoco, todos se unem em torno do mesmo objetivo.

Sai um chega outro
O candidato à reeleição Tião Viana (PT) também esteve em Cruzeiro do Sul. Realizou reuniões e caminhadas na sexta, 17. No sábado já estava na Capital ocupado com outras agendas. Talvez seja a maior mobilização eleitoral da FPA em todos os tempos.

Bem divididos
Enquanto Tião Viana vai para um lado pedir votos o seu irmão senador Jorge Viana vai para o outro. Jorge esteve na sexta mobilizando eleitores nos municípios do Alto Acre. A tendência é ninguém parar até o próximo domingo.

Prefeitos unidos
Os três mais recentes prefeitos do PT de Rio Branco também estarão na telinha. Jorge Viana, Raimundo Angelim (PT) e Marcus Alexandre (PT) dialogam nos programas eleitorais da FPA tentando convencer o eleitorado da Capital.

A hora da discórdia
Pelo menos dois episódios envolvendo agressões verbais exacerbadas entre militantes petistas e tucanos aconteceram nesse dias. Em Rio Branco, na sexta, 17, uma jovem militante do PT alega ter sido agredida no terminal urbano. Os adeptos da PSDB negam.

A hora da discórdia 2
Em Epitaciolândia, segundo me relataram, houve, na sexta, dia 17, um bate-boca entre Bittar e o dono do Supermercado São Sebastião. A turma do deixa disso entrou em ação e a coisa ficou mesmo só na troca de insultos.

Muita calma nessa hora
A democracia pressupõe o contraditório. Como a disputa no Acre está polarizada é natural que cada um queira defender o seu candidato com unhas e dentes. Mas que isso tudo aconteça através do entusiasmo natural de campanha. Na realidade uma eleição deveria ser uma festa e não um campo de batalha. Esperemos que as escaramuças não terminem com agressões físicas. Afinal de contas é uma disuta para ver quem está melhor preparado para governar o Acre e não uma guerra civil entre acreanos.

Comentários