Delegado Roberth Alencar ao lado do secretário de Policia Civil, Carlos Flavio, durante coletiva de imprensa
Delegado Roberth Alencar ao lado do secretário de Policia Civil, Carlos Flavio, durante coletiva de imprensa

A 4ª fase da Operação Lares, executada nesta sexta-feira, 08, pela Polícia Civil, em Rio Branco, ocorreu após as investigações apontarem que ex-gestores da instituição e um servidor estariam tentando intimidar testemunhas arroladas ao inquérito policial.

As revelações, feitas pelo delegado Roberth Alencar, que conduz as investigações, apontam que o esquema de distribuição ilegal das casas populares acontecia antes da gestão Jamyl Asfury (2015-2016) ser reiniciada. Contudo, mesmo com a mudança de comando, a organização criminosa continuou atuando na Secretaria de Habitação e interesse Social (Sehab).

De acordo com a Policia, Marcio Goes ameaçou uma das testemunhas e a intimidou a não contar fatos que teriam ocorrido junto à organização
De acordo com a Policia, Marcio Goes ameaçou uma das testemunhas e a intimidou a não contar fatos que teriam ocorrido junto à organização

“Hoje estamos cumprindo mandados de medidas cautelares. Estamos proibindo os investigados de se aproximarem das testemunhas, e isso pode gerar prisão. Tudo isso depende de circunstancias e de provas para que aja essa situação. O primeiro inquérito teve 5 mil folhas”, explicou o delegado.

Ainda segundo Roberth Alencar, o servidor da Sehab, Marcio Goes, ameaçou uma das testemunhas e a intimidou a não contar fatos que teriam ocorrido junto à organização. “Nós queremos identificar e provar a participação dessas pessoas no processo fraudulento. Esperamos dar continuidade e identificar todas as pessoas”, completa.

As investigações apontam que Marcio utilizou um dos veículos da Secretaria de Habitação, fardado com o colete da instituição para conversar com as testemunhas da Operação Lares. Agora, por ordem judicial, foi afastado das funções públicas e ficará à disposição da Polícia Civil.

Polícia Federal assume

Um dos inquéritos iniciados pela Polícia Civil, conta Roberth Alencar, foi encaminhado à Polícia Federal, por entendimento do juiz Gilberto Matos, responsável pelo processo. O material obtido pelas investigações trata dos beneficiários dos imóveis, pessoas que receberam ilegalmente casas populares.

Apreensões: Rostênio, Irlan e Marcio

Acompanhado de um advogado, Rostênio Ferreira é conduzido a Delegacia
Acompanhado de um advogado, Rostênio Ferreira é conduzido a Delegacia

Nesta fase da Lares foram apreendidos documentos, celulares e materiais digitais em CDs e pen-drivers tanto na casa de Rostênio Ferreira, ex-secretário da Sehab, como na residência do ex-servidor Irla Lins, que exerceu a função de coordenador do Departamento Social, função também exercida por Marcos Huck, preso em abril, durante a segunda fase da operação. Os materiais também foram apreendidos na casa de Marcio Goes.

Fases anteriores

Bastante nervoso, Irlan Lins também prestou esclarecimentos
Bastante nervoso, Irlan Lins também prestou esclarecimentos

Na primeira fase da Operação Lares, Ministério Público Estadual (MPE) e Polícia Civil (PC) fizeram apreensões de documentos e cumpriram mandados de condução coercitiva direcionados a servidores da Secretaria de Habitação, uma servidora da Junta Comercial do Acre (Cleuda Maia, irmã do ex-deputado Geraldo Pereira, do PT), e ainda supostos beneficiados pelo esquema.

Já na segunda fase, as investigações apontaram para a prisão de supostos condutores do esquema. Entre o grupo de quatro presos (Marcos Huck, Rossandra Melo, Cecera Dantas e Daniel Gomes), diversas outras pessoas foram ouvidas pelo delegado. Pensava-se que cerca de 60 podiam ser indiciadas a partir daquele momento.

Numa terceira fase, a Polícia Civil, sob o comando do delegado Roberth Alencar, que administra as investigações, cumpriram mandados de despejo em residências construídas com recursos públicos e que teriam sido entregues às famílias de forma irregular. Muitas casas foram depredadas após os despejos. Alguns moradores foram denunciados por dano ao patrimônio.

A quarta fase da operação foi deflagrada nesta sexta-feira, 08 de julho, para o cumprimento de três mandados de busca, apreensão e conduções

coercitivas.

Fonte: ac24horas.com

Comentários