Conecte-se conosco

Geral

Polícia investiga festa clandestina durante pandemia em sítio em Mâncio Lima

Publicado

em

Festa teria acontecido no último final de semana em um sítio no Ramal do Batoque, na zona rural de Mâncio Lima. Delegado diz que foi iniciada uma investigação para confirmar local onde ocorreu a festa, proprietário e as pessoas que participaram.

Festa clandestina com aglomeração é realizada em Mâncio Lima, no interior do Acre

Por Iryá Rodrigues

A Polícia Civil investiga uma festa clandestina em Mâncio Lima.

O evento teria ocorrido no último final de semana em um sítio no Ramal do Batoque, na zona rural da cidade, em meio à pandemia de coronavírus. Um decreto estadual proíbe a realização deste tipo de evento.

Pelas imagens de vídeos que chegaram ao conhecimento da polícia e que viralizaram nas redes sociais nesta terça-feira (4) é possível ver muitas pessoas dançando durante dia e noite, sem máscaras e consumindo bebida alcoólica.

O delegado José Obetaneo dos Santos, que conduz a investigação, disse que foi expedida ordem de missão para que os investigadores da Polícia Civil identifiquem o local exato onde ocorreu a festa, o dono da propriedade e os participantes. Após isso é que ele deve instaurar o inquérito civil.

“Chegou ao meu conhecimento por volta das 6h desta terça e logo em seguida expedi ordem de missão e os investigadores já estão identificando os personagens, local e a quem pertence a chácara. Também precisamos confirmar se foi neste final de semana, se essa chácara é realmente em Mâncio Lima ou se fica em Rodrigues Alves, que fica bem próximo. Garanto que vamos identificar e todos serão responsabilizados”, disse o delegado.

A informação é de que dois ônibus teriam saído da cidade de Cruzeiro do Sul levando pessoas para a festa. Mais de 100 integrantes teriam participado do evento.

O estado do Acre está em faixa de emergência, representada pela bandeira vermelha, desde o dia 1º de fevereiro, depois que as unidades de saúde do estado ficaram com quase 100% de ocupação dos leitos. Nessa faixa, há restrições no funcionamento do comércio, com 20% da capacidade de público e limitação de horário e proibição de eventos comemorativos e sociais. Desde o início da pandemia, o governo baixou decreto que obriga uso de máscara e proíbe aglomerações.

Festa clandestina teria ocorrido durante dois dias em sítio em Mância Lima, no interior do Acre — Foto: Reprodução

A coordenadora da equipe volante de enfrentamento à Covid-19 na cidade, do Centro de Operações de Emergência (COE), Francisca Cordeiro, disse que a equipe chegou a ir até a entrada da chácara logo após receber o vídeo no final de semana. Mas, como não havia movimentação em frente ao local e não tinha certeza de que era mesmo naquela propriedade, eles não entraram.

“Fizemos um relatório com base na denúncia que recebemos, vamos encaminhar para o setor da Tributação da Prefeitura que vai analisar se é para mandar ou não para o Ministério Público. Pelo vídeo, percebemos que tinham umas quatro pessoas do nosso município, e o restante era todo de Cruzeiro do Sul”, afirmou Francisca.

Covid-19 em Mâncio Lima

Com pouco mais de 19,3 mil habitantes, Mâncio Lima registra 1797 casos confirmados de Covid-19 e 25 mortes pela doença, segundo último boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde, divulgado nessa segunda-feira (3).

Mâncio Lima está em 9º lugar no ranking dos municípios com maior incidência dos casos, com 930 casos para cada 10 mil habitantes. A taxa de letalidade é de 1,4% e a de mortalidade é de 12,9 para cada 10 mil habitantes.

Comentários

Geral

Auxílio Brasil representa atualmente 2,16% do PIB da região Norte

Publicado

em

Com aumento, o benefício passaria de R$ 400 para R$ 600 ainda este ano. Região Norte é a segunda no país onde a proporção dos recursos do programa é mais significativa em relação à economia local

O Ministério da Economia tenta encontrar espaço no orçamento para aumentar de R$ 400 para R$ 600 o Auxílio Brasil, principal programa social da atual gestão. A medida vai beneficiar a região Norte, segunda no país onde a proporção dos recursos do programa é mais significativa em relação à economia local. Segundo pesquisa realizada pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em parceria com a P3 Inteligência, em 15 das 27 unidades da Federação o benefício representa, pelo menos, 1% do Produto Interno Bruto (PIB) do estado. No Norte, os valores destinados a ajudar famílias em vulnerabilidade socioeconômica representam 2,16% do PIB local.

Além de ajudar famílias em situação de pobreza e pobreza extrema, um dos objetivos do Auxílio Brasil é mitigar a desigualdade social no país. E a distribuição dos recursos é direcionada para as regiões que mais precisam do benefício, como é o caso do Norte do Brasil. De acordo com dados do Ministério da Cidadania, 23 cidades tiveram, em abril, os maiores valores médios pagos, com recursos acima de R$ 420, sendo que 16 delas estão na região Norte – o valor médio pago no Brasil é de R$ 403,08. Isso ocorre porque os beneficiários nortistas, assim como nordestinos, geralmente têm outras modalidades de benefícios concedidos pelo programa, que acabam sendo incorporados, como Auxílio Gás e Auxílio Esporte Escolar.

De acordo com o levantamento, os custos totais do Auxílio Brasil até dezembro devem somar cerca de R$ 110 bilhões, se o novo valor começar a ser pago em julho aos beneficiários. Sem o reajuste, as despesas do governo com o programa ficariam em torno de R$ 88 bilhões. O estudo foi realizado com base nos dados do Ministério da Cidadania, responsável pela coordenação do programa assistencial, e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O deputado federal Joaquim Passarinho (PL-PA) lembra que, durante a pandemia, o Auxílio Brasil foi importante não só para a sobrevivência de milhões de brasileiros em vulnerabilidade, como também no aquecimento da economia, já que parte dos recursos também foi utilizada na abertura de pequenos negócios por aqueles que perderam o emprego. O estado do parlamentar é o segundo mais beneficiado da região com os recursos do programa, que representam 2,68% do PIB local, perdendo apenas para o Acre (3,18%).

“O governo está pensando (no aumento) em vista do sucesso que foi durante a pandemia. Foi um sucesso grande porque as pessoas, além de sobreviver com o valor, também investiram. Muita gente aproveitou para investir, melhorar alguma coisa em sua casa, no seu pequeno negócio. Foi um sucesso absoluto e também aqueceu o mercado”, destaca o parlamentar.

Segundo dados do Ministério da Cidadania e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Previdência, o Auxílio Brasil é tão importante no Pará que o número de beneficiários do programa social ultrapassa em mais de 332 mil o número de empregados com carteira assinada. A situação é semelhante em outros três dos demais seis estados da região Norte.

Fila de espera

Ao passo em que o governo tenta aumentar o valor do benefício, luta também para resolver o problema da fila de espera daqueles que estão elegíveis, mas aguardam para ingressar no programa. Segundo o Ministério da Cidadania, 18,15 milhões de famílias foram contempladas pelo Auxílio Brasil em junho de 2022. Já dados da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) apontam que a fila de espera conta com mais de 2,8 milhões de brasileiros.

O economista da FGV-SP Renan Gomes de Pieri acredita que o reajuste do benefício pode ser bom para aplacar o aumento do custo de vida dos últimos meses, principalmente em relação às pessoas que vivem em extrema pobreza.

“Um potencial aumento de R$ 600 pode ter um lado positivo, de contribuir ainda mais nesse momento de custo de vida mais alto, mas, o que mais preocupa é a fila de famílias que estão esperando para ingressar no auxílio. O medo é que não se priorize esse ingresso de novos beneficiários”, alerta Renan.

Quem pode receber o benefício?

Podem participar do Auxílio Brasil as famílias com inscrição no Cadastro Único. Além disso, é necessário que se enquadrem nos seguintes critérios de seleção:

  • Estar em situação de extrema pobreza, ou seja, com renda mensal per capita de até R$ 105;
  • Encontrar-se em situação de pobreza, ou seja, recebendo entre R$ 105,01 e R$ 210 por pessoa, caso o grupo também conte com nutrizes, gestantes, crianças e jovens de 0 a 21 anos incompletos em sua constituição.

Fonte: Brasil 61

Comentários

Continue lendo

Geral

FPM: prefeituras brasileiras devem receber R$ 2,8 bilhões

Publicado

em

De acordo com a Secretaria do Tesouro Nacional, até esta segunda-feira (27), 19 municípios estavam bloqueados e, portanto, não devem receber o repasse do FPM se não regularizarem suas pendências

O município gaúcho de Caxias do Sul, localizado no nordeste do estado, deve receber R$ 1.514.796,06 do FPM nesta quinta. O secretário de finanças da cidade, Gilmar Santa Catarina, explica que o município não depende exclusivamente do FPM, mas destaca que os recursos sempre ajudam a realizar serviços para a população.

“Nós temos, hoje, aproximadamente 51% do FPM destinados para Educação e Saúde. Em relação ao restante, a aplicação é diversa. A própria Educação exige que parte desse recurso seja aplicado no pagamento de merendeira, e na compra de parte da merenda escolar, já que os recursos federais nem sempre são suficientes. Essa demanda é cumprida com recursos livres, também compostos pelo FPM”, afirma.

Municípios bloqueados

De acordo com a Secretaria do Tesouro Nacional, até esta segunda-feira (27), 52 municípios estavam bloqueados e, portanto, não devem receber o repasse do FPM, se não regularizarem suas pendências. São eles:

  • AVARÉ – SP
  • BARBALHA – CE
  • BROCHIER DO MARATÁ – RS
  • CAPELA – SE
  • CARAPEBUS – RJ
  • CARMÓPOLIS – SE
  • DIVINA PASTORA – SE
  • ITABIRA – MG
  • ITAPIRAPUÃ – GO
  • JUAZEIRINHO – PB
  • MAGALHÃES DE ALMEIDA – MA
  • MANGARATIBA – RJ
  • PEDRINHAS – SE
  • POÇO REDONDO – SE
  • PORTO DA FOLHA – SE
  • SÃO GERALDO DO ARAGUAIA – PA
  • SÃO JOÃO DE MERITI – RJ
  • SUMARÉ – SP
  • TRÊS PASSOS – RS

Para desbloquear o repasse, o município deve identificar o órgão que determinou o congelamento. Em seguida, deve conhecer o motivo e regularizar a situação.

“Geralmente são problemas previdenciários ou falta de pagamento de empréstimo verificado pela União. Então, a dica é tentar renegociar essas dívidas para que volte a ter o recebimento do FPM”, orienta Cesar Lima.

FPM

As transferências do FPM aos municípios ocorrem nos dias 10, 20 e 30 de cada mês. Caso a data caia no sábado, domingo ou feriado, o repasse é antecipado para o primeiro dia útil anterior.

Comentários

Continue lendo

Geral

Pesquisadores descobrem novas espécies de plantas no Acre

Publicado

em

Por Edmilson Ferreira

A Estação Ecológica (Esec) do Rio Acre também foi palco de descobertas. No projeto de iniciação científica apoiado pelo ICMBio, em janeiro deste ano, Marcos e Mayk encontraram, nessa unidade de conservação, a planta herbácea ‘Lycianthes assarifolia’ (Solanaceae) e a planta trepadeira ‘Aristolochia odora Steud’ (Aristolochiaceae), ambas consideradas novos registros para o Estado do Acre.

Em abril, Mayk coletou na Esec uma erva parasita, conhecida como ‘Apodanthes caseariae Poit’ (Apodanthaceae), cuja família foi registrada pela primeira vez no Estado. E na mesma ocasião, o aluno coletou uma espécie arbórea pequena, conhecida como ‘Styloceras Brokawii Gentry & Foster’, uma ‘Buxaceae’, família registrada pela primeira vez no Brasil.

Segundo Marcos, a identificação das espécies pode ser feita de várias formas. Preliminarmente, podem ser usadas ferramentas da internet, como o Google Lens, a rede social iNaturalist e grupos especializados do Facebook, como o DetWeb. Ele destaca que após esses passos preliminares para identificação, obrigatoriamente as determinações devem ser confirmadas por especialistas ou pela literatura especializada para ter validade científica.

“A postagem do registro das espécies no DetWeb, por exemplo, facilitou a identificação da família inédita para o Brasil, por especialistas, mas a identificação da espécie ‘Styloceras brokawii’ foi realizada com ajuda da literatura de especialistas”, comentou. O professor também afirmou que, em áreas remotas como a Esec, há grande chance de se encontrar novidades. “A descoberta de novas plantas para o Acre, para o Brasil e para a ciência revela que há uma grande quantidade de espécies ainda não descobertas em nosso Estado.”

O primeiro registro da família ‘Buxaceae’ no Brasil será submetido para publicação na revista científica “Check List” e a espécie será incluída na atualização da lista de espécies de plantas da flora do Acre. (Ufac)

Comentários

Continue lendo

Em alta