Conecte-se conosco

Brasil

Ponte do Madeira pode fazer do Acre um novo centro logístico e produtivo no país, avalia Ipea

Publicado

em

Estrutura de 1,5 km de extensão começou a ser construída em 2014 e teve cerca de R$ 140 milhões gastos nas obras. De acordo com o Dnit, cerca de 2 mil veículos devem transitar diariamente no local.

Inauguração da Ponte do Abunã em Porto Velho (Foto: Jonatas Boni/G1)

Por Edmilson Ferreira

Inaugurada nesta sexta-feira (7) pelo presidente Jair Bolsonaro, a Ponte do Rio Madeira, em Abunã (RO), poderá tornar o Acre em um novo centro logístico e produtivo do país.

Esta avaliação está em nota técnica preliminar publicada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) que trata da ponte que permitirá a interligação dos portos peruanos do Pacífico e ainda do território da Bolívia à hidrovia do Rio Madeira e aos estados da região Norte e Centro-Oeste do Brasil.

“As obras de integração poderão possibilitar que os volumes de produção e de comércio do Acre, junto aos dos estados vizinhos, acumulem ganhos de escala, fator fundamental para tornar viável a rota interoceânica rumo aos mercados regionais da costa do Pacífico das três Américas e da Ásia”, diz o estudo coordenado pelo pesquisador Pedro Silva Barros, da Diretoria de Estudos e Relações Econômicas e Políticas Internacionais do Ipea.

Desde 2010, o Acre é o único estado brasileiro que tem dois vizinhos fronteiriços entre os cinco principais compradores externos. Juntos, Bolívia e Peru respondem por 25% do total das exportações acreanas.

No entanto, antes da inauguração das pontes de Assis Brasil e Epitaciolândia o Estado não exportava regularmente para estes países vizinhos e, em 2003, não havia registrado nenhuma venda para a Bolívia nem para o Peru.

Outros estados brasileiros também tendem a ganhar com a interligação e o potencial aumento do fluxo comercial, como no caso de Rondônia que, nos últimos 20 anos, multiplicou em 23 vezes o valor das vendas ao comércio externo e registrou aumento das exportações de US$ 59 milhões para US$ 1,37 bilhão. As vendas rondonienses de carnes refrigeradas aumentaram mais de cinco vezes desde 2015 e alcançaram US$ 121,7 milhões em 2020.

O atual principal destino dessas exportações é o Chile, com quase 70% do total (US$ 82 milhões), e outro mercado emergente é o Peru, com US$ 6 milhões, sendo que estas cresceram 28 vezes nos últimos cinco anos.

Os pesquisadores também destacam na nota as possibilidades de se promover novas vias de escoamento da produção agrícola da região Centro-Oeste, em especial do Mato Grosso. “Há 25 anos, pouco se questionava a quase exclusividade do transporte rodoviário em direção aos portos de Santos-SP e Paranaguá. Apesar da desconfiança, vem prevalecendo o progressivo poder de atração da infraestrutura logística dos portos do Arco Norte”, avaliam. Em 2020, as exportações mato-grossenses foram escoadas por meio de portos localizados no oceano Atlântico, sendo 66% nas regiões Sul e Sudeste e 33% nos portos do Arco Norte.

O estudo ainda identificou situações em que pode haver ganhos logísticos com a interligação com os portos do Pacífico, como, por exemplo, para a aquisição de fertilizantes pelo Mato Grosso. Quase 90% do produto que o estado importa do Canadá entra no Brasil pelos portos de Santos e Paranaguá e poderia chegar mais rapidamente pelo Pacífico. Em outro caso parecido, Rondônia importa azeitonas do Peru por aqueles mesmos portos do Sudeste e do Sul. (Ipea)

Ponte sobre o rio Madeira, em Abunã, está com estrutura pronta. (Foto: Reprodução/Rede Amazônica)

A obra é uma das maiores já erguidas pela engenharia na Amazônia. São 1,5 km de extensão e mais de 14 metros de largura. A ponte possui duas pistas de rolagem, acostamento em ambos os lados e passarela para pedestres.

Comentários

Brasil

Crescem em todo país os casos de síndrome respiratória aguda grave

Publicado

em

Análise é da Fundação Oswaldo Cruz

Por Vladimir Platonow

Os casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) está crescendo, tanto nas tendências de longo prazo – últimas seis semanas – quanto de curto prazo – últimas três semanas. O dado foi divulgado nesta quarta-feira (6) no Boletim InfoGripe, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Os sinais de crescimento aparecem em mais estados das regiões Norte e Nordeste, tendência que se iniciou mais tarde em relação aos estados do Sudeste, Sul e Centro-Oeste. Em contrapartida, alguns estados do Sudeste e Sul (Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo) mantêm sinais de possível interrupção no aumento do número de casos, com formação de platô no mês de junho.

“Essa situação ainda está sem sinais claros de inversão para queda. No Paraná e no Rio Grande do Sul, por exemplo, observa-se tendência de retomada do crescimento em crianças, indicando que o cenário ainda é instável e exige cautela”, explicou o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe.

Dados referentes aos resultados laboratoriais por faixa etária seguem apontando para amplo predomínio do vírus Sars-CoV-2 (Covid-19), especialmente na população adulta. Nas crianças até 4 anos de idade, o aumento no número de casos de SRAG foi marcado por crescimento nos casos positivos para vírus sincicial respiratório (VSR) e leve subida nos casos de rinovírus e metapneumovírus. Nesse grupo, a presença de Sars-CoV-2 superou o volume de casos associados ao VSR nas últimas quatro semanas.

Embora não se destaque no dado nacional, o vírus influenza A (gripe) mantém sinal de crescimento em diversas faixas etárias no Rio Grande do Sul.

A análise indica que 20 das 27 unidades federativas apresentam sinal de crescimento na tendência de longo prazo (últimas seis semanas) até a SE 26: Acre, Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Roraima, Santa Catarina e Tocantins.

As demais unidades apresentam sinal de estabilidade ou queda na tendência de longo prazo.

Os dados completos podem ser acessados na página da Fiocruz na internet.

 

Edição: Fernando Fraga

Comentários

Continue lendo

Brasil

Anvisa mantém proibição da venda de cigarros eletrônicos

Publicado

em

Produtos são vendidos ilegalmente no país

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu hoje (6) manter a proibição de importação, propaganda e venda de cigarros eletrônicos no Brasil. A restrição começou em 2009, mas a comercialização continua ocorrendo de forma ilegal no país. 

A decisão foi tomada durante a 10ª reunião da diretoria colegiada do órgão. Por unanimidade, a diretoria seguiu voto proferido pela diretora Cristiane Rose Jourdan.

Segundo a diretora, estudos científicos demonstram que o uso dos dispositivos eletrônicos para fumar (DEFs) está relacionado com aumento do risco de jovens ao tabagismo, potencial de dependência e diversos danos à saúde pulmonar, cardiovascular e neurológica.

Os cigarros eletrônicos são aparelhos alimentados por bateria de lítio e um cartucho ou refil, que armazena o líquido. Esse aparelho tem um atomizador, que aquece e vaporiza a nicotina. O aparelho traz ainda um sensor, que é acionado no momento da tragada e ativa a bateria e a luz de led.

A temperatura de vaporização da resistência é de 350°C. Nos cigarros convencionais, essa temperatura chega a 850°C. Ao serem aquecidos, os DEFs liberam um vapor líquido parecido com o cigarro convencional.

Os cigarros eletrônicos estão na quarta geração, onde é encontrada concentração maior de substâncias tóxicas. Existem ainda os cigarros de tabaco aquecido. São dispositivos eletrônicos para aquecer um bastão ou uma cápsula de tabaco comprimido a uma temperatura de 330°C. Dessa forma, produzem um aerossol inalável.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Johnson diz que seu governo não renunciará após saída de ministros

Publicado

em

Titulares da Saúde e das Finanças renunciaram nessa terça-feira

Por William James

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, disse nesta quarta-feira (6) que seu governo não renunciará após a saída de dois de seus mais importantes ministros (da Saúde e das Finanças).

Além disso, uma série de autoridades de menor escalão também se demitiram em protesto contra sua liderança.

Johnson afirmou a parlamentares que a economia está enfrentando momentos difíceis e que a invasão da Ucrânia pela Rússia representa a pior guerra na Europa em 80 anos.

“É exatamente o momento em que se espera que um governo continue com seu trabalho, não que renuncie”, disse o premiê ao Parlamento.

Isolamento

Boris Johnson está ficando cada vez mais isolado, atingido pela demissão de uma série de colegas de alto escalão, que disseram que ele não está apto a governar. O premiê, no entanto, prometeu continuar lutando e dizendo que não deixará o cargo.

Ele usou uma sessão semanal de perguntas e respostas no Parlamento para tentar resistir, repetindo as justificativas para o último escândalo.

Os secretários de Finanças e Saúde de Johnson renunciaram nessa terça-feira, após a mais recente turbulência a afetar o governo, que provocou a saída de cerca de 15 políticos de baixo clero e a retirada do apoio de parlamentares leais.

Com a maré de demissões aumentando, alguns questionaram se o primeiro-ministro pode preencher as vagas.

Johnson procurou reafirmar autoridade nomeando rapidamente Nadhim Zahawi como ministro das Finanças. Mas quando o ex-secretário de Educação Zahawi apareceu, na manhã de hoje, para definir as prioridades do governo, foi confrontado com notícias de novas demissões.

O desempenho do premiê nas perguntas foi recebido com resposta silenciosa e, ocasionalmente, risadas. Um membro do próprio partido de Johnson perguntou se haveria alguma circunstância em que deveria renunciar.

Ele respondeu que só desistiria se o governo não pudesse continuar.

“Quando os tempos estão difíceis, é exatamente o momento em que você espera que o governo continue com seu trabalho, não vá embora, que continue com o trabalho e foque nas coisas que importam para as pessoas”, disse Johnson ao Parlamento.

Hostilidades

O procurador Alex Chalk, o segundo consultor jurídico mais importante do governo, disse que o efeito cumulativo de uma série de escândalos fez com que a população não acredite mais que o governo possa manter os padrões esperados de franqueza.

“Lamento compartilhar esse julgamento”, afirmou.

O nível de hostilidade que Johnson enfrenta dentro de seu partido foi visto quando ele apareceu no Parlamento para a sessão de perguntas e diante dos presidentes de comitês selecionados para um interrogatório de duas horas.

“Suspeito que teremos que arrastá-lo chutando e gritando de Downing Street”, disse um parlamentar conservador à Reuters, falando sob condição de anonimato. “Mas se tivermos que fazer dessa maneira, então faremos.”

Johnson, ex-jornalista e prefeito de Londres que se tornou o rosto da saída do Reino Unido da União Europeia, obteve vitória eleitoral esmagadora em 2019, antes de adotar abordagem combativa e muitas vezes caótica no governo.

Sua liderança esteve atolada em escândalos e erros nos últimos meses. O premiê foi multado pela polícia por violar leis de lockdown da covid-19 e um relatório condenatório publicado sobre o comportamento de autoridades que quebraram suas próprias regras de isolamento.

Também houve reviravoltas políticas, uma defesa malfadada de um parlamentar que violou as regras de lobby e críticas de que ele não fez o suficiente para enfrentar a crise de custo de vida,. Muitos britânicos estão em dificuldades para lidar com o aumento de preços do combustível e dos alimentos.

* Reportagem adicional de Michael Holden, Elizabeth Piper e Kate Holton

 

Comentários

Continue lendo

Em alta