Detento cumpre pena por assalto e tentativa de homicídio.
Em liberdade, homem ameaçou ex-mulher e ateou fogo em residência.

G1/Ac

Homem foi recapturado pela polícia e levado ao presídio (Foto: Francisco Rocha/G1)
Homem foi recapturado pela polícia e
levado ao presídio (Foto: Francisco Rocha/G1)

Mesmo tendo duas condenações pelos crimes de assalto e tentativa de homicídio, Cristiano Magalhães Firmino,  o ‘Tinda’, de 33 anos, foi liberado no dia 8 de setembro deste ano, pela direção do presídio Manoel Neri da Silva, em Cruzeiro do Sul, por meio de um alvará de soltura.

Segundo o diretor do presídio, Marqueones Santos, ele estava viajando quando o caso aconteceu. Ao retornar à unidade prisional, percebeu que o reeducando não poderia ter sido solto, porque responde por outras duas condenações em regime fechado.

O presidiário estava preso há quase um ano pelos crimes. Na ficha de Tinda consta ainda um inquérito policial em aberto onde ele é acusado de agressão física, estupro e sequestro da ex-mulher. Após ter sido posto em liberdade, Tinda voltou a ameaçar a ex-esposa e ateou fogo na residência. A mulher conseguiu fugir sem ferimentos.

De acordo com a delegada Carla Ivani de Brito, que investiga o crime de violência doméstica,  um novo inquérito policial foi aberto contra o presidiário, pelos crime de incêndio na casa da ex-mulher e ameaças de morte. Ainda segundo a delegada, o pedido de prisão preventiva já tinha sido feito.

“Ele é uma pessoas perigosa, tem várias passagens pela polícia, não poderia ter sido solto. Agora além de cumprir pelos crimes que já foi condenado, vai responder por esses outros dois crimes que cometeu após sair do presídio”, destacou a delegada.

Diante do equívoco cometido pelo diretor substituto, o próprio diretor do presídio, Marqueones Santos, em parceria com as polícias Civil e Militar, passou a investigar o presidiário. Na última sexta-feira (29), conseguiu localizar Tinda em uma residência no bairro João Alves, próximo ao Centro da cidade, jogando baralho.

“Já estava monitorando ele há vários dias, mas não conseguia prendê-lo. Desta vez deu sorte, conseguiu localizá-lo e pedi o reforço das polícias porque na residência tinha várias pessoas”, explicou o diretor.

O reeducando foi levado novamente ao presídio onde vai cumprir o restante pelos crimes cometidos em regime fechado.

Comentários