O deputado federal e pré-candidato a vice-governador na chapa de Gladson Cameli (PP), Wherles Rocha (PSDB), entrou com representação junto ao Ministério Público Estadual (MPE) para retirar do ar propaganda do governo Sebastião Viana (PT) que responsabiliza o presidente Michel Temer (MDB) e as facções criminosas pela crise de violência por que passa o Acre nos últimos anos.

No pedido, Rocha diz que a campanha publicitária usa de “informações maquiadas” para passar à sociedade uma falsa sensação de segurança. A propaganda é protagonizada por agentes da segurança que culpam a falta de proteção nas fronteiras – área de responsabilidade do governo federal – e a disputa pelo tráfico entre facções criminosas como responsáveis pela violência nas cidades acreanas.

“A peça publicitária trabalha com a existência de dois tipos de homicídios: O Comum, que estaria em franca queda, e os homicídios ocorridos por conta do tráfico de drogas. Dessa forma, o Governo do Estado do Acre distorce estatísticas e declara que a violência no Estado está com viés de baixa. Isolando os “homicídios comuns” dos homicídios ocorridos pelo tráfico”, explica o deputado federal na petição.

Para Rocha, o governo deixou de citar nos comerciais os problemas internos estruturantes das polícias. Ele aponta como exemplo a falta de armamento e combustível, coletes vencidos e a ausência de fardamento.

No pedido para que o MP ajuíze ação contra o governo na Justiça, Rocha apresenta dados que contestariam os números oficiais sobre redução nos índices de criminalidade.

“Até 2015, a taxa de homicídio de Rio Branco era equivalente à do conjunto das capitais do Brasil – 34 por 100 mil habitantes. No ano seguinte, saltou para 62 por 100 mil, colocando Rio Branco entre as cinco capitais mais violentas do país. Para comparação, a taxa de São Paulo é inferior a 15 por 100 mil”, diz o deputado.

O tucano ainda acusa o governo de reduzir o orçamento das forças de segurança – incluindo a inteligência – e ampliar os gastos com publicidade.

O tucano pede que sejam abertas investigações cível e criminal para apurar responsabilidades em torno do material publicitário. Comprovadas possíveis irregularidades, Rocha pede que haja o ressarcimento aos cofres públicos pelos valores gastos com a veiculação dos comerciais.

Procurada, a secretaria de Comunicação do governo, Andrea Zílio, informou que não iria fazer comentários sobre a ação impetrada por Wherles Rocha.

Comentários