Saboia volta ao trabalho no dia 1º de outubro, diz Itamaraty

Diplomata organizou operação que trouxe senador da Bolívia ao Brasil. Nesta quinta, Saboia encaminhou pedido para retomar atividades. Da redação, com G1 O diplomata Eduardo Saboia vai voltar ao trabalho...

Diplomata organizou operação que trouxe senador da Bolívia ao Brasil.
Nesta quinta, Saboia encaminhou pedido para retomar atividades.

Eduardo SaboiaDa redação, com G1

O diplomata Eduardo Saboia vai voltar ao trabalho no dia 1º de outubro, informou o Itamaraty.  Nesta quinta-feira (12) Saboia entrou com um pedido no ministério para retomar as atividades, segundo informou seu advogado, Ophir Cavalcante Júnior. Saboia foi transferido do posto que ocupava na embaixada  brasileira na Bolívia após ter admitido que organizou a operação que trouxe ao Brasil o senador boliviano Roger Pinto Molina, asilado havia mais de um ano na representação brasileira em La Paz.

O caso criou um desconforto diplomático entre os dois países, já que não havia autorização do governo boliviano para Molina deixar a embaixada em La Paz,  e culminou na saída do então ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota.

Após o episódio, Saboia, que era encarregado de negócios da embaixada na Bolívia, foi transferido para a para a Secretaria de Estado, que tem sede em Brasília. Uma sindicância interna foi aberta no Itamaraty para apurar o envolvimento de Saboia na vinda ao país do senador boliviano.

Desde então, ele não vem exercendo atividades de diplomata, segundo Cavalcante. O Itamaraty informou que Saboia estava em trânsito (período variável de adaptação quando um servidor é transferido).

Um depoimento que o diplomata daria nesta quinta pela manhã no ministério sobre o caso foi cancelado pelo próprio Itamaraty. A suspensão se deu após o advogado de Saboia requerer todos os documentos, como e-mails e notas, trocados entre o ministério e a embaixada em La Paz. “Esses documentos são essenciais para a defesa dele”, afirmou Cavalcante Junior.

Não há prazo para um novo depoimento nem para quando esses documentos serão entregues.

A comissão que investiga o caso no Itamaraty é formada por dois embaixadores e um servidor da Corregedoria Geral da União (CGU). Se condenado, Saboia pode receber punições que vão desde uma advertência à demissão do ministério. Se inocentado, ainda não se estabeleceu onde ele voltará a exercer as atividades.

Histórico
Até agosto, Saboia era o encarregado de negócios da embaixada do Brasil em La Paz e responsável por supervisionar Molina dentro do prédio. No dia 22 do mês passado, o diplomata transportou Molina de carro de La Paz, passando pelas cidades de Santa Cruz de la Sierra e Cochabamba, ao Brasil, com chegada em Corumbá (MS). O caso criou uma crise diplomática entre os dois países e culminou na saída do então ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota.

Segundo o senador boliviano durante depoimento na Justiça Federal em Brasília nesta quarta (11), ele refugiou-se na embaixada a pedido de familiares após temer ser assassinado por narcotraficantes que teriam ligação com integrantes do governo de Evo Morales. Molina estava num quarto de 16 metros quadrados há 455 dias.

“Não fazia exercício, já não podia me concentrar, havia perdido peso. Havia entrado em depressão, fruto desse processo. Reduziram minhas visitas a uma filha que tenho de cerca de um ano, um advogado e um ajudante que me levava frutas”, ressaltou.

Comentários