Conecte-se conosco

Geral

Saúde discute fluxo de dados e notificações de síndromes gripais

Publicado

em

Em virtude do aumento exponencial de atendimentos relacionados a doenças respiratórias, o governo do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), realizou uma reunião na última quarta, 22, com o objetivo de traçar as ações que vão ser tomadas quanto ao fluxo de atendimento, notificação e coleta de material para exames relacionados a essas doenças nas unidades de saúde.

Estiveram presentes na reunião ocorrida no gabinete da secretária Adjunta de Atenção à Saúde, Adriana Lobão; a gerente de Assistência do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), Janaína Mazzaro; o chefe do Departamento de Vigilância em Saúde, Gabriel Mesquita; a chefe da Divisão de Vigilância Epidemiológica (DVE), Gerines Arruda; e a representante do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS), Milena Lopes.

Autoridades definiram ações que vão ser tomadas após o aumento de atendimentos relacionados a síndrome gripal. Foto: Odair Leal/Secom

O principal ponto de discussão da reunião foi o Sistema de Vigilância Epidemiológica (Sivep-Gripe), que recebe as notificações de síndrome gripal e está inoperante em virtude do ataque hacker que derrubou os servidores de dados do Ministério da Saúde (MS). “O sistema está inoperante e já vinha apresentando problemas antes da queda dos servidores. A principal consequência é não poder cadastrar notificações e extrair os dados necessários”, comenta Gabriel Mesquita.

Sem previsão para o reestabelecimento do Sivep-Gripe, a Sesacre orientou as vigilâncias municipais das unidades a realizarem as notificações de forma manual, o que significa que as informações serão registradas em planilhas e encaminhadas para o DVE do estado.

A medida foi tomada para que o Estado tenha o controle sobre o cenário epidemiológico dentro dos municípios e que possa intervir, se necessário, com as ações de vigilância e monitoramento.

“Nós temos orientado as unidades de saúde por meio de notas técnicas, dando todo o suporte necessário e, além disso, buscamos ter o quanto antes as informações relacionadas aos atendimentos, para podermos definir a melhor forma de atuar, bem como ter a possibilidade de realmente dizer que tipo de gripe está circulando no estado”, conclui Mesquita.

Comentários

Geral

Após negarem atendimentos, médicos suspendem greve em Rio Branco

Publicado

em


Os médicos da rede básica de Rio Branco decidiram suspender temporariamente a greve deflagrada no final de 2021. A justificativa para a decisão, segundo o Sindicato dos Médicos do Acre, é a sensibilidade humanitária em razão do surto de gripe e Covid. A suspensão vai durar, inicialmente, 10 dias.

Segundo o presidente o sindicado, médico Guilherme Pulici, o momento é de união, buscando apoiar colegas que estão na linha de frente, sendo que parte acabou se contaminando pela Ômicron, a nova variante do coronavírus (Covid-19). “É uma demonstração de boa vontade da classe que, sensibilizada, escolheu suspender o movimento”.

Pulici diz isso porque nas ultimas semanas, com o aumento de casos da Covid-19, vário médicos estão sendo contaminados, o que, consequentemente, reduz a quantidade de profissionais dentro das unidades de saúde , justamente em razão da greve. A justiça determinou 90% dos profissionais precisavam trabalhar, logo, 10% se reveza.

A greve por tempo indeterminado, iniciada no dia 13 dezembro, foi motivada pela falta de negociação por parte da prefeitura de Rio Branco. Com a suspensão do movimento, a partir desta quarta-feira, 18, a classe espera que Bocalom possa seguir o mesmo espírito humanitário e apresentar de forma oficial uma contraproposta. A próxima assembleia já tem data marcada: dia 27 de janeiro.

Comentários

Continue lendo

Geral

Auxílio Brasil 2022 já está na conta dos beneficiários

Publicado

em


Mais de 17,5 milhões de famílias serão contempladas, de acordo com o Ministério da Cidadania. Benefício mínimo será de R$ 400

A Caixa Econômica Federal começou a pagar o Auxílio Brasil de 2022 aos beneficiários nesta terça-feira (18). O programa substituto do Bolsa Família deve atender 17,5 milhões de famílias, de acordo com o governo federal. Vão receber primeiro as pessoas inscritas no Cadastro Único (CadÚnico) cujo Número de Identificação Social (NIS) tenha final 1.

Na quarta-feira (19) será a vez dos beneficiários com NIS final 2 receberem o auxílio. A rodada de pagamentos referente ao mês de janeiro será paga até o dia 31. Cada família vai receber, no mínimo, R$ 400. Segundo o Ministério da Cidadania, o gasto para o pagamento dessa parcela supera os R$ 7,1 bilhões.

O ministro da pasta, João Roma, destaca que o novo programa de transferência de renda já começa com reajuste de 17%, o que vai ajudar a minimizar o impacto da inflação sobre o bolso das famílias. Segundo o IBGE, a inflação acumulada nos últimos 12 meses é de 10,06%.

“Um programa [Bolsa Família] que tinha um tíquete médio na casa de R$ 189, passa a ter um tíquete mínimo de R$ 400, ampliando a base de beneficiários. Tem todo um suporte a esses brasileiros que podem, sem dúvida nenhuma, através disso servir de sustentação para uma economia que precisa aquecer, retomar a estrutura para gerar emprego e fazer com que o Brasil avance cada vez mais”, afirma.

Auxílio Brasil: saiba mais sobre o novo programa social do governo

Projeto de lei que destina R$ 300 mi ao Auxílio Gás é sancionado

O programa

O Auxílio Brasil é dado às famílias que estão na extrema pobreza, ou seja, têm renda mensal de até R$ 100 por pessoa, e na pobreza, cuja renda per capita seja de até R$ 200 por mês. As famílias que estavam inscritas no antigo Bolsa Família migraram automaticamente para o novo programa em novembro do ano passado. Para sacar o benefício elas podem continuar usando o mesmo cartão e a mesma senha.

Quem não recebia Bolsa Família, mas se encaixa nos critérios para receber o auxílio precisa se inscrever no CadÚnico. O ministro da Cidadania, João Roma, disse que o Auxílio Brasil interliga outros programas sociais ao principal, de transferência de renda. Saiba mais sobre cada benefício aqui. Além disso, ele acredita que o novo programa social corrige erros da iniciativa anterior.

“Não se trata apenas do valor do tíquete médio, mas de uma outra ferramenta, que vai além da proteção social, mas também mostrando a possibilidade de transformação social. No Bolsa Família, quando o beneficiário assinava a carteira de trabalho, ele perdia o benefício. Já no Auxílio Brasil ele é estimulado a assinar a carteira e tem um mínimo de permanência de dois anos no programa, ou seja, perde o medo de ficar sem sua proteção social”, compara.

Newton Marques, professor de economia na Universidade de Brasília (UnB), diz que apesar do aumento do benefício na comparação com o Bolsa Família, o valor mínimo de R$ 400 ainda é insuficiente para uma família se sustentar, principalmente por conta da inflação, mas ajuda. “Do ponto de vista de que como estava funcionando na pandemia, o auxílio com R$ 600 era mais interessante, porque isso daí ajudava a manter essa família. Agora fica mais difícil, mas é muito melhor do que nada”, avalia.

Para Ana Noivá da Silva Soares, moradora de Quiterianópolis (CE), no entanto, o acesso ao novo programa social fez a renda da família aumentar consideravelmente. Antes, a dona de casa, que é casada e tem três filhas, recebia R$ 89 do Bolsa Família, Agora, ela conta, ganha R$ 400 por mês pelo Auxílio Brasil.

“É muito bom. Graças a Deus que aumentou, porque como as coisas estão muito caras, R$ 89 não dava pra fazer nada, nem para pagar a energia. Agora está bem melhor. Dá para a gente se virar melhor. Dá uma ajudinha boa. Não dá para comprar tudo, mas com o que a gente colhe na roça de legumes, o que sobra dá para pagar as contas”, diz.

Comentários

Continue lendo

Geral

Asteroide classe Apolo se aproxima da Terra e poderá ser observado

Publicado

em

Fenômeno só voltará a acontecer em cerca de 200 anos

Ilustração Asteroid Psyche

 

O asteroide 1994 PC1 passará a apenas a 1,98 milhão de quilômetros (km) da Terra hoje (18), de acordo com a agência aeroespacial norte-americana Nasa. Considerado um asteroide classe Apolo (aqueles que têm órbita próxima à Terra e que apresentam chance remota de colidir com o planeta), o bólido tem 1,1 km de extensão – praticamente o dobro do arranha-céu Empire State Building, por exemplo – e causaria estragos consideráveis caso estivesse em rota direta de colisão.

O asteroide, que é objeto de estudos de especialistas em defesa planetária há décadas, poderá ser observado nos céus a partir de 18h50, informou a Nasa, a agência espacial dos Estados Unidos. Não será possível observar o fenômeno a olho nu. O Projeto Telescópio Virtual 2.0, criado por um observatório italiano, acompanhará ao vivo a trajetória do 1994 PC1.

Veja o streaming aqui:

Existem mais de um milhão de asteroides conhecidos pela humanidade, identificados e catalogados em índices astronômicos científicos. Segundo a Nasa, não há chance alarmante de colisão com nenhum asteroide de grande porte conhecido.

Comentários

Continue lendo

Em alta