Dados oficiais revelam que 85 pessoas foram assassinadas até o momento. O número é superior em 9% em relação ao mesmo período do ano passado.

 

Dados oficiais revelam que 85 pessoas foram assassinadas até o momento. O número é superior em 9% em relação ao mesmo período do ano passado.   Dados oficiais da Secretaria de Segurança do Estado revelam que até o dia 12 de maio deste ano, 85 pessoas foram vítimas de homicídio no Acre. O número é superior em 9% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 78 casos de homicídio. No levantamento feito pela Secretaria, Rio Branco aparece em primeiro lugar com 52 registros. Cruzeiro do Sul, que em tese seria a segunda no ranking, aparece em quarto, seguido de Tarauacá e Porto Acre, com 06 e 05 homicídios, respectivamente,  registrados até o dia 12 deste mês. O informativo indica ainda que em Assis Brasil, Santa Rosa, Bujari e Jordão não houve nenhum homicídio  este ano até o momento. Os números oficiais revelam ainda que a quantidade de homicídios vem aumentando nos últimos quatro anos. Em 2011, primeiro ano da gestão de Sebastião Viana foram  registrados 138 homicídios. Em 2012, esse número subiu para 177, e em 2013 foram 196. Apesar da crescente onda de homicídios, o secretário de Segurança, Reni Graebner, não vê falha no sistema do setor para combater a criminalidade. Para ele, o aumento nesses registros se deve ao “desenvolvimento econômico do Acre” no últimos anos. “Não é uma questão de falha. A criminalidade tem se intensificado. A gente percebeu que o desenvolvimento econômico do estado cresceu e a criminalidade vê a oportunidade também nesse aspecto. Há também o próprio crescimento da população. Mas a polícia tem trabalhado dia e noite”, diz. O secretário disse ainda que nas últimas duas semanas houve uma redução no registro de homicídios, o que já mostra que o trabalho intensificado das polícias vem dando certo. “Nesses últimos 15 dias nós temos a redução de homicídios aumentando o trabalho”. Nesta terça-feira, pela manhã, Reni Graebner irá conceder entrevista coletiva para comentar os números e anunciar novas medidas de combate a criminalidade no Acre.
Reni Graebner irá conceder entrevista coletiva para comentar os números

Da redação, com ac24horas

Dados oficiais da Secretaria de Segurança do Estado revelam que até o dia 12 de maio deste ano, 85 pessoas foram vítimas de homicídio no Acre. O número é superior em 9% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 78 casos de homicídio.

No levantamento feito pela Secretaria, Rio Branco aparece em primeiro lugar com 52 registros.

Cruzeiro do Sul, que em tese seria a segunda no ranking, aparece em quarto, seguido de Tarauacá e Porto Acre, com 06 e 05 homicídios, respectivamente,  registrados até o dia 12 deste mês.

O informativo indica ainda que em Assis Brasil, Santa Rosa, Bujari e Jordão não houve nenhum homicídio  este ano até o momento.

Os números oficiais revelam ainda que a quantidade de homicídios vem aumentando nos últimos quatro anos. Em 2011, primeiro ano da gestão de Sebastião Viana foram  registrados 138 homicídios. Em 2012, esse número subiu para 177, e em 2013 foram 196.

Apesar da crescente onda de homicídios, o secretário de Segurança, Reni Graebner, não vê falha no sistema do setor para combater a criminalidade. Para ele, o aumento nesses registros se deve ao “desenvolvimento econômico do Acre” no últimos anos.

“Não é uma questão de falha. A criminalidade tem se intensificado. A gente percebeu que o desenvolvimento econômico do estado cresceu e a criminalidade vê a oportunidade também nesse aspecto. Há também o próprio crescimento da população. Mas a polícia tem trabalhado dia e noite”, diz.

O secretário disse ainda que nas últimas duas semanas houve uma redução no registro de homicídios, o que já mostra que o trabalho intensificado das polícias vem dando certo. “Nesses últimos 15 dias nós temos a redução de homicídios aumentando o trabalho”.

Nesta terça-feira, pela manhã, Reni Graebner irá conceder entrevista coletiva para comentar os números e anunciar novas medidas de combate a criminalidade no Acre.

Comentários