Jacques Wagner, ex-chefe do gabinete pessoal de Dilma(Felipe Dana/AP)
Jacques Wagner, ex-chefe do gabinete pessoal de Dilma(Felipe Dana/AP)

Na derradeira manhã do governo Dilma, quando as equipes do cerimonial e segurança do Palácio do Planalto instalavam grades e detectores de metal para organizar os espaços onde militantes, jornalistas e autoridades públicas ouviriam o discurso de despedida, o ex-ministro Jaques Wagner (PT) tentou interferir e foi desautorizado pelo comando da guarda militar. Ex-chefe do gabinete pessoal de Dilma, Wagner queria autorizar a entrada de cerca de cem mulheres para abraçar Dilma e levar flores.

Segundo um funcionário da Presidência responsável pelo contato com movimentos sociais, Wagner ouviu do novo comandante a seguinte frase: “O senhor já não é mais ministro”. De fato, ele havia sido exonerado na véspera pela presidente.

Da Veja – Felipe Frazão, de Brasília

Comentários