Senador boliviano Yerko Núñez denunciou o caso e revelou que a cidadã brasileira foi condenada a três anos de cadeia, cumprindo no presídio de Rurrenabaque, região do estado de Beni, está sem assistência de um advogado de defesa. Autoridade pediu intervenção do governo

Uma mulher de nacionalidade brasileira, de 21 anos de idade, foi sentenciada com pena de três anos a ser cumprido no presídio de presídio de Rurrenabaque, região do estado de Beni, sem que tivesse assistência de um Defensor Público.

O senador boliviano Yerko Núñez, do partido Unidade Democrática (UD), denunciou o caso e está pedindo a intervenção das autoridades do Ministério do Governo. Segundo o meio de comunicação Rio Tv Amazônica, conseguiu um testemunho da vítima.

“Engravidei uma vez, mas foi me dado pílulas para abortar”, relatou e identificou cerca de sete agentes que lhe assediam constantemente, inclusive lhe apontando uma arma de fogo.

Nuñez contou que a vítima foi acusada de roubo e teria que devolver o dinheiro, sendo condenada a três anos de reclusão, sem que tivesse defesa de um advogado, violando o direito a defesa.

A mulher de 21 anos, identificada como Eva C. A., não tem contato com seus parentes e presa a um ano, vem sofrendo abusos sexuais. Segundo o Senador, esteve reunido com autoridades locais, onde um Fiscal reconheceu que a mulher foi sentenciada sem ter defesa pública, para em seguida ser transferida ao presídio da localidade.

Uma carta foi enviada ao Embaixador do Brasil, Octavio Enrique Díaz Garcia Cortés, junto com um vídeo mostrando o testemunho da brasileira para que tomem atitudes sobre o assunto e seja feita sua defesa.

“Está detida a mais de um ano no presídio, não teve defesa pública e denuncia que violações de seus direitos e violação sexual quase todas a noites em sua cela”, destacou o Senador.

Fonte: La Razon - Tradução: Alexandre Lima

 

 

 

 

Comentários