Conecte-se conosco

Brasil

Sequestro de mãe e filha após roubo de Hilux mobiliza cidade e PM de folga consegue interceptar veículo em Porto Velho

Publicado

em

Suspeitos perderam controle da caminhonete enquanto tentavam fugir de policial à paisana — Foto: WhatsApp/Reprodução

No caminho, o policial também passou na casa de um amigo PM, que também os acompanhou na busca por mãe e filha. Enquanto, trafegavam pelas ruas do bairro Monte Sinai, na rua Genebra, o policial de folga viu a possível caminhonete roubada.

Inicialmente não foi possível ver a placa, e então o policial pediu para a esposa acelerar o carro e chegar mais perto da caminhonete. O PM então conseguiu confirmar que se tratava do mesmo veículo roubado com mãe e filha.

Diante da confirmação, o agente de folga fez o contato com um terceiro policial, de plantão no grupo “Tático”.

Enquanto o policial de folga avisava o colega de plantão, o suspeito na Hilux percebeu que estava sendo seguido e acelerou para tentar fugir.

Em alta velocidade, o criminoso que conduzia a caminhonete perdeu o controle do veículo e colidiu com uma árvore na calçada.

O suspeito então desceu da caminhonete e começou a atirar contra o policial de folga, que revidou com quatro disparos enquanto tentava fugir. O suspeito, segundo o PM, logo depois pulou um muro, o que dificultou saber para onde ele tinha ido.

A esposa do policial ouviu os disparo, manobrou o carro e saiu do local. Instante depois, ela encontrou uma guarnição de PM e informou sobre a troca de tiros entre seu marido e o suspeito do roubo.

A viatura que ela manteve contato era CPOC e, após ouvir o relato, um PM tentou cercar o assaltante indo pela rua logo atrás do muro que ele tinha pulado.

Enquanto isso, o policial de folga esperou alguns instantes para ver se as vítimas desciam da caminhonete, caso estivessem lá dentro, mas ninguém desceu. Ele decidiu se aproximar, com cautela, e constatou que o veículo estava vazio.

Diante daquela situação, ele enviou mensagens nos grupos de WhatsApp para pedir apoio e várias viaturas começaram a chegar.

No interior da caminhonete foi encontrado um celular e, na tela de proteção do aparelho, havia a foto de um homem, que depois foi confirmado pelos policiai como sendo o suspeito do roubo. A foto do suspeito foi publicada em grupos de WhatsApp na tentativa de localizá-lo.

Nesse momento, a guarnição da PM recebeu a informação pelo CIOP de que a mulher e a criança desaparecidas estavam em uma residência.

Uma mulher de 40 anos e uma criança de um ano e sete meses foram mantidas privadas de liberdade durante um roubo de uma caminhonete na noite de segunda-feira (17) em Porto Velho. O sumiço de mãe e filha ganhou imediata repercussão nas redes sociais, e uma mega mobilização se iniciou na cidade.

Segundo a Polícia Militar (PM), criminosos planejaram o crime com o intuito de levar algum veículo para Guajará-Mirim (RO). Quando estavam na Zona Sul, eles decidiram render uma caminhonete Hilux, que era conduzida pela mulher.

Os suspeitos, armados, não permitiram que a motorista descesse do veículo e fugiram levando a mãe e bebê. Logo depois do roubo, um dos criminosos ligou para o esposo da vítima e pediu R$ 8 mil de resgate.

A polícia então soube do assalto com desaparecimento de vítimas e os familiares, utilizando a internet, começaram a pedir ajuda para localizar mãe e filha.

Sem farda policial

Após saber pelo WhatsApp que uma mãe e uma criança tinham sido levadas por criminosos, um policial militar de folga ficou comovido e chamou a esposa para dar uma volta de carro, no bairro, no intuito de ver alguma movimentação suspeita ou se encontrava a Hilux roubada.

No caminho, o policial também passou na casa de um amigo PM, que também os acompanhou na busca por mãe e filha. Enquanto, trafegavam pelas ruas do bairro Monte Sinai, na rua Genebra, o policial de folga viu a possível caminhonete roubada.

Inicialmente não foi possível ver a placa, e então o policial pediu para a esposa acelerar o carro e chegar mais perto da caminhonete. O PM então conseguiu confirmar que se tratava do mesmo veículo roubado com mãe e filha.

Diante da confirmação, o agente de folga fez o contato com um terceiro policial, de plantão no grupo “Tático”.

Enquanto o policial de folga avisava o colega de plantão, o suspeito na Hilux percebeu que estava sendo seguido e acelerou para tentar fugir.

Em alta velocidade, o criminoso que conduzia a caminhonete perdeu o controle do veículo e colidiu com uma árvore na calçada.

O suspeito então desceu da caminhonete e começou a atirar contra o policial de folga, que revidou com quatro disparos enquanto tentava fugir. O suspeito, segundo o PM, logo depois pulou um muro, o que dificultou saber para onde ele tinha ido.

A esposa do policial ouviu os disparo, manobrou o carro e saiu do local. Instante depois, ela encontrou uma guarnição de PM e informou sobre a troca de tiros entre seu marido e o suspeito do roubo.

A viatura que ela manteve contato era CPOC e, após ouvir o relato, um PM tentou cercar o assaltante indo pela rua logo atrás do muro que ele tinha pulado.

Enquanto isso, o policial de folga esperou alguns instantes para ver se as vítimas desciam da caminhonete, caso estivessem lá dentro, mas ninguém desceu. Ele decidiu se aproximar, com cautela, e constatou que o veículo estava vazio.

Diante daquela situação, ele enviou mensagens nos grupos de WhatsApp para pedir apoio e várias viaturas começaram a chegar.

No interior da caminhonete foi encontrado um celular e, na tela de proteção do aparelho, havia a foto de um homem, que depois foi confirmado pelos policiai como sendo o suspeito do roubo. A foto do suspeito foi publicada em grupos de WhatsApp na tentativa de localizá-lo.

Nesse momento, a guarnição da PM recebeu a informação pelo CIOP de que a mulher e a criança desaparecidas estavam em uma residência.

Mulher e criança de um ano são sequestradas e suspeitos pedem resgata de R$8mil — Foto: WhatsApp/Reprodução

Relato da vítima aos policiais

Em contato com a mulher, no endereço informado pelo Ciop, a vítima disse aos policiais que por volta das 19h45 foi deixar a bebê na casa da nora. Nesse momento ela foi surpreendida por dois homens armados.

Sob ameaça e com medo de que os suspeitos fizessem algo “ruim” para a criança de 1 ano, ela se manteve calma, e eles então levaram as duas dentro da caminhonete.

A vítima disse aos policiais que, durante o percurso, ela ouviu que os suspeitos estavam em deslocamento para o Residencial Orgulho do Madeira para pegar outro homem, onde este levaria a caminhonete da vítima para Guajará-Mirim. Porém, não tiveram sucesso no plano inicial.

Os suspeitos, segundo a mulher, pararam em uma conveniência na rua Plácido de Castro e depois retornaram sentindo Zona Sul. Ao chegarem em um local com muito mato e terra, um dos suspeitos ordenou que a vítima se sentasse junto da filha. Depois de rodarem por mais de 1h30 pelas ruas, eles as soltaram.

A mulher disse que logo em seguida, na rua Magno Arsolino, encontrou com uma mulher que a ajudou e ofereceu a casa para ela ficar com a criança e se acalmar.

Regaste de R$ 8 mil

Enquanto a polícia não havia sido informada sobre a situação das vítimas, de acordo com o boletim de ocorrência, o esposo da mulher recebeu uma ligação no celular dele, onde um dos suspeitos pediu o valor de R$ 8 mil para liberar a mulher e a criança.

Segundo relatou o marido à PM, o suspeito estava “transtornado” e ele então decidiu entregar seu celular ao enteado, para que continuasse a negociação com os suspeitos.

Enquanto o enteado estava na ligação, na Avenida Mamoré, outra viatura da PM abordou um homem que tinha as características semelhantes com a da imagem do protetor de tela do celular deixado no interior da Hilux. Diante da abordagem, de imediato, o suspeito confessou ter participação no crime.

Prisão

Foi acionado a equipe de pericia da Policia Civil para fazer a coleta de digitais do suspeito para comparação com as deixadas na caminhonete. Mas diante dos fatos, foi dado voz de prisão ao suspeito e também foi informado seus direitos constitucionais e apresentado na Central de Flagrantes para providencias cabíveis.

Na delegacia, o homem reconheceu a voz do suspeito preso como sendo quem exigiu o dinheiro pela liberação da esposa e da filha.

Com as vítimas dentro do carro, eles se deslocaram até uma conveniência, na Avenida Plácido de Castro, mas resolveram fazer o retorno e seguiram para a Zona Sul da cidade, onde soltaram a mulher com a criança em uma estrada de chão.

Comentários

Brasil

Brasil tem 106 casos de varíola dos macacos confirmados

Publicado

em

Maioria dos casos foi registrada em São Paulo

 Por Camila Maciel

O Brasil tem 106 casos confirmados de varíola dos macacos (Monkeypox), segundo levantamento do Ministério da Saúde. A maioria (75) foi registrada em São Paulo. Em seguida, está o Rio de Janeiro, com 20 casos. 

Em Minas Gerais, foram três casos da doença. No Ceará, no Paraná e no Rio de Grande do Sul foram dois registros em cada estado. Há também confirmação de infecção pelo vírus no Distrito Federal e no Rio Grande do Norte, com um caso cada.

O órgão destacou que segue em articulação direta com os estados para monitoramento dos casos e rastreamento dos contatos dos pacientes. Isso é feito por meio da Sala de Situação e Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS Nacional).

O vírus

A varíola causada pelo vírus hMPXV (Human Monkeypox Virus, na sigla em inglês) causa uma doença mais branda do que a varíola smallpox, que foi erradicada na década de 1980.

Trata-se de uma doença viral rara transmitida pelo contato próximo com uma pessoa infectada e com lesões de pele. O contato pode ser por abraço, beijo, massagens ou relações sexuais. A doença também é transmitida por secreções respiratórias e pelo contato com objetos, tecidos (roupas, roupas de cama ou toalhas) e superfícies utilizadas pelo doente.

Não há tratamento específico, mas os quadros clínicos costumam ser leves, sendo necessários o cuidado e a observação das lesões. O maior risco de agravamento acontece, em geral, para pessoas imunossuprimidas com HIV/AIDS, leucemia, linfoma, metástase, transplantados, pessoas com doenças autoimunes, gestantes, lactantes e crianças com menos de 8 anos.

Os primeiros sintomas podem ser febre, dor de cabeça, dores musculares e nas costas, linfonodos inchados, calafrios ou cansaço. De um a três dias após o início dos sintomas, as pessoas desenvolvem lesões de pele, geralmente na boca, pés, peito, rosto e ou regiões genitais.

Para a prevenção, deve-se evitar o contato próximo com a pessoa doente até que todas as feridas tenham cicatrizado, assim como com qualquer material que tenha sido usado pelo infectado. Também é importante a higienização das mãos, lavando-as com água e sabão ou utilizando álcool gel.

Edição: Fábio Massalli

Comentários

Continue lendo

Brasil

Rússia diz que Griner pode recorrer ou pedir clemência após prisão

Publicado

em

Bicampeã olímpica pelos EUA foi detida em fevereiro em Moscou

Por Reuters – Londres (Inglaterra)

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse nesta quarta-feira (6) que a jogadora de basquete norte-americana Brittney Griner, que foi detida na Rússia por acusações de porte de drogas, pode recorrer de sua sentença ou pedir clemência assim que o veredicto for proferido.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores russo, Alexei Zaitsev, afirmou em um briefing: “O tribunal tem que primeiro dar seu veredicto, mas ninguém está impedindo Brittney Griner de usar o procedimento de apelação e também pedir clemência”.

“Tentativas de apresentar o caso como se a mulher americana estivesse detida ilegalmente não resistem a críticas”, acrescentou.

Em maio, o Departamento de Estado dos EUA classificou Griner como “detida injustamente”.

Griner, que jogava por um clube de Yekaterinburgo durante o período de intertemporada, foi presa no aeroporto de Sheremetyevo, em Moscou, em 17 de fevereiro por acusações de porte de drogas que podem levar a até dez anos de prisão.

A autoridade russa disse que cartuchos de óleo de cannabis, que são ilegais na Rússia, foram encontrados na bagagem de Griner. O julgamento dela começou na última sexta-feira (1).

Comentários

Continue lendo

Brasil

Crescem em todo país os casos de síndrome respiratória aguda grave

Publicado

em

Análise é da Fundação Oswaldo Cruz

Por Vladimir Platonow

Os casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) está crescendo, tanto nas tendências de longo prazo – últimas seis semanas – quanto de curto prazo – últimas três semanas. O dado foi divulgado nesta quarta-feira (6) no Boletim InfoGripe, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Os sinais de crescimento aparecem em mais estados das regiões Norte e Nordeste, tendência que se iniciou mais tarde em relação aos estados do Sudeste, Sul e Centro-Oeste. Em contrapartida, alguns estados do Sudeste e Sul (Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo) mantêm sinais de possível interrupção no aumento do número de casos, com formação de platô no mês de junho.

“Essa situação ainda está sem sinais claros de inversão para queda. No Paraná e no Rio Grande do Sul, por exemplo, observa-se tendência de retomada do crescimento em crianças, indicando que o cenário ainda é instável e exige cautela”, explicou o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe.

Dados referentes aos resultados laboratoriais por faixa etária seguem apontando para amplo predomínio do vírus Sars-CoV-2 (Covid-19), especialmente na população adulta. Nas crianças até 4 anos de idade, o aumento no número de casos de SRAG foi marcado por crescimento nos casos positivos para vírus sincicial respiratório (VSR) e leve subida nos casos de rinovírus e metapneumovírus. Nesse grupo, a presença de Sars-CoV-2 superou o volume de casos associados ao VSR nas últimas quatro semanas.

Embora não se destaque no dado nacional, o vírus influenza A (gripe) mantém sinal de crescimento em diversas faixas etárias no Rio Grande do Sul.

A análise indica que 20 das 27 unidades federativas apresentam sinal de crescimento na tendência de longo prazo (últimas seis semanas) até a SE 26: Acre, Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Roraima, Santa Catarina e Tocantins.

As demais unidades apresentam sinal de estabilidade ou queda na tendência de longo prazo.

Os dados completos podem ser acessados na página da Fiocruz na internet.

 

Edição: Fernando Fraga

Comentários

Continue lendo

Em alta