Senador progressista pelo Acre, Gladson Cameli.
Senador progressista pelo Acre, Gladson Cameli.
Gina Menezes

O superintendente do Departamento de Infraestrutura de Transporte (Dnit) no Acre, Thiago Rodrigues Gonçalves Caetano, negou na tarde de quinta-feira (20), que as informações de que o senador Gladson Cameli (PP) estaria fazendo lobby, manobrando politicamente, para que a Superintendência passasse uma obra de R$ 120 milhões para ser executada pelo governo do Acre.

Thiago confirmou que parte da obra, a construção da ponte, será executada pelo governo do Acre apenas por uma questão técnica. A denúncia da manobra que beneficiaria o governo foi feita pelo deputado estadual Luiz Gonzaga (PSDB), que frisou que a intenção é fazer com que o gordo recurso da obra seja gerido pelo Executivo estadual e que contava com o lobby de um “figurão” da bancada federal.

Conforme informações passadas por uma fonte ouvida pela Folha do Acre, o parlamentar em questão seria o senador Gladson Cameli.

Para Thiago, as denúncias não passam de disputa política e tentativa de manchar a atual gestão do orgão.

“Estão tentando fazer um palanque político em cima desse caso. Não há lobby feito pelo senador Gladson Cameli ou qualquer outro parlamentar. Desde que chegamos aqui o que mais temos feito é lutar contra qualquer tipo de ingerência política. As informações foram passadas de forma imprecisa”, disse.

A respeito da obra de construção da ponte ser repassada para o governo do Acre, Thiago diz que foi apenas por uma questão técnica.

“O tempo para acessar o recurso estava acabando e o Dnit não tinha mais tempo para fazer e, portanto, pensamos em convênios com outros orgãos, pensamos até mesmo na prefeitura daquela cidade, mas era inviável, foi aí que surgiu o convênio com o governo”, disse.

Thiago afirma que toda aproximação do senador Cameli com a Superintendência do Dnit teve como finalidade apenas defender a coletividade.

“O senador Gladson se aproximou muito do Dnit porque ele escolheu a infraestrutura como carro chefe do mandato dele”, disse.

Comentários