Conecte-se conosco

Acre

Talibã diz às mulheres que fiquem em casa, pois soldados ‘não são treinados’

Segundo o grupo, os soldados “sempre mudam e não são treinados” para respeitar as mulheres

Publicado

em

Mulheres no Afeganistão temem pelo futuro, relembrando a opressão exercida pelo Talibã no passado
Divulgação

Zahid Mahmood da CNN

O medo está aumentando entre mulheres e meninas no Afeganistão depois que o Talibã orientou que ficassem em casa, admitindo que elas não estão seguras na presença dos soldados do grupo islâmico.

O porta-voz do Talibã, Zabiullah Mujahid, disse em entrevista coletiva na terça-feira (24) que, para sua própria segurança, as mulheres não deveriam trabalhar. A declaração mina esforços do grupo para convencer observadores internacionais de que Talibã seria mais tolerante com as mulheres do que no outro momento em que estiveram no poder.

A instrução veio no mesmo dia em que o Banco Mundial suspendeu o financiamento no Afeganistão — citando preocupações sobre a segurança das mulheres — e poucas horas depois de a ONU pedir uma “investigação transparente e imediata” em relatos de abusos de direitos humanos desde a tomada de poder do Talibã.

Mujahid disse que a orientação para ficar em casa seria temporária e permitiria ao grupo encontrar maneiras de garantir que as mulheres não sejam “tratadas de maneira desrespeitosa” ou “Deus me livre, que se machuquem”. Ele admitiu que a medida era necessária porque os soldados do Talibã “sempre mudam e não são treinados”.

“Estamos felizes por elas entrarem nos edifícios, mas queremos ter certeza de que não enfrentem nenhuma preocupação”, disse ele. “Portanto, pedimos-lhes que tirem uma folga do trabalho até que a situação volte ao normal e os procedimentos relacionados às mulheres estejam em vigor, então elas podem retornar aos seus empregos assim que for anunciado.”

Quando esteve no poder entre 1996 e 2001, o Talibã proibiu as mulheres de trabalharem, impediu-as de sair de casa desacompanhadas e obrigou-as a cobrir todo o corpo.

O grupo insiste em afirmar que sua nova era no comando será mais moderada, mas os líderes do Talibã se recusam a garantir que os direitos das mulheres não serão retirados. Muitas já enfrentaram violência no país.

Na declaração do Banco Mundial ao suspender o apoio financeiro ao Afeganistão, a porta-voz da instituição, Marcela Sanchez-Bender, expressou a preocupação com mulheres afegãs.

“Estamos profundamente preocupados com a situação no Afeganistão e o impacto nas perspectivas de desenvolvimento do país, especialmente para as mulheres”, disse.

Nessa terça, cinco mulheres da renomada equipe de robótica do Afeganistão chegaram ao México após receberem vistos humanitários.

Nos primeiros meses do ressurgimento do Talibã no Afeganistão, as mulheres ficaram cada vez mais isoladas da sociedade e muitas foram alvo de perseguições e ataques — incluindo o assassinato de três jornalistas em março.

No início de julho, os insurgentes entraram nos escritórios do Banco Azizi, no sul da cidade de Kandahar, e ordenaram que nove mulheres, que trabalhavam lá, saíssem. As bancárias foram informadas de que parentes do sexo masculino tomariam seu lugar.

Em meio à crescente preocupação da comunidade internacional, após uma reunião de emergência, as Nações Unidas pediram uma “investigação transparente e rápida” sobre os abusos dos direitos humanos “cometidos por todas as partes no conflito”.

Mas a agência foi criticada por uma série de organizações sem fins lucrativos por analisar sua linguagem após a adoção da resolução, inicialmente proposta pelo Paquistão.

John Fisher, diretor da Human Rights Watch, em Genebra, disse em um comunicado que a ONU “falhou em criar um forte órgão de monitoramento dos direitos humanos e cumprir sua responsabilidade de proteger o povo afegão”.

Ele afirma que a resolução “é uma bofetada na cara dos defensores dos direitos humanos e ativistas dos direitos das mulheres afegãos, que assistem com horror ao estado de direito desmoronar em torno deles”.

O Talibã também alertou na terça-feira que os EUA devem cumprir o prazo da próxima semana, dia 31 de agosto, para retirada do país e disseram que “não estão mais permitindo a evacuação de afegãos”, embora uma fonte familiarizada com a situação tenha dito à CNN nesta quarta-feira (25) que a aparente proibição ainda não havia teve um efeito perceptível nas chegadas ao aeroporto de Cabul.

A fonte disse que cerca de 1.000 pessoas estavam no aeroporto na manhã de hoje. Alguns afegãos locais prioritários receberiam ajuda nas próximas horas, embora alguns candidatos ao programa Visto de Imigrante Especial (SIV) — uma via para afegãos que trabalharam para as forças e agências dos EUA saírem do país — tenham que esperar.

A fonte também descreveu um processo delicado no qual as tropas americanas se coordenariam com o Talibã para permitir a entrada de apenas alguns veículos.

“O maior problema hoje e ontem são enormes grupos de imigrantes especiais evacuados aparecendo no portão comercial do sul pedindo para passar pelos postos de controle do Talibã sem coordenação prévia”, disse a fonte.

Aproximadamente 19.000 pessoas foram evacuadas do Afeganistão na terça-feira (24), incluindo 11.200 refugiados em voos militares dos EUA e 7.800 em voos da coalizão, disse um funcionário da Casa Branca.

Isso é um pouco menor em relação ao dia anterior, quando os EUA relataram que 21.000 pessoas foram retiradas do aeroporto de Cabul por meio de 37 voos militares dos EUA transportando 12.700 pessoas, além de 57 voos da coalizão com 8.900 pessoas.

Uma frenética operação de evacuação ocidental no aeroporto de Cabul forneceu a única oportunidade para muitos afegãos escaparem do país nos últimos dias, e as multidões fora das instalações aumentaram desde que o Talibã tomou o poder.

O presidente dos EUA, Joe Biden, reiterou que pretende cumprir o prazo de 31 de agosto para retirar as tropas do Afeganistão — contanto que o Talibã não interrompa as operações de evacuação em andamento ou o acesso ao aeroporto.

Comentários

Acre

Senadora Mailza anuncia pagamento de emenda de R$ 550 mil para compra de máquina de gelo à Colônia de Pescadores de Cruzeiro do Sul 

Publicado

em

Em 2019, a senadora esteve na Colônia e se comprometeu com o envio de recursos.

Parlamentar também garantiu R$ 270 mil para um caminhão e R$ 150 mil para caminhonete, ambos para Colônia de Pescadores; recursos, que somam quase R$ 1 milhão, já estão em licitação

A senadora Mailza (Progressistas-AC) confirmou nesta sexta-feira, 3, o pagamento de sua emenda parlamentar no valor de R$ 550 mil para a compra de uma máquina de fabricar gelo para a Colônia de Pescadores de Cruzeiro do Sul. A parlamentar também garantiu R$ 270 mil para um caminhão e R$ 150 mil para caminhonete, ambos para Colônia. Os investimentos somam cerca de R$ 1 milhão.

“O uso do gelo é peça-chave na conservação do pescado. Fico muito realizada em trabalhar para o bem-estar da nossa população e contribuir na melhoria da produção dos nossos pescadores. Esse é um investimento que vai suprir as necessidades, principalmente do pequeno produtor e isso me deixa muito feliz e realizada”, destacou Mailza.

A presidente da Colônia, Erinete Nascimento, comemorou e agradeceu o compromisso da senadora com os pescadores. “Essa é uma conquista muito grande para nós, pois vai aumentar a produção. Tem época que os pescadores passam de 3 a 4 dias na fila esperando por gelo, e quando consegue, a piracema tem passado e acaba perdendo a produção. Sem contar que teve pescador que já perdeu tudo que pescou, pois chegou na cidade, precisava de gelo e não tinha para armazenar. Em Cruzeiro só temos duas fabricas e infelizmente não atendem a demanda. Então essa fábrica ela não vai servir só para os pescadores, mas para a população em geral: vai aumentar a produção de peixe em Cruzeiro e com o aumento, o preço diminui. Vai ajudar o pescador, o consumidor,  vai ficar bom para todos”, afirmou a presidente.

Entre os seus 1,5 mil membros, 40% são mulheres. E, desse montante, cerca de 300 delas pegam suas embarcações e vão em busca do pescado que lhes garante o sustento do dia a dia.

Mailza visita a Colônia de Pescadores

Em 2019, início do mandato, a senadora esteve na Colônia de Pescadores do município com o presidente na época, Elenildo Nascimento – atualmente secretário municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento de Cruzeiro do Sul, dona Beatriz Cameli – viúva do ex-governador Orleir Cameli – e o prefeito Zequinha Lima – vice na época para tratar de ações e programas em defesa dos pescadores. Em 2021, esteve novamente reunida com pescadores na sede da colônia.

O presidente da Colônia em 2019, Elenildo Nascimento, mostra a senadora as estruturas da associação

“Me comprometi enviar  o recurso e hoje estou muito feliz em ver que está chegando para melhorar a estrutura para os pescadores trabalharem e potencializar a renda para milhares de famílias que vivem da pesca na região”, finalizou a parlamentar.

Comentários

Continue lendo

Acre

Colisão frontal entre ônibus e carreta deixa três pessoas mortas na BR-364

Publicado

em

Acidente aconteceu na manhã desta sexta-feira (3) em Presidente Médici. PRF diz que várias pessoas ficaram presas às ferragens.

Por G1 RO

Uma colisão frontal entre um ônibus e uma carreta deixou ao menos três pessoas mortas, na manhã desta sexta-feira (3), no km 284 da BR-364, entre Presidente Médici (RO) e Cacoal (RO).

Segundo informações preliminares da Polícia Rodoviária Federal (PRF), a colisão aconteceu perto da Casa da Uva e há várias vítimas com ferimentos graves no local, sendo que algumas ficaram presas às ferragens.

Até 8h40 (hora local), a polícia confirma ao menos três óbitos no acidente. Ainda não há informações sobre quem são as vítimas fatais.

Equipes de socorro estão no local da colisão entre o ônibus e a carreta e os feridos estão sendo encaminhados a hospitais próximos da região.

Ainda conforme a polícia, o tráfego de veículos na região está funcionando de forma parcial, com uma das pistas interditadas.

Reportagem em atualização*

Comentários

Continue lendo

Acre

No Pará, Gonzaga visita produção de açaí e debate com BASA incentivos para setor produtivo do Acre

Publicado

em

O primeiro-secretário da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Luiz Gonzaga (PSDB), está no estado do Pará para conhecer a produção de açaí, debater incentivos e investimentos para o setor produtivo da fruta no estado do Acre.

Na quinta-feira (2), Gonzaga, acompanhado do vice-presidente da Aleac, Jenilson Leite (PSB), prefeitos acreanos, secretários municipais e empresários, visitou um plantio de açaí em Castanhal, o município mais desenvolvido da Região Nordeste do Pará e o que apresenta o crescimento mais acelerado nas áreas de indústrias e comércio.

A comitiva acompanhou de perto as técnicas de cultivo e equipamentos usados para plantio, colheita e beneficiamento do açaí. A idéia é conhecer de perto o modelo de cadeia produtiva do açaí no Pará que será implementado no Acre.

“Nossa agenda aqui no Pará está sendo muito produtiva. O estado é considerado um dos mais avançados na produção de açaí. Quantos mais experiências adquirirmos será importante para implantarmos no Acre. Nosso objetivo é incentivar o povo acreano a investir no cultivo do açaí como mais uma ferramenta de desenvolvimento econômico”, disse.

Nesta sexta-feira (3), a comitiva acreana participou de reunião com o presidente do Banco da Amazônia (BASA) em Belém, Valdecir José de Souza Tose, para tratar sobre incentivos aos produtores de açaí do Acre.

“A pauta da reunião com o presidente do BASA foi sobre como o banco pode ajudar os produtores do açaí no estado, e quais linhas de crédito podem ser destinadas a eles. Vamos buscar incentivos para nossos produtores investirem nessa área que muito tem a contribuir para o crescimento do Acre”, concluiu Gonzaga.

Comentários

Continue lendo

Em alta