Conecte-se conosco

Acre

Talibã diz às mulheres que fiquem em casa, pois soldados ‘não são treinados’

Segundo o grupo, os soldados “sempre mudam e não são treinados” para respeitar as mulheres

Publicado

em

Mulheres no Afeganistão temem pelo futuro, relembrando a opressão exercida pelo Talibã no passado
Divulgação

Zahid Mahmood da CNN

O medo está aumentando entre mulheres e meninas no Afeganistão depois que o Talibã orientou que ficassem em casa, admitindo que elas não estão seguras na presença dos soldados do grupo islâmico.

O porta-voz do Talibã, Zabiullah Mujahid, disse em entrevista coletiva na terça-feira (24) que, para sua própria segurança, as mulheres não deveriam trabalhar. A declaração mina esforços do grupo para convencer observadores internacionais de que Talibã seria mais tolerante com as mulheres do que no outro momento em que estiveram no poder.

A instrução veio no mesmo dia em que o Banco Mundial suspendeu o financiamento no Afeganistão — citando preocupações sobre a segurança das mulheres — e poucas horas depois de a ONU pedir uma “investigação transparente e imediata” em relatos de abusos de direitos humanos desde a tomada de poder do Talibã.

Mujahid disse que a orientação para ficar em casa seria temporária e permitiria ao grupo encontrar maneiras de garantir que as mulheres não sejam “tratadas de maneira desrespeitosa” ou “Deus me livre, que se machuquem”. Ele admitiu que a medida era necessária porque os soldados do Talibã “sempre mudam e não são treinados”.

“Estamos felizes por elas entrarem nos edifícios, mas queremos ter certeza de que não enfrentem nenhuma preocupação”, disse ele. “Portanto, pedimos-lhes que tirem uma folga do trabalho até que a situação volte ao normal e os procedimentos relacionados às mulheres estejam em vigor, então elas podem retornar aos seus empregos assim que for anunciado.”

Quando esteve no poder entre 1996 e 2001, o Talibã proibiu as mulheres de trabalharem, impediu-as de sair de casa desacompanhadas e obrigou-as a cobrir todo o corpo.

O grupo insiste em afirmar que sua nova era no comando será mais moderada, mas os líderes do Talibã se recusam a garantir que os direitos das mulheres não serão retirados. Muitas já enfrentaram violência no país.

Na declaração do Banco Mundial ao suspender o apoio financeiro ao Afeganistão, a porta-voz da instituição, Marcela Sanchez-Bender, expressou a preocupação com mulheres afegãs.

“Estamos profundamente preocupados com a situação no Afeganistão e o impacto nas perspectivas de desenvolvimento do país, especialmente para as mulheres”, disse.

Nessa terça, cinco mulheres da renomada equipe de robótica do Afeganistão chegaram ao México após receberem vistos humanitários.

Nos primeiros meses do ressurgimento do Talibã no Afeganistão, as mulheres ficaram cada vez mais isoladas da sociedade e muitas foram alvo de perseguições e ataques — incluindo o assassinato de três jornalistas em março.

No início de julho, os insurgentes entraram nos escritórios do Banco Azizi, no sul da cidade de Kandahar, e ordenaram que nove mulheres, que trabalhavam lá, saíssem. As bancárias foram informadas de que parentes do sexo masculino tomariam seu lugar.

Em meio à crescente preocupação da comunidade internacional, após uma reunião de emergência, as Nações Unidas pediram uma “investigação transparente e rápida” sobre os abusos dos direitos humanos “cometidos por todas as partes no conflito”.

Mas a agência foi criticada por uma série de organizações sem fins lucrativos por analisar sua linguagem após a adoção da resolução, inicialmente proposta pelo Paquistão.

John Fisher, diretor da Human Rights Watch, em Genebra, disse em um comunicado que a ONU “falhou em criar um forte órgão de monitoramento dos direitos humanos e cumprir sua responsabilidade de proteger o povo afegão”.

Ele afirma que a resolução “é uma bofetada na cara dos defensores dos direitos humanos e ativistas dos direitos das mulheres afegãos, que assistem com horror ao estado de direito desmoronar em torno deles”.

O Talibã também alertou na terça-feira que os EUA devem cumprir o prazo da próxima semana, dia 31 de agosto, para retirada do país e disseram que “não estão mais permitindo a evacuação de afegãos”, embora uma fonte familiarizada com a situação tenha dito à CNN nesta quarta-feira (25) que a aparente proibição ainda não havia teve um efeito perceptível nas chegadas ao aeroporto de Cabul.

A fonte disse que cerca de 1.000 pessoas estavam no aeroporto na manhã de hoje. Alguns afegãos locais prioritários receberiam ajuda nas próximas horas, embora alguns candidatos ao programa Visto de Imigrante Especial (SIV) — uma via para afegãos que trabalharam para as forças e agências dos EUA saírem do país — tenham que esperar.

A fonte também descreveu um processo delicado no qual as tropas americanas se coordenariam com o Talibã para permitir a entrada de apenas alguns veículos.

“O maior problema hoje e ontem são enormes grupos de imigrantes especiais evacuados aparecendo no portão comercial do sul pedindo para passar pelos postos de controle do Talibã sem coordenação prévia”, disse a fonte.

Aproximadamente 19.000 pessoas foram evacuadas do Afeganistão na terça-feira (24), incluindo 11.200 refugiados em voos militares dos EUA e 7.800 em voos da coalizão, disse um funcionário da Casa Branca.

Isso é um pouco menor em relação ao dia anterior, quando os EUA relataram que 21.000 pessoas foram retiradas do aeroporto de Cabul por meio de 37 voos militares dos EUA transportando 12.700 pessoas, além de 57 voos da coalizão com 8.900 pessoas.

Uma frenética operação de evacuação ocidental no aeroporto de Cabul forneceu a única oportunidade para muitos afegãos escaparem do país nos últimos dias, e as multidões fora das instalações aumentaram desde que o Talibã tomou o poder.

O presidente dos EUA, Joe Biden, reiterou que pretende cumprir o prazo de 31 de agosto para retirar as tropas do Afeganistão — contanto que o Talibã não interrompa as operações de evacuação em andamento ou o acesso ao aeroporto.

Comentários

Acre

Qualidade de Vida: Adolescente com encefalopatia crônica recebe cadeira de rodas adaptada em Assis Brasil

Publicado

em

Visando promover a acessibilidade e a melhora da qualidade de vida das pessoas com deficiência, o governo do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), realizou, em dezembro do ano passado, a maior aquisição de cadeiras de rodas da história. De lá para cá, a distribuição do equipamento vem sendo realizada mediante ao fluxo de prioridades, beneficiando pessoas com problemas de locomoção de todos os municípios acreanos.

O governo adquiriu 563 cadeiras de rodas que estão sendo distribuídas pelo estado. Foto: cedida

Em Assis Brasil, um dos beneficiados foi o adolescente Max Fernando Cardoso, de 13 anos. Ele nasceu com encefalopatia crônica evolutiva e precisava do equipamento para que os pais o pudessem levar para a escola. A entrega foi feita pela secretária da pasta, Paula Mariano.

“Os pais do Max fizeram a solicitação junto à Rede da Pessoa com Deficiência da nossa secretaria. Juntou-se toda a documentação e no sábado, 22, estivemos lá para fazer a entrega. Sabemos da importância de uma cadeira adaptada como essa para pessoas como o Max, que agora, além de poder se locomover com a família, vai poder usufruir de uma qualidade de vida”, destacou Paula Mariano.

O jovem tem encefalopatia crônica evolutiva desde que nasceu. Foto: Odair Leal/Secom

Esse equipamento conta com encosto de cabeça, braços e pés, e seu assento é ajustável. Contribui diretamente em prol da saúde e do bem-estar do paciente a curto, médio, e longo prazo, permitindo adequar a postura, sustentar, retificar, corrigir, e prevenir dores, complicações, e outras doenças.

Comentários

Continue lendo

Acre

Jovem acreana é encontrada com corpo carbonizado próximo a rodovia de Brasília

Publicado

em

Katriny morava em Brasília com a tia, desde 2016, e trabalhava em uma loja de roupas

 

 

Com informações UOL e CONTILNET

A acreana Marina Paz Katriny, de 30 anos, foi encontrada morta, com o corpo carbonizado, numa região de mata da BR-070, em Brasília, no Distrito Federal, na quarta-feira (18).

A informação foi dada pelo tio da jovem, Carlos Alberto, à reportagem do site Ecos da Notícia. Ele só ficou sabendo da notícia nesta quinta-feira (19).

Katriny morava em Brasília com a tia, desde 2016, e trabalhava em uma loja de roupas.

Após ter sido localizado pela Polícia Civil, o corpo da jovem foi reconhecido por amigos a partir de imagens publicadas no site Correio Braziliense.

A polícia segue investigando o caso, mas o que foi dito em depoimento por uma das pessoas ligadas à vítima é que o seu namorado “era muito ciumento”, que os dois brigavam com frequência e já haviam terminado e reatado o relacionamento por diversas vezes.

Uma amiga de Marina explicou à polícia que fazia tempo que não a via e que a jovem já havia se relacionado com uma pessoa que lhe agredia fisicamente.

Amigos se despediram da vendedora nas redes sociais.

 

Comentários

Continue lendo

Acre

Professores da Ufac suspendem deflagração de greve, mas continuam com a mobilização

Publicado

em

Em assembleia realizada na manhã desta segunda-feira, 23, a Associação dos Docentes da Universidade Federal do Acre (Adufac), votou pela suspensão da deflagração de greve e aprovou a continuidade da mobilização, agora sem data específica de início da paralisação geral. A iniciativa teve a decisão ampla da maioria dos professores de Rio Branco e de Cruzeiro do Sul.

O resultado vai de acordo com a reunião que aconteceu dia 20 em Brasília (DF), com todas as entidades nacionais vinculadas ao Andes – Sindicato Nacional, que não confirmou o indicativo.

A categoria reivindica o reajuste emergencial dos salários do servidores públicos federais de 19,99%, a revogação do teto de gastos aprovado pelo Governo Federal, o término da tramitação da reforma administrativa e buscam melhores condições de trabalho para todos os funcionários nas instituições de ensino.

Os professores também discutiram a construção da próxima paralisação nacional, definida para o dia 28 deste mês, além do calendário das ações a serem realizadas em datas posteriores.

“Confirmamos aqui em assembleia, que iremos paralisar dia 28. Acho que é uma questão necessária, precisamos avaliar muito bem como está a nossa força para dar continuidade com mais potencialidade”, disse a presidente da Adufac, Letícia Mamed.

Comentários

Continue lendo

Em alta