Questionado se sua gestão não acompanha a administração da Dom Porquito, Tião Viana afirmou que o governo é apenas cotista e que as dívidas nada tem a ver com o Executivo.

Dom Porquito, fruto de uma parceria público-privada e que contou com um aporte financeiro de R$ 30 milhões do governo do Acre (Foto: Ascom)
Por Gina Menezes

O governador do Acre, Tião Viana (PT), reagiu de forma exasperada aos questionamentos da reportagem da Folha do Acre sobre o pedido de falência da empresa Dom Porquito, fruto de uma parceria público-privada e que contou com um aporte financeiro de R$ 30 milhões do governo do Acre, além de incentivos fiscais e outras benesses.

A reportagem da Folha do Acreentrevistou o governador Tião Viana (PT) na manhã desta sexta-feira (19) e ele reagiu de forma ríspida ao ser questionado sobre as dívidas da empresa Dom Porquito e sobre a necessidade do governo fiscalizar os investimentos feitos com recursos do contribuinte.

A respeito do pedido de falência da Dom Porquito, que possui uma dívida milionária com a empresa Pedra Norte, Tião afirmou que o assunto será discutido na Justiça e frisou que todas as empresas do mundo têm dívidas, inclusive as empresas geridas pelo capital privado, mas que contaram com generosos aportes do governo.

___________________________________

“Qual empresa do mundo não tem dívida? Me diga apenas uma empresa que não tem dívida? Essa da Pedra Norte vai ser discutida na Justiça que é o fórum legítimo”, disse o governador irritado.

Governador Tião Viana afirmou que o governo é apenas cotista e que as dívidas nada tem a ver com o Executivo (Foto: ilustrativa)

Questionado se sua gestão não acompanha a administração da Dom Porquito, em cumprimento a Lei 11.079/2014, que fala sobre o governo compartilhar riscos e fiscalizar o destino dos investimentos públicos, Tião Viana afirmou que o governo é apenas cotista e que as dívidas nada tem a ver com o Executivo.

 

_____________________________________

‘A Pedra Norte não é banco de fomento’, dispara Jarbas Soster sobre dívida da Dom Porquito

O empresário Jarbas Soster, diretor-presidente do grupo Pedra Norte, usou o Facebook para afirmar que levará as cobranças adiante (Foto: montagem)
Por Gina Meneses

Não é banco de fomento

Responsável por ações judiciais de cobranças contra empresas público-privadas, como Peixes da Amazônia e Dom Porquito, sendo que esta última já foi feito até o pedido de falência, o empresário Jarbas Soster, diretor-presidente do grupo Pedra Norte, usou o Facebook para afirmar que levará as cobranças adiante e mandou um recado ao governo e empresários dos quais o Executivo foi uma espécie de avalista.

“A Pedra Norte não é banco de fomento”, disparou o empresário, deixando bem claro que a torneira foi fechada e que a empresa dele não tem como objetivo capital fixo e de giro para empreendimentos.

Simples

A verdade é que Jarbas Soster está correto. A empresa dele é privada, não tem recursos públicos investidos nela e não há porque ele dar dinheiro para o governo. Se pegou emprestado tem que devolver, obviamente. Se há uma dívida que seja paga como manda a lei.

Grave

Grave essa denúncia a respeito da saúde econômica da empresa Dom Porquito que acabou te ter o pedido de falência feito pela credora deles, a Pedra Norte. É o dinheiro dos acreanos que está investido lá e não se sabe onde tudo isso vai parar.

Cadê?

Como o governo investe tanto dinheiro em um negócio e não acompanha a saúde econômica do investimento? Cadê o conselho gestor desse negócio?

Produtos Dom Porquito

 

Comentários