Dezenas de trabalhadores do Serviço de Água e Esgoto de Rio Branco (Saerb) ocuparam a sede do Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento (Depasa) na terça-feira, 11, em manifesto para cobrar melhorias nas condições de trabalho dos profissionais e reajustes da data-base e do vale alimentação, além de outras pautas. Organizado pelo Sindicato dos Urbanitários, o ato foi feito para pressionar o diretor do órgão, Zenil Chaves, para abertura de diálogo entre servidores e Direção.

O protesto iniciou na frente do Depasa com os manifestantes erguendo cartazes e verbalizando palavras de ordem. Depois, os trabalhadores entraram na sede do órgão – que administra o Saerb – para chamar a atenção dos gestores da instituição. Diretor do Sindicato dos Urbanitários, Mauricélio França lembrou que diversas manifestações como essa já foram feitas com as mesmas cobranças ao longo de vários governos, mas nunca são ouvidos.

“Desde o governo anterior fazemos manifestações para reivindicar nossos direitos. Já sentamos várias vezes, inclusive na nova administração, e não houve progresso algum. Há cinco anos não temos reposição dos índices inflacionários e data-base dos trabalhadores. Não conseguimos nem sentar com os administradores para saber se há uma perspectiva porque eles se fecham e nunca nos recebem. Também cobramos melhoria no abastecimento. Nossa luta continua”, disse França.

Auxiliar operacional de serviços do Saerb, Eliane de Lima lembrou que o movimento feito fortalece a categoria, demonstra união entre os trabalhadores e também reivindica melhoria na prestação de serviços. Ela pontuou que atualmente Rio Branco enfrenta um desabastecimento de água e deficiência no tratamento de esgoto. “Estamos lutando por nossos direitos e pelos da população. Aproveitamos o ato para lembrar que é obrigação a oferta de água nas residências”.

Apesar de ter tentado evitar os manifestantes, o diretor do Depasa, Zenil Chaves, foi pressionado pelos manifestantes e alegou para eles que a resolução do caso precisa passar pelo crivo da Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag). Segundo ele, diversas tentativas de reunião para tratar do assunto com a secretária Maria Alice foram recusadas e somente depois do posicionamento da gestora é que o departamento poderá dialogar sobre o reajuste de toda a classe.

Chaves garantiu aos manifestantes que a conversa com a secretária de Planejamento e Gestão será realizada ainda nesta semana e que um posicionamento será dado a eles até esta quarta-feira, 12, quando uma reunião entre Depasa, sindicato e trabalhadores deve ser feita. “Outra cobrança feita foi a segurança nas estações de tratamento e deixamos claro que a melhoria no sistema de abastecimento de água para os moradores de Rio Branco precisa ser feita com urgência”, finalizou Mauricélio França.

Comentários