Conecte-se conosco

Cotidiano

Vacina contra Covid-19 x vacina contra a gripe: o que você precisa saber

Publicado

em

Especialistas explicam quando os dois imunizantes podem ser tomados juntos e qual deles priorizar de acordo com o público-alvo

Ministério da Saúde recomenda tomar primeiro a vacina contra a Covid-19 e depois a vacina contra a gripe
Foto: Morsa Images

Camila Neumam, da CNN

A partir de 12 de abril, o Sistema Único de Saúde (SUS) inicia sua 23ª campanha de vacinação contra a gripe comum, ao mesmo tempo em que promove a vacinação em massa contra a Covid-19 em todo o país. Ambas as campanhas pretendem imunizar quase 80 milhões de pessoas, o que leva a um duplo desafio para as autoridades de saúde pública brasileiras.

O Ministério da Saúde pretende vacinar contra a gripe 90% dos públicos-alvo até 9 de julho.Além da grande escala, surgem dúvidas se há necessidade de se tomar os dois imunizantes, qual deles priorizar neste momento, e se o Brasil terá capacidade de manter a vacinação contra Covid-19 e gripe ao mesmo tempo sem causar aglomerações.

“É importante salientar que a campanha de vacinação contra a gripe vai começar com grupos que não são prioritários para Covid-19. Isso foi feito exatamente para desvincular uma campanha da outra”, afirma Juarez Cunha, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações.

A vacinação contra Covid-19, que começou em janeiro na cidade de São Paulo e depois se espalhou pelo país, desde então tem idosos de diferentes faixas etárias como público prioritário, já que, segundo estudos, são eles que correm o maior risco de desenvolver casos graves e morrer pela doença. Algumas cidades já começaram a também imunizar policiais e começarão a vacinar professores ainda em abril. Mas o ritmo da vacinação é diferente em estados e municípios em decorrência de falta ou atraso na entrega de doses vindo do Ministério da Saúde e das fabricantes, que dependem de insumos importados.

Neste contexto, entenda qual vacina se deve priorizar neste momento, se é possível tomar as vacinas em conjunto, e quem poderá tomar ambas as doses.

Qual vacina tomar primeiro?

Diante da gravidade da Covid-19 e da ausência de estudos sobre a coadministração das vacinas da gripe e da Covid-19, o Ministério da Saúde recomenda que se dê prioridade à vacinação contra a Covid-19, e somente depois tomar a vacina da gripe.“Para pessoas que fazem parte do grupo prioritário da vacinação contra influenza e que ainda não foram vacinadas contra a Covid-19 devem ser priorizadas as doses contra a Covid-19 e agendada a vacina contra a Influenza, respeitando um intervalo mínimo de 14 dias entre elas”, segundo nota do Ministério da Saúde.

Posso tomar as duas vacinas ao mesmo tempo?

Não é recomendado pelo Ministério da Saúde e por entidades de classe como a Sociedade Brasileira de Imunizações. Isso porque faltam estudos que comprovem a segurança e a eficácia das vacinas contra Covid-19 nessas situações, bem como para facilitar o monitoramento de eventos adversos pós-vacinação.Em nota enviada à SBIM, entretanto, o Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde, ressalta que a contraindicação não é absoluta. Em situações emergenciais, a exemplo da administração de soros antiofídicos ou vacina antirrábica para profilaxia pós-exposição, o intervalo mínimo preconizado (14 dias antes e depois) pode ser desconsiderado.De acordo com o presidente da SBIM, a vacina que protege contra a gripe pode ser tomada a qualquer momento, desde que seja respeitado o intervalo de 14 dias em relação às doses da vacina contra a Covid-19. Ele afirma que se o imunizante for aplicado depois da primeira dose da vacina de Covid-19, observando esse prazo, é preciso esperar mais 14 dias para receber a segunda dose da vacina contra o coronavírus.“Se a vacina usada for a Coronavac, para a qual o intervalo costuma ser de três semanas entre as doses, não haverá tempo para receber a vacina da gripe entre a primeira e a segunda dose. Neste caso é preciso esperar a conclusão do esquema de dose da vacina Coronavac”, explicou Cunha à CNN.

Por que é importante tomar as duas vacinas?

Tanto a Covid-19 quanto a gripe são doenças respiratórias causadas, respectivamente, pelos vírus Sars-Cov-2 e Influenza, transmitidas por contato respiratório e que inicialmente podem ter quadros muitos parecidos.“Sendo assim, todas as medidas que puderem ser tomadas para diminuir a incidência dessas doenças contribuirão para desafogar a rede de saúde, que já está bem comprometida pela situação da pandemia”, afirma Cunha.Para o presidente da Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVAC), Geraldo Barbosa, tomar a vacina da gripe pode evitar complicações da doença e evitar as idas e vindas a hospitais por causa disso. As clínicas particulares já estão comercializando a vacina desde o mês de março.“Imagina que já começamos a estação com hospitais lotados. Se eles ainda tiverem que lidar com mais casos de internação vai ser ainda mais complicado”, afirmou Barbosa em nota divulgada pela ABCVAC.

O Brasil tem capacidade para fazer as duas campanhas?

Segundo Cunha, não é novidade para o Programa Nacional de Imunizações fazer campanhas de vacinação simultâneas. O diferencial agora é que ambas são de grande escala e, por isso, serão necessárias várias parcerias para ganhar a capilaridade necessária. “Precisamos utilizar locais alternativos, voluntários de universidades, escolas técnicas, conselho de classe, drive thru. Temos que intensificar tudo isso para poder levar a frente essas duas campanhas de vacinação”, conclui.

Comentários

Cotidiano

Invicto, Acre conquista título da 1ª etapa do Circuito Amazônia de Vôlei de Praia Feminino

Publicado

em

Por

Ynara Fernandes e Quemile Souza superam dupla amazonense por 2 sets a 0 nesse domingo, na Ufac, em Rio Branco, e garantam 1º lugar no pódio na abertura da competição regional

O Acre assegurou o topo do pódio na abertura do Circuito Amazônia de Vôlei de Praia Feminino. A dupla acreana formada por Ynara Fernandes e Quemile Souzavenceram a competição de forma invicta na manhã deste domingo (3), na quadra de areia da Universidade Federal do Acre (Ufac), em Rio Branco (AC).

Ynara Fernandes (D) e Quemile Souza (E) são campeãs da 1ª etapa do Circuito Amazônica de Vôlei de Praia Feminino — Foto: Arquivo pessoal/Ramon Aquim

Ynara Fernandes (D) e Quemile Souza (E) são campeãs da 1ª etapa do Circuito Amazônica de Vôlei de Praia Feminino — Foto: Arquivo pessoal/Ramon Aquim

Ynara Fernandes e Quemile Souza superaram a dupla amazonense Aline e Karine por 2 sets a 0 com parciais 21 a 18 e 21 a 19. Antes, as acreanas despacharam a dupla mato-grossense Dani e Kimberly também por 2 sets a 0.

As acreanas foram as primeiras colocadas na primeira fase com quatro vitórias por 2 sets a 0 sobre as representantes do Amazonas, Roraima, Rondônia, e 2 sets a 1 contra o Mato Grosso.

Ynara Fernandes e Quemile Souza vencem dupla do Amazonas em decisão do Circuito Amazônia de Vôlei de Praia Feminino — Foto: Arquivo pessoal/Ramon Aquim

Ynara Fernandes e Quemile Souza vencem dupla do Amazonas em decisão do Circuito Amazônia de Vôlei de Praia Feminino — Foto: Arquivo pessoal/Ramon Aquim

Conforme o cronograma, a segunda etapa do naipe feminino será disputada em Boa Vista (RR), no dia 30 de julho.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

De olho em classificação na Série D, zagueiro do Rio Branco-AC prevê jogo difícil e pede concentração

Publicado

em

Por

Santos destaca foco do time em conseguir somar três pontos diante do Humaitá, neste domingo, para garantir vaga na 2ª fase da competição. Estrelão é vice-líder do grupo 1 com 21 pontos

De olho em classificação na Série D, zagueiro do Rio Branco-AC prevê jogo difícil e pede concentração

O Rio Branco-AC enfrenta o Humaitá neste domingo (3), pela 12ª rodada do grupo 1 do Campeonato Brasileiro da Série D e pode confirmar classificação antecipada à segunda fase em caso de vitória.

O zagueiro Santos destaca que o Estrelão está focado em conseguir assegurar os três pontos no confronto, mas projeta um jogo difícil, apensar do Tourão de Porto Acre não ter mais chances de avançar na Série D.

— A gente entrou essa semana com essa ênfase de conquistar os três pontos e encaminhar nossa classificação (…) A gente tá com a cabeça tranquila, estamos fazendo nossa parte, sabemos que vai ser um jogo difícil porque mesmo eles estando eliminados da competição, sempre é um jogo difícil.

Santos, zagueiro do Rio Branco-AC — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

Santos, zagueiro do Rio Branco-AC — Foto: Arquivo pessoal/Manoel Façanha

É um clássico regional, então sempre temos que entrar firmes e fortes pra poder conquistar os três pontos.

— Santos, zagueiro do Rio Branco-AC

Mesmo que confirme a classificação, o Rio Branco-AC terá mais dois jogos para completar a primeira fase, sendo um deles fora de casa. Sem calendário nacional garantido na próxima temporada após campanha aquém do Campeonato Acreano, o zagueiro Santos diz que uma possível vaga antecipada vai proporcionar certo alívio para o elenco.

— A gente conseguindo nossa classificação no fim de semana, temos dois jogos até pra gente descansar alguns jogadores, dar ênfase em algum partes que a gente precisa melhor, tirarmos esse peso que foi até do primeiro semestre que não conseguimos ser campeões, então pra gente vai ser de grande valia se classificar — disse.

Rio Branco-AC é vice-líder do grupo 1 com 21 pontos. O confronto contra o Humaitá começa a partir das 19h (de Brasília), no estádio Florestão, na capital acreana.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Brasil vai enfrentar o Japão nas quartas de final da Liga das Nações

Publicado

em

Após início arrasador, japonesas caíram do topo do tabela para o quinto lugar na classificação

O Brasil conheceu na tarde deste domingo o seu primeiro rival na fase final da Liga das Nações, que será disputada a partir do dia 13 de julho, na Turquia. A renovada seleção do técnico José Roberto Guimarães vai enfrentar o Japão nas quartas de final. Após um início arrasador no torneio, as japonesas engataram uma série de quatro derrotas seguidas e caíram do primeiro para o quinto lugar na tabela de classificação.

Brasil fez uma ótima campanha na fase regular da Liga das Nações — Foto: Divulgação/FIVB

Brasil fez uma ótima campanha na fase regular da Liga das Nações — Foto: Divulgação/FIVB

O time brasileiro garantiu a segunda posição após os 12 jogos da fase regular, com 10 vitórias e duas derrotas. No entanto, devido ao novo sistema de disputa da Liga das Nações, a seleção de Zé Roberto avançou para às finais com a terceira colocação. A Turquia tinha classificação assegurada por ser sede da última fase e virou cabeça de chave por ter ficado entre as 8 melhores equipes da etapa regular. Caso ficasse fora do recorte, entraria com a 8ª vaga.

A ida da Turquia ao topo da tabela empurrou as demais seleções para novas posições. Dessa forma, os EUA, que estavam na liderança, avançaram à fase final em segundo, o Brasil passou em terceiro, a Itália em quarto, a China em quinto, o Japão em sexto e Sérvia em sétimo e a Tailândia, que apresentou um jogo consistente desde a etapa inicial e conquistou o cenário do vôlei, entrou em oitavo.

Quartas de final da Liga das Nações

Turquia (1º) x Tailândia (8º)
Estados Unidos (2º) x Sérvia (7º)
Brasil (3º) x Japão (6º)
Itália (4º) x China (5º)

Brasil e Japão na temporada

O Brasil e Japão se enfrentaram duas vezes em 2022, antes da estreia das Liga das Nações. Em jogos amistosos, nos Estados Unidos, o time asiático levou a melhor em quadra. Vale ressaltar, porém, que peças importantes como a ponteira Gabi, por exemplo, ainda não tinham se apresentado ao elenco. A seleção fez uma ótima campanha na fase regular da Liga, vencendo rivais importantes como Turquia e Sérvia. As duas derrotas foram para os Estados Unidos e Itália.

O Japão, por sua vez, surpreendeu ao superar por 3 sets a 0 o time americano e engatar uma sequência de 8 vitórias. Passou as duas primeiras etapas da competição na liderança, de forma absoluta. Mas perdeu os últimos quatro jogos e despencou na tabela.

Comentários

Continue lendo

Em alta