Conecte-se conosco

Brasil

Varíola do macaco pode se tornar endêmica no Brasil por falta de plano e dimensão territorial

Publicado

em

Especialistas explicam obstáculos para frear disseminação do vírus; o Ministério da Saúde diz que ampliou capacidade de diagnóstico e aumentou as orientações para profissionais de saúde

Lesões na pele causadas pela varíola do macaco
ARQUIVO PESSOAL

O Brasil tem avançado rapidamente no ranking mundial de casos de varíola do macaco e já chega a quase 7.000 casos de infectados, sendo, ao lado de Estados Unidos e Espanha, os únicos países do mundo a superar as 6.000 pessoas doentes.

Dois meses e meio depois da primeira infecção pelo monkeypox registrada no país, as autoridades federais não apresentaram um plano efetivo para combater a disseminação do vírus monkeypox , e o Ministério da Saúde também não declarou estado de emergência, o que dificulta um atuação independente por parte dos estados e municípios.

A demora para agir, segundo especialistas ouvidas pelo R7, aumenta as chances de que a doença se torne endêmica no país, o que significa a não erradicação do vírus — diferentemente do que ocorreu com a varíola humana há 51 anos — e surtos frequentes, assim como ocorre com a dengue, por exemplo.

Para a epidemiologista e professora da Ufes (Universidade Federal do Espírito Santo) Ethel Maciel, o governo não agiu a tempo de evitar que o monkeypox se tornasse um problema para o Brasil, não só por não fazer o controle sanitário nas fronteiras do país, como também por não propor uma comunicação informativa com a população.

“O Brasil falhou, da mesma forma que falhamos com a Covid. Parece que aprendemos pouco. Há uma dificuldade de diagnóstico, os testes estão se acumulando, as pessoas têm uma demora para receber o resultado”, afirma Ethel. “É uma situação crítica, nós estamos, infelizmente, deixando a doença se espalhar”, argumenta.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou, em 23 de julho, emergência de saúde pública global.

No entanto, apenas no dia 5 de agosto o Ministério da Saúde divulgou o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox, um documento de 31 páginas com definições relativas à doença, como sintomas e tratamento, além de tópicos com medidas que a pasta pretende implementar para controlar a situação da varíola do macaco no país.

Entre os tópicos estão: levantar a disponibilidade nos hospitais de referência de leitos de internação com isolamento e leitos de unidade de terapia intensiva — UTI com isolamento para casos graves; e promover capacitações para atualização dos profissionais de saúde para a gestão clínica e laboratorial dos casos.

Para a virologista Camila Malta, pesquisadora do Laboratório de Investigação Médica do Hospital das Clínicas da FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo) e do Instituto de Medicina Tropical, o documento não pode ser considerado um plano de ação.

“Um plano de contingência não é dizer o que é necessário fazer, mas de que forma eles vão fazer isso, quando vai começar, como vai acontecer os treinamentos. Tem que ser bem direcionado […] não adianta estar em um papel há uma semana e não acontecer. A minha posição é de que nada de concreto foi feito até agora”, afirma.

Em nota enviada ao R7, o Ministério da Saúde afirmou que algumas ações propostas pelo plano já estão em prática, como a ampliação da capacidade de diagnóstico da doença.

Veja a nota na íntegra:

Ministério da Saúde mobiliza o Centro de Operações de Emergência em Saúde Pública para Monkeypox (COE-Monkeypox), que compõe a definição de todas as ações estratégicas das áreas técnicas do MS, Anvisa, CONASS, CONASEMS, OPAS e Fiocruz para a doença. 
Criação de uma página especial no portal do Ministério da Saúde, atualizada diariamente, inclusive com as dúvidas mais frequentes (Faq) sobre varíola dos macacos, que também são recorrentemente atualizadas

Publicação de nota técnica com orientações para profissionais de saúde, gestantes, puérperas e lactantes;

Ampliação da capacidade diagnóstico da doença, passando de quatro para oito laboratórios de referência com capacidade de cobertura para todas as UF.

Lançamento do Plano de Contingência Nacional para Monkeypox com informações estratégicas para contenção e controle da doença no país e orientações assistenciais para a gestão dos casos;

Realização de webinário com orientações para profissionais de saúde na identificação clínica, no manejo, na instituição de medidas de prevenção adequadas e controle da varíola dos macacos;

Veiculação de materiais com informações específicas para orientar o atendimento de pacientes;

Solicitação de excepcionalidade para uso dos kits da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz);

Tratativas com a empresa para aquisição do antiviral Tecovirimat;

Publicação de uma resolução, pela Anvisa, para dispensa excepcional de importação de medicamentos e vacinas para varíola dos macacos;

Lançamento da Campanha Nacional e do oitavo Boletim Epidemiológico em coletiva de imprensa;
 
O Ministério da Saúde também segue em tratativas junto a entidades internacionais e a OPAS/OMS para aquisição de vacinas. Desde a mobilização do COE, ações de comunicação para orientações voltadas para a população geral e ações especificas para públicos específicos têm sido realizadas. Reuniões com representantes da sociedade civil estão sendo realizadas para orientações de populações-chave. A produção de materiais informativos está sendo realizada e disponibilizada por meio do site do MS, bem como sendo ampliada nas mídias sociais do MS.

As dificuldades para frear o avanço do monkeypox

 

Mesmo que o Ministério da Saúde desempenhe um papel decisivo neste cenário, um país da dimensão do Brasil pode apresentar uma série de obstáculos para conter o avanço de uma doença infecciosa, segundo a virologista Camila Malta.

O primeiro deles é a falta de imunidade da população contra os patógenos da família orthopoxvirus, da qual pertence o monkeypox.

“Quem nasceu antes de 1977, provavelmente tomou a vacina [contra a varíola], quem nasceu depois, não. No caso da gripe, que a pessoa pega em um ano e talvez esteja protegida no próximo, mesmo sendo uma linhagem um pouco diferente [do vírus], existe uma certa proteção e, ainda, a vacina. No caso da varíola do macaco, não tem nem a vacina nem um vírus parecido que possa ter gerado alguma imunidade parcial, então estamos completamente vulneráveis”, afirma a especialista.

A falta de imunidade natural soma-se, ainda, à dificuldade que o país enfrenta para fazer o diagnóstico da doença. Até o momento, conforme descreve o Plano de Contingência Nacional para Monkeypox, apenas oito laboratórios estão aptos para realizar os testes de detecção do vírus.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que até o fim de agosto todos os laboratórios públicos do país terão testes para diagnóstico da doença.

“Estamos diagnosticando de forma lenta, isolando de forma lenta, com certeza, com muita subnotificação [de casos], porque as pessoas não sabem onde procurar o serviço, o que que tem que fazer, quais exatamente os sinais e sintomas. A própria apresentação da doença tem muita diversidade, nem sempre ela se apresenta dessa forma [com lesões numerosas na pele]”, destaca a epidemiologista Ethel Maciel.

Vale ressaltar que, no caso da varíola do macaco, as pessoas infectadas precisam ficar isoladas até o desaparecimento total das lesões na pele, o que pode se prolongar por mais de três semanas. Até que isso aconteça, a transmissão do vírus tende a ocorrer de forma mais eficaz.

Apesar de não haver uma recomendação da OMS para vacinação em massa, a falta de vacinas para evitar a infecção pelo monkeypox também pode se tornar um entrave caso o vírus se espalhe em grandes proporções.

Em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, a transmissão já é considerada comunitária, ou seja, qualquer pessoa está sujeita a pegar a doença, independentemente de viagem ou contato com alguém que viajou para um país com surto registrado.

O Ministério da Saúde comprou 50 mil doses do imunizante do laboratório dinamarquês Bavarian Nordic, que devem chegar ao país em dois lotes, sendo o primeiro em setembro e o segundo em novembro.

Essas vacinas serão destinadas a profissionais de saúde que tenham contato com amostras de lesões de pacientes, além de pessoas que tenham contato próximo com alguém infectado. Cada pessoa recebe duas doses em um intervalo de quatro semanas.

“O Brasil é tido pela OMS como o país com o maior crescimento de número de casos de varíola do macaco no mundo. Então, a importação de 50 mil doses de vacina não dá para nada, [mesmo que ainda não tenha] uma produção massiva dessa vacina no mundo, ela está racionada para todos os países. Assim como fazer testagem não quer dizer contenção, se não tiver uma medida sendo tomada em fronteiras ou em aeroportos”, afirma a virologista.

Além das questões técnicas e biológicas que envolvem a contenção do vírus, há ainda o fator comportamental.

Em um contexto geral, não só os brasileiros, como toda a população mundial, vive um cenário de relaxamento das medidas de proteção contra o coronavírus, então, pode ser difícil a missão de incentivar a volta de alguns hábitos, como o uso constante de máscara, para os que estão infectados ou com suspeita, e distanciamento físico.

“Com a vacinação, as pessoas estão com uma sensação de liberdade muito maior, então a verdade é que ninguém mais quer ouvir falar sobre máscara, em contenção e em distanciamento. Então isso é um risco que eu acho que já de imediato as pessoas estão se colocando por não estarem abertas a novas diretrizes e medidas de segurança”, destaca Camila.

Apesar do cenário, a epidemiologista Ethel Maciel explica que erradicar uma doença não é tarefa simples.

“Até hoje só conseguimos erradicar a varíola humana. Erradicação é a última etapa: primeiro controla, depois elimina […] Certamente a varíola do macaco, em algum momento, se tornará uma doença endêmica, quando teremos um número de casos e de óbitos estabilizado”, afirma.

Comentários

Brasil

Lula recebe apoio do PDT e do Cidadania para o segundo turno; Bolsonaro é escolhido por Moro, Zema e Castro

Publicado

em

Por

Esta terça-feira (4), dois dias após a votação do 1º turno, tem sido de intensas movimentações das forças políticas sobre os alinhamentos para o 2º turno da eleição presidencial. O candidato do PT, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, recebeu o apoio formal do PDT e do Cidadania. O presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, foi escolhido pelo senador eleito Sergio Moro (União) e pelos governadores reeleitos Romeu Zema (Novo-MG) e Cláudio Castro (PL-RJ).

O ex-presidente Lula (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL) vão disputar o segundo turno das eleições. Lula recebeu 57,2 milhões de votos (48,4%), e Bolsonaro, 51,07 milhões de votos (43,2%).

Ainda está prevista para a tarde reunião da executiva nacional do PSDB, que no primeiro turno estava na campanha de Simone Tebet (MDB).

PDT anuncia apoio à candidatura de Lula no 2º turno

O anúncio do PDT veio após reunião da Executiva do partido no final da manhã desta terça. No primeiro turno, o PDT teve o ex-governador do Ceará Ciro Gomes como candidato à Presidência da República. Ele ficou em quarto lugar, com 3,5 milhões de votos (3%).

“Uma hora e meia de reunião com toda a Executiva Nacional do partido, mais os presidentes estaduais, os presidentes de movimentos, os deputados federais de mandato, senadores. E tomamos uma decisão unânime, sem nenhum voto contrário, a decisão de apoiar o mais próximo da gente, que é a candidatura do Lula”, afirmou o presidente do PDT, Carlos Lupi.

“Bolsonaro, na nossa opinião, representa o atraso do atraso do atraso desse país, um aspirante a ditador, malversador do dinheiro público, um homem da falsa fé cristã”, disse Lupi. “Nosso trabalho para derrotar Bolsonaro tem que ser a prioridade absoluta. Derrotar Bolsonaro é uma causa nacional, uma causa da pátria, uma causa dos democratas”, completou.

A decisão do Cidadania de apoiar o candidato petista foi tomada em uma reunião da Executiva do partido

“Decidiu pelo apoio ao candidato do PT no segundo turno. Uma decisão que foi quase por unanimidade. Tivemos 3 votos defendendo neutralidade. Unanimidade contra Bolsonaro”, declarou Roberto Freire, presidente da legenda.

Freire já havia declarado apoio pessoal à Lula na última segunda-feira (3).

No Twitter, Moro disse que Lula não é uma opção e que o governo do petista foi marcado pela corrupção.

“Contra o projeto de poder do PT, declaro, no segundo turno, o apoio para Bolsonaro”, publicou Moro.

Romeu Zema (Novo) anuncia apoio a Bolsonaro no 2º turno

Romeu Zema, reeleito em primeiro turno com 56,18% dos votos válidos, anunciou o apoio a Bolsonaro após uma reunião com o presidente no Palácio da Alvorada, em Brasília. Braga Netto, candidato a vice na chapa do PL, também participou do encontro.

“Não poderia também deixar neste momento de estarmos aqui, colocando as nossas divergências de lado, eu sempre dialoguei com o presidente Bolsonaro. Sabemos que em muitas coisas convergirmos e em outras, não. Mas é o momento em que o Brasil precisa caminhar para frente, e eu acredito muito mais na proposta do presidente Bolsonaro do que na proposta do adversário [Lula]”, afirmou Zema

Ele declarou ter herdado uma “tragédia” do governo petista de Fernando Pimentel em Minas Gerais e que esse foi um dos motivos que o levou a Brasília para declarar apoio ao candidato do PL.

Castro também teve uma reunião com Bolsonaro nesta manhã, no Palácio do Planalto, em Brasília. Depois, eles deram uma rápida entrevista coletiva para a imprensa.

“Eu, como sou do partido do presidente, sou apoiador do presidente. Não tinha como não vir aqui e me esforçar muito para que o Rio seja a capital da vitória do presidente Bolsonaro”, disse o governador, ao lado de Bolsonaro.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Nobel de Medicina: como foi a ‘tarefa impossível’ de recriar o DNA Neandertal, que rendeu prêmio a Svante Pääbo

Publicado

em

Por

O vencedor do Prêmio Nobel de Medicina de 2022 criou uma disciplina que contribuiu para essa importante descoberta: a paleogenômica.

O homem de Neandertal — Foto: S. ENTRESSANGLE/E. DAYNES/SCIENCE PHOTO LIBRARY

O homem de Neandertal — Foto: S. ENTRESSANGLE/E. DAYNES/SCIENCE PHOTO LIBRARY

Imagine que todas as páginas de um dicionário foram destruídas em um triturador de papel e você teve que reconstruir todo o trabalho.

Suponha que, além disso, as milhares de tiras picotadas daquele dicionário foram misturadas com as de milhares de outros livros, que também foram triturados.

Para piorar, por cima dessa montanha de papel cortado, foi despejada uma xícara de café.

Como você pode imaginar, o resultado disso é uma enorme bola colada que mistura milhões de letras e segmentos mínimos de um texto, que se tornou inelegível e confuso.

Mas será que é possível restaurar esse dicionário?

Essa foi a figura de linguagem que o cientista sueco Svante Pääbo usou no documentário First Peoples (“Primeiros Povos”, em tradução livre), da rede de televisão pública americana PBS, para descrever a dificuldade que enfrentava: a reconstrução do DNA neandertal após de dezenas de milhares de anos da extinção dessa espécie.

A passagem do tempo, a corrosão dos possíveis restos desses humanos parentes do Homo sapiens, a interação com bactérias e fungos ao longo de centenas de séculos e o contato com os humanos modernos impossibilitariam a reorganização das peças genéticas.

“Existem todos os tipos de danos no DNA que podem fazer com que você determine sequências erradas, especialmente quando se começa com poucas moléculas. Também há contaminação do material por DNA humano, que está em quase toda parte”, escreveu Pääbo em um artigo publicado em 1989.

O sueco Svante Pääbo foi premiado pela contribuição à saúde com base em seu estudo sobre a evolução humana — Foto: NOBEL PRIZE

O sueco Svante Pääbo foi premiado pela contribuição à saúde com base em seu estudo sobre a evolução humana — Foto: NOBEL PRIZE

Mas Pääbo e sua equipe conseguiram fazer o que parecia improvável. Graças a isso, ele ganhou o Prêmio Nobel de Medicina de 2022 na segunda-feira (3/10).

“Por meio de sua pesquisa pioneira, Svante Pääbo alcançou o impossível: sequenciar o genoma neandertal, um parente extinto dos humanos modernos”, declarou o comitê do Nobel ao anunciar a decisão.

Mas como ele conseguiu esse feito?

A chave está no Egito Antigo

Para entender o processo que levou Pääbo, de 67 anos, à reconstrução do genoma neandertal, é preciso voltar à sua adolescência.

Quando tinha 13 anos, a mãe o levou de férias para o Egito.

Lá, ele ficou fascinado com a antiga cultura e arqueologia do país e voltou convencido de que iria se tornar um egiptólogo.

Quando chegou a hora de começar a graduação, Pääbo entrou na Universidade de Uppsala, 70 quilômetros a noroeste de Estocolmo, capital da Suécia, e começou de fato a estudar egiptologia.

No entanto, depois de dois anos, ele percebeu que isso não era o que aspirava na vida. A carreira foi orientada para o estudo da gramática hieroglífica (forma de escrita por símbolos adotada no Egito Antigo), e ele sonhava em descobrir múmias e pirâmides.

“O trabalho não era do tipo romântico, meio Indiana Jones, que eu pensava”, disse Pääbo à BBC há alguns anos.

Foi por isso que ele passou a cursar medicina. No doutorado, resolveu estudar genética molecular, o que o levou a vincular o interesse que tinha desde a adolescência ao campo profissional.

Svante Pääbo dedicou-se a pesquisar nas últimas décadas o DNA dos neandertais — Foto: GETTY IMAGES/BBC

Svante Pääbo dedicou-se a pesquisar nas últimas décadas o DNA dos neandertais — Foto: GETTY IMAGES/BBC

“Comecei a perceber que tínhamos todas essas tecnologias para clonar o DNA, mas ninguém parecia tê-las aplicado a vestígios arqueológicos, principalmente às múmias egípcias”, disse Pääbo em um perfil publicado pela Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.

A partir dessas ferramentas, ele poderia criar uma máquina do tempo genômica.

A inquietação o levou a estudar o genoma de múmias e, alguns anos depois, se mudar para os Estados Unidos com o objetivo de investigar DNAs antigos na Universidade da Califórnia em Berkeley.

Ele então seguiu o trabalho em Munique, na Alemanha, onde se dedicou a mamutes e ursos que viviam em cavernas.

Apesar de todas as dificuldades, Pääbo não desistiu. Com o tempo, ele se propôs a fazer algo muito mais ambicioso: decifrar o DNA neandertal e o que o diferencia dos seres humanos atuais.

Sem querer, ele praticamente criou uma nova disciplina na ciência: a paleogenômica.

Resquícios de 40 mil anos

No final da década de 1990, Pääbo foi contratado pelo Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária, localizado em Leipzig, na Alemanha.

Ele já estava trabalhando com partes do DNA dos neandertais. No novo local de trabalho, porém, a oferta aumentou: o cientista teria a oportunidade de investigar diretamente o núcleo do DNA desses parentes próximos da nossa espécie.

“No novo instituto, Pääbo e equipe melhoraram constantemente os métodos para isolar e analisar DNA de restos ósseos arcaicos. O time de pesquisa aproveitou os novos avanços tecnológicos, que tornaram o sequenciamento de DNA muito eficiente”, detalha o comitê encarregado de conceder o Prêmio Nobel de Medicina.

Segundo o comitê que concede o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina, Svante Pääbo conseguiu criar uma disciplina completamente nova: a paleogenômica — Foto: NOBEL PRIZE

Segundo o comitê que concede o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina, Svante Pääbo conseguiu criar uma disciplina completamente nova: a paleogenômica — Foto: NOBEL PRIZE

O estudo do genoma neandertal usou fragmentos de ossos dessa espécie que estão preservados há mais de 40 mil anos. A partir desse material, foi possível obter uma quantidade suficientemente boa de DNA.

Um fator que contribuiu para o sucesso da investigação foi o canibalismo entre esses hominídeos.

“Quando analisamos as amostras, notamos que, muitas vezes, tivemos mais sucesso com fragmentos de ossos que realmente tinham marcas de corte ou foram deliberadamente quebrados. Segundo paleontólogos, isso sugere que esses indivíduos haviam sido comidos”, disse Pääbo à BBC.

“Se você separar os ossos da carne e jogá-los no canto da caverna, onde secam rapidamente, eles terão menos atividade microbiana e ficarão preservados”, acrescentou.

“Temos de agradecer ao canibalismo pelo sucesso do nosso projeto.”

Pääbo usou a tecnologia de sequenciamento de DNA e criou laboratórios com altos padrões de limpeza para evitar a contaminação das amostras.

Ele então analisou milhões de fragmentos de material genético e usou técnicas estatísticas para isolá-los de genes modernos, vindos de seres humanos, bactérias e fungos.

Com isso, ele não apenas reconstruiu o genoma neandertal, como também encontrou ligações entre esse material genético e o do humano moderno.

Isso, por sua vez, comprova que o Homo sapiens teve relações sexuais e descendentes com os neandertais — e essa interação gerou novas espécies, como os denisovanos que viveram na Ásia.

Essa série de descobertas levaram o meticuloso pesquisador sueco a ganhar um dos mais destacados prêmios do mundo.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Agroglifo aparece em plantação de trigo em SC: ‘Negócios misteriosos’, diz proprietário

Publicado

em

Por

Marca foi notada pelo morador na manhã desta terça-feira. Segundo ufólogo, trata-se de um agroglifo.

Imagem foi vista nesta terça-feira e surpreendeu dono de propriedade rural em SC. — Foto: Tiago Kosinski/Divulgação

Imagem foi vista nesta terça-feira e surpreendeu dono de propriedade rural em SC. — Foto: Tiago Kosinski/Divulgação

Uma figura misteriosa apareceu em uma plantação de trigo em Ipuaçu, no Oeste catarinense. A imagem foi encontrada na manhã desta quarta-feira (4). Sérgio Girotto, 62 anos, estava tomando café quando recebeu mensagens avisando sobre o desenho visto na propriedade.

Segundo o proprietário, esta não é a primeira vez que imagem enigmática aparecem na plantação. O agricultor lembra que o mistério já rondou a propriedade há 7 anos com uma imagem feita há cerca de 200 metros de onde o desenho atual foi registrado.

“Hoje, nos deparamos pela segunda vez na nossa propriedade. A gente estava tomando café e vimos esses negócios misteriosos que a gente não sabe explicar de onde vem”, afirmou.

 

Agroglifos que apareceram em SC. — Foto: Tiago Kosinski/Divulgação

Agroglifos que apareceram em SC. — Foto: Tiago Kosinski/Divulgação

Além de Ipuaçu, em Bom Jesus, na mesma região, agroglifos também apareceram em plantação de milho. Eles haviam sido notados por moradores da cidade e tinham cerca de vinte metros de diâmetro.

Imagem circulou nas rede sociais nesta terça-feira (4) — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Imagem circulou nas rede sociais nesta terça-feira (4) — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Agroglifos em SC é mistério para proprietário da área. — Foto: Tiago Kosinski/Divulgação

Agroglifos em SC é mistério para proprietário da área. — Foto: Tiago Kosinski/Divulgação

Comentários

Continue lendo

Em alta