Irmão pede justiça e padre critica modelo de ensino voltado aos jovens

Da redação com Alexandre Lima - Vídeos: Marcus José e Fernando Oliveira
Milhares de pessoas conhecidas e amigos foram até o santuário de São Francisco para se despedir de Raimundo.

Durante parte da noite desta segunda (15) e desta terça-feira até o início da tarde, o velório da vítima de latrocínio ocorrido no último domingo, aconteceu no Santuário de São Francisco localizado no km 5 da BR 317 (Estrada do Pacífico), onde recebeu milhares de pessoas que tinham alto estima por Raimundo Nonato Pessoa, que iria completar 56 anos no próximo dia 29.

O sentimento de revolta e dor, quase registrou outra tragédia quando um grupo de pessoas foram até a delegacia de Brasiléia, quase conseguiram invadir a delegacia com intuito de fazer justiça com as próprias mãos, linchando os envolvidos no crime que chocou os moradores.

Raimundo era tido com ‘boa praça’, além de católico praticante, ao ponto de doar garrotes para rifas nas igrejas e as rematarem pessoalmente. Também era um grande contribuinte para causas como o Hospital do Câncer e apoiador do Hospital do Amor no Acre.

Wilson, irmão da vítima pede justiça para o caso e criticou e criticou a atual legislação penal do Brasil – Foto: Alexandre Lima

Durante entrevista, o irmão José Wilson Pessoa, lamentou a morte destacando que as Leis do Código Penal precisa ser receber mudanças, para punir mais severamente pessoas que praticam crimes e rapidamente são liberadas para cometer outros, deixando mais famílias com sequelas irreparáveis e de luto para o resto da vida.

Critica a abertura da fronteira para o crime que vem crescendo. “Temos duas pontes que não tem fiscalização, abertas para os bandidos praticarem crimes e passar sem serem importunados. Quando mudamos para cá a quase 20 anos atrás, não tinha esses crimes”, desabafou.

Padre Moarcir, criticou o sistema de ensino que falta mais rigidez aos jovens – Foto: Alexandre Lima

Já o padre Moarcir Carreira, que esteve no Santuário e realizou e missa de corpo presente, destacou que a vida é de Deus, e somente ele determina quem dever partir. Criticou o ensino nas escolas que estão em falta com as crianças, destacando a política de combate contra o mal e a violência. “Precisamos de escolas firmes para que eles se tornem seres humanos e não bichos e isso foi um ato animalesco e ninguém tem o direito de tirar a vida de outro”, desabafou.

O corpo de Raimundo foi enterrado em um cemitério localizado no km 52 da BR 317 (Estrada do Pacífico) por volta das 14 horas sob forte comoção de parentes e amigos.

VEJA VÍDEO DENTRO DE INSTANTES

Matéria relacionada:

PM identifica e detém acusados em latrocínio ocorrido na BR 317

Populares revoltados tentam invadir delegacia e linchar acusados de latrocínio

Comentários