DSC_0003

Com informações do TRE/AC

A Justiça Eleitoral realizou nesse domingo de Eleições a Votação Paralela, procedimento que funciona como uma auditoria pública, por amostragem, para confirmar a segurança das urnas eletrônicas preparadas para o dia da votação.

As urnas sorteadas para a auditoria foram da seção 131, da 8º Zona Eleitoral (Senador Guiomard), e seção 150, da 10ª Zona (Rio Branco). O procedimento foi executado pela Comissão da Votação Paralela e presidido pela juíza de Direito, Luana Claudia de Albuquerque Campos e acompanhada por representante do Ministério Público Eleitoral. A apuração evidenciou consistência na votação, uma vez que a contagem dos votos anotados nas cédulas de papel coincidiram com os votos do relatório impresso das urnas.

Como ocorre a votação paralela

As urnas sorteadas para a auditoria são as que estão preparadas para o dia das Eleições. Elas são transportadas, um dia antes, no sábado, com a presença dos fiscais de partidos e representantes da OAB e Ministério Público Eleitoral, para a sede do Tribunal Regional Eleitoral, onde são fiscalizadas pelos presentes. Em seguida, são substituídas por outras na seção eleitoral de origem.

Os servidores da Justiça Eleitoral digitam nas urnas sorteadas, um a um, todos os votos anotados nas cédulas de papel e depositados em uma urna de lona. Às 17 horas, no final da votação, inicia a apuração dos votos para saber se os votos das cédulas coincidem com os depositados nas urnas, constatando se há ou não adulteração nos programas da Justiça Eleitoral.

Comentários